Cré­di­tos sub­si­di­a­dos

Jornal de Economia & Financas - - Opinião - Lau­ri­a­no Tchoia

An­go­la es­tá a vi­ver um mo­men­to de in­tro­du­ção de prá­ti­cas de de­sen­vol­vi­men­to so­ci­o­e­co­nó­mi­co di­fe­ren­ci­a­das à pos­tu­ra de co­mo­dis­mo en­tra­nha­do, o que re­quer um exer­cí­cio equi­li­bra­do de ac­ções com vis­ta a pro­por­ci­o­nar um le­que de opor­tu­ni­da­des pa­ra os seus ci­da­dãos.

Im­pli­ca com is­so in­su­flar no­vo oxi­gé­nio aos nú­cle­os de de­sen­vol­vi­men­to mul­ti­fa­ce­ta­dos, cri­an­do des­ta for­ma um equi­lí­brio em ca­deia, pois o de­sa­fio cha­ma-nos a fre­nar a bus­ca de bens e ser­vi­ços pas­sí­veis de ter uma res­pos­ta com oferta lo­cal e os be­ne­fí­ci­os não pre­ci­sam de ser em­ban­dei­ra­dos de tão co­nhe­ci­dos que são.

Es­tan­do tu­do a pos­tos, co­mo nos de­mais contextos pe­lo mun­do afo­ra, é co­mum sur­gi­rem pro­gra­mas sub­si­di­a­dos pa­ra ala­van­car o sec­tor pro­du­ti­vo e ini­ci­a­ti­vas de ris­co, ge­ran­do uma almofada que apadrinha os sec­to­res mais frá­geis.

Por nor­ma, são os Go­ver­nos e um con­jun­to de ins­ti­tui­ções fi­nan­cei­ras vol­ta­das ao de­sen­vol­vi­men­to que, com fo­co em en­sai­os e agre­ga­ção de va­lo­res, de­sen­vol­vem um con­jun­to de ac­ções vol­ta­das ao te­ci­do pro­du­ti­vo. Coi­sas de ro­da que já não se in­ven­tam.

An­go­la não es­tá por fo­ra des­te ónus. Fru­to de uma de­vas­ta­ção do sec­tor económico, tem ha­vi­do uma in­ter­ven­ção mui­to for­te do Es­ta­do em apoi­ar os vá­ri­os sec­to­res da eco­no­mia, o que, na ver­da­de, é bom.

Cum­prin­do-se o de­ver de go­ver­na­ção re­ser­vam-se re­cur­sos fi­nan­cei­ros e ou­tros pa­ra apoi­ar pro­gra­mas di­ri­gi­dos a uma gran­de fran­ja do sec­tor for­mal e informal da eco­no­mia, com o pro­pó­si­to de “dis­tri­buir me­lhor”. Até aí es­ta­mos con­ver­sa­dos.

De for­ma al­gu­ma po­dem ser con­tes­ta­das ini­ci­a­ti­vas do gé­ne­ro, que só pro­mo­vem o bem-es­tar da po­pu­la­ção e con­co­mi­tan­te­men­te a re­du­ção da fome e da po­bre­za, des­ta era de ino­va­ções. To­dos nós te­mos si­do tes­te­mu­nhas des­tas ac­ções e es­ta­mos re­cor­da­dos dos pro­jec­tos co­mo o Cré­di­to de Cam­pa­nha Agrí­co­la, An­go­la Jo­vem, An­go­la In­ves­te, Al­deia No­va e ou­tros que en­vol­ve­ram mi­lhões.

No en­tan­to, im­por­ta fa­zer­mos ba­lan­ços, ain­da que pro­vi­só­ri­os, pa­ra en­ten­der­mos a di­nâ­mi­ca do mer­ca­do e me­dir­mos as in­fluên­ci­as po­si­ti­vas na ba­lan­ça fi­nan­cei­ra des­tes pro­jec­tos e ve­ri­fi­car:

a)- Que sec­to­res se tor­na­ram nu­ma ver­da­dei­ra ala­van­ca à eco­no­mia?

b)- Quan­tos pos­tos de tra­ba­lho sur­gi­ram pa­ra aco­mo­dar prin­ci­pal­men­te os jo­vens?

An­tes de qual­quer ou­tra aven­tu­ra, te­mos de nos de­di­car se­ri­a­men­te ao pro­pó­si­to.

Im­por­ta­ria, con­tu­do, co­me­çar­mos a ava­li­ar os resultados in­trín­se­cos, por­que co­mo é ób­vio, se­ria uma boa opor­tu­ni­da­de pa­ra per­ce­ber com quan­tos con­tar nes­ta fa­se crí­ti­ca da nos­sa eco­no­mia; Quan­tos es­tão à al­tu­ra de re­tri­buir com o seu capital na co­ber­tu­ra das zo­nas cin­zen­tas des­ta crise que nos re­duz a di­e­ta diá­ria?

O país pre­ci­sa mo­ver-se e iden­ti­fi­car ac­to­res sé­ri­os e cer­tos, as­sim co­mo apren­der com es­te apu­ro que nos “sal­ga o estô­ma­go”.

Os pres­su­pos­tos se­guin­tes de­vem ser ti­dos em con­ta nes­te exer­cí­cio pa­ra a cri­a­ção de equi­lí­brio, no­me­a­da­men­te, o es­tí­mu­lo a em­pre­gos, pois há mui­tos que pre­ci­sam, com ên­fa­se aos jo­vens, além de dar-se opor­tu­ni­da­des pa­ra a sua in­ser­ção em gran­des pro­jec­tos, ge­ral­men­te com­pos­tos por pro­du­to­res in­di­vi­du­ais, fa­mí­li­as, co­o­pe­ra­ti­vas de pro­du­ção co­lec­ti­va e ou­tras, pois são es­tes que ali­men­tam a gran­de in­dús­tria.

De­vem-se cri­ar ini­ci­a­ti­vas sem as­si­me­tri­as, va­lo­ri­zan­do na­tu­ral­men­te os re­cur­sos e opor­tu­ni­da­des pró­pri­as de ca­da con­tex­to.

Di­an­te da crise ac­tu­al, os de­sa­fi­os au­men­tam, tan­to pa­ra ad­mi­nis­tra­do­res co­mo pa­ra ad­mi­nis­tra­dos, o que re­quer um es­for­ço mai­or e ac­ções pró­pri­as, por­que en­tre dar pas­sos cur­tos e cor­rer de­mais, pre­ci­sa­mos avan­çar, por­que o país de­ve ca­mi­nhar.

É com os seus fi­lhos e par­cei­ros de boa-fé que is­so de­ve acon­te­cer, so­bre pe­na de adi­ar­mos pa­ra mais dis­tan­te o nos­so bem-es­tar.

CO­MO NOS DE­MAIS CONTEXTOS PE­LO MUN­DO AFO­RA, É CO­MUM SUR­GI­REM PRO­GRA­MAS SUB­SI­DI­A­DOS PA­RA ALA­VAN­CAR O SEC­TOR PRO­DU­TI­VO E INICIATIVASDE RIS­CO, GE­RAN­DO UMA ALMOFADA QUE APADRINHA OS SEC­TO­RES MAIS FRÁ­GEIS

ARQUIVO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.