Uni­ver­si­da­des so­bem pre­ços das pro­pi­nas

Ape­sar de o Mi­nis­té­rio do En­si­no Su­pe­ri­or não ter pu­bli­ca­do a ac­tu­a­li­za­ção dos pre­ços al­gu­mas ins­ti­tui­ções já ele­va­ram a ta­ri­fa

Jornal de Economia & Financas - - Capa - Yo­la do Car­mo

Ob­ter uma li­cen­ci­a­tu­ra em al­gu­mas uni­ver­si­da­des pri­va­das es­tá ca­da vez mais ca­ro, tu­do por­que nes­tas ins­ti­tui­ções, o pre­ço das pro­pi­nas pa­ra o pre­sen­te ano aca­dé­mi­co re­gis­tou uma su­bi­da, in­cluin­do o dos emo­lu­men­tos se com­pa­ra­dos com os do ano an­te­ri­or.

O apu­rou que as di­rec­ções das ins­ti­tui­ções ale­gam a su­bi­da do pre­ço co­mo um ajus­te que o Go­ver­no fez face à in­fla­ção.

A si­tu­a­ção es­tá a ini­bir mui­tos es­tu­dan­tes de efec­tu­a­rem as ins­cri­ções e jus­ti­fi­cam que os cus­tos das pro­pi­nas es­tão mui­to aquém das pos­si­bi­li­da­des.

Por exem­plo, o Ins­ti­tu­to Su­pe­ri­or Po­li­téc­ni­co In­ter­na­ci­o­nal de An­go­la ( I.S.I.A) con­ta com 18 cur­sos téc­ni­cos e não téc­ni­cos, co­mo edi­ci­na, Ar­qui­tec­tu­ra, Ur­ba­ni­za­ção, Ci­ne­ma, Fi­si­o­te­ra­pia, Nu­tri­ção e En­fer­ma­gem.

Tam­bém há Far­ma­cêu­ti­ca Psi­co­lo­gia, Pe­da­go­gia, Co­mu­ni­ca­ção So­ci­al, Di­rei­to, Re­la­ções In­ter­na­ci­o­nais, en­tre ou­tros. O ISIA aplica uma pro­pi­na men­sal de 26 mil pa­ra os cur­sos téc­ni­cos e 21 mil kwanzas pa­ra os não téc­ni­cos.

Já no Ins­ti­tu­to Su­pe­ri­or Po­li­téc­ni­co Ka­tan­go­ji, o va­lor da pro­pi­na men­sal é de 35 mil kwanzas pa­ra to­dos os cur­sos, des­de En­ge­nha- ria Ci­vil, In­for­má­ti­ca, Me­câ­ni­ca, Ge­o­grá­fi­ca, Hi­dráu­li­ca, Quí­mi­ca e de En­ge­nha­ria em Pes­qui­sa & Pro­du­ção de Pe­tró­leo.

No Ins­ti­tu­to Su­pe­ri­or Po­li­téc­ni­co de Ka­lan­du­la(ISPEKA), que con­ta com 16 cur­sos des­de Ges­tão de Ad­mi­nis­tra­ção, de Em­pre­sas, Ges­tão de Re­cur­sos Hu­ma­nos, Ges­tão de Mar­ke­ting, Eco­no­mia e a de En­ge­nha­ria de Pe­tró­leo.

Do le­que dos cur­sos de En­ge­nha­ria, cons­tam as Te­le­co­mu­ni­ca­ções, Re­fi­na­ria, Pes­qui­sa & Pro­du­ção, en­tre ou­tros. Os pre­ços va­ri­am en­tre 25 mil kwanzas pa­ra os de En­ge­nha­ria e Tec­no­ló­gi­co, Psi­co­lo­gia Clí­ni­ca e Ci­ên­ci­as da Saú­de. Pa­ra os cur­sos de Ci­ên­ci­as So­ci­ais e Hu­ma­nas têm co­mo pro­pi­na o va­lor de 20 mil kwanzas.

Na al­tu­ra da ma­trí­cu­la, é co­bra­da a ta­xa de ins­cri­ção no va­lor de 8 mil kwanzas, 12 mil pa­ra a ma­trí­cu­la pa­ra os no­vos, e 10 mil kwanzas pa­ra os que ain­da fre­quen­tam os ní­veis se­quen­tes.

Na Uni­ver­si­da­de Gre­gó­rio Se­me­do, o va­lor da pro­pi­na pa­ra es­te ano é de 28 mil kwanzas pa­ra to­dos os cur­sos. E no Ins­ti­tu­to Su­pe­ri­or Po­li­téc­ni­co Me­tro­po­li­ta­no de An­go­la (IME­TRO), os cur­sos va­ri­am de 26 a 31 mil kwanzas por men­sa­li­da­de. Com 17 cur­sos en­tre os quais de Ci­ên­ci­as Tec­no­ló­gi­cas e En­ge­nha­ria, Ci­ên­ci­as Hu­ma­nas e Edu­ca­ção e Ar­te e Ci­ên­ci­as Eco­nó­mi­cas e Ges­tão.

No en­tan­to, en­tre os es­tu­dan­tes, há qu­em já pen­se em mu­dar de uni­ver­si­da­de.

Se­gun­do o che­fe de De­par­ta­men­to de As­sun­tos Aca­dé­mi­cos e Pe­da­gó­gi­cos do Ins­ti­tu­to Su­pe­ri­or Po­li­téc­ni­co In­ter­na­ci­o­nal de An­go­la ( I.S.I.A), Ro­biu Acos­ta He­re­dio, o que mui­tos en­ten­de­ram co­mo au­men­to do pre­ço da pro­pi­na não pas­sa de um ajus­ta­men­to do pre­ço da mo­e­da na­ci­o­nal ao dó­lar.

Se­gun­do o res­pon­sá­vel, tu­do de­ve-se à ac­tu­al re­a­li­da­de eco­nó­mi­ca e so­ci­al em que o país se en­con­tra. Mui­tos ci­da­dãos pre­ten­dem in­gres­sar na Uni­ver­si­da­de Ca­tó­li­ca de An­go­la (UCAN)., mas fi­cam pe­la von­ta­de, por­que as pro­pi­nas vão su­bir. Os cur­sos téc­ni­cos pas­sam de 25 pa­ra 30 mil kwanzas, en­quan­to os so­ci­ais dos 25 pa­ra 28.

“Ape­sar de ser uma das me­lho­res do país, o pre­ço pa­re­ce-me exa­ge­ra­do, até por­que é uma uni­ver­si­da­de li­ga­da a igre­ja”, la­men­ta A ntó­nio do Nas­ci­men­to, que en­ten­de que as ins­ti­tui­ções de en­si­no su­pe­ri­or “não de­vem ig­no­rar os ní­veis de po­bre­za” do país.

O po­si­ci­o­na­men­to de An­tó­nio do Nas­ci­men­to é re­for­ça­do por Dil­son Pas­co­al, que pre­ten­de for­mar-se em En­ge­nha­ria de Pe­tró­le­os.

“O que me trou­xe à Ucan é a qua­li­da­de do en­si­no e, so­bre­tu­do os pre­ços, que são aces­sí­veis.

AS MENSALIDADES VA­RI­AM DOS 15 AOS 35 MIL KWANZAS. OS CUR­SOS TÉCNICOAS SÃO OS MAIS CA­ROS EM TO­DAS INS­TI­TUI­ÇÕES

DR

Ins­ti­tui­ções pri­va­das es­tão a pra­ti­car pre­ços que es­tão fo­ra do re­gu­la­men­to do Mi­nis­té­rio do En­si­no Su­pe­ri­or

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.