Ins­ti­tu­tos Su­pe­ri­o­res au­men­tam a oferta dos cur­sos téc­ni­cos

Ape­sar dos pre­ços al­tos que são pra­ti­ca­dos no mer­ca­do os es­tu­dan­tes têm mui­tas op­ções pa­ra a for­ma­ção

Jornal de Economia & Financas - - Capa - Ma­nu­el Barros

Uni­ver­si­da­des e Ins­ti­tu­tos Su­pe­ri­o­res Pri­va­dos pre­pa­ram-se pa­ra mais um ano lec­ti­vo. A úni­ca di­fe­ren­ça re­si­de nos pre­ços que ca­da ins­ti­tui­ção pra­ti­ca. As mul­ti­pli­ci­da­des de cur­sos ofe­re­ci­dos ao pú­bli­co, bem co­mo o va­lor das mensalidades, jo­gam um pa­pel pre­pon­de­ran­te na es­co­lha da ins­ti­tui­ção que se pre­ten­de fre­quen­tar.

As ins­cri­ções co­me­ça­ram na se­gun­da se­ma­na do mês em cur­so e ter­mi­nam em Fe­ve­rei­ro. A ade­são as ins­ti­tui­ções de en­si­no su­pe­ri­or pri­va­do ain­da é tí­mi­das, o que de­mons­tra al­gu­ma di­fi­cul­da­de dos en­car­re­ga­dos de edu­ca­ção por con­ta das di­fi­cul­da­des fi­nan­cei­ras de mui­tas fa­mí­li­as. Mes­mo as­sim, há qu­em es­pe­ra an­si­o­so em in­gres­sar nu­ma uni­ver­si­da­de e fa­zer o cur­so que sem­pre so­nhou.

Du­ran­te a ron­da que o fez há al­gu­mas uni­ver­si­da­des, cons­ta­tou-se que os pre­ços pra­ti­ca­dos são to­tal­men­te va­ri­a­dos, além do bai­xo ín­di­ce de ins­cri­ções nas ins­ti­tui­ções de en­si­no pri­va­do, si­tu­a­ção con­fir­ma­da por uma fun­ci­o­ná­ria co­mo sen­do jus­ti­fi­ca­do pe­los pre­ços al­tos das mensalidades pra­ti­ca­das.

Fran­cis­co Fer­nan­des, es­tu­dan­te do se­gun­do ano do cur­so de Ar­qui­tec­tu­ra, diz ter de­sis­ti­do “por não po­der pa­gar as mensalidades”. Pa­ra ele, os pre­ços das pro­pi­nas es­tão na ori­gem do aban­do­no de mui­tos es­tu­dan­tes. “As pes­so­as quan­do vêem os pre­ços das pro­pi­nas aca­bam por de­sis­tir de fa­zer exa­mes de ad­mis­são e mui­tos jo­vens es­tão em ca­sa e não se en­con­tram no mer­ca­do de tra­ba­lho por não ha­ver em­pre­gos”, adi­an­tou.

O dis­cen­te uni­ver­si­tá­rio sa­li­en­tou que as as­so­ci­a­ções dos es­tu­dan­tes na­da fa­zem pa­ra que o qua­dro mu­de ou me­nos exi­gir das ins­ti­tui­ções ex­pli­ca­ções cor­rec­tas pa­ra o au­men­to exa­ge­ra­do de

30 EM CA­DA 50 ES­TU­DAN­TES DESISTEM DE­VI­DO AOS ELE­VA­DOS CUS­TOS DAS PRO­PI­NAS NAS UNI­VER­SI­DA­DES PRI­VA­DAS

pro­pi­nas em mui­tas ins­ti­tui­ções. “In­fe­liz­men­te nós te­mos a cul­tu­ra de as­sis­tir qua­se tu­do a acon­te­cer e não fa­zer na­da”, la­men­tou.

Se­gun­do apu­rou o 30 em ca­da 50 es­tu­dan­tes das uni­ver­si­da­des pri­va­das desistem de con­ti­nu­ar os es­tu­dos de­vi­do ao ele­va­do custo das pro­pi­nas. As vá­ri­as ins­ti­tui­ções pri­va­das do en­si­no su­pe­ri­or que no ano tran­sac­to au­men­ta­ram os pre­ços das pro­pi­nas ale­gam os re­a­jus­tes de­vi­do à ac­tu­al si­tu­a­ção económico-fi­nan­cei­ra e con­jun­tu­ral que o país atra­ves­sa.

Au­gus­to Ma­nu­el, es­tu­dan­te do 4º ano de Ges­tão de Em­pre­sas, sa­li­en­ta a im­por­tân­cia das uni­ver­si­da­des na for­ma­ção de qua­dros pa­ra uma Na­ção, mas mos­tra-se pre­o­cu­pa­do com os pre­ços pra­ti­ca­dos pe­las uni­ver­si­da­des que ini­bem mui­tos dos jo­vens e en­car­re­ga­dos de edu­ca­ção a ma­tri­cu­la­rem os seus fi­lhos nes­tas ins­ti­tui­ções. Ele dis­se que as uni­ver­si­da­des pú­bli­cas não são su­fi­ci­en­tes pa­ra a de­man­da, por is­so, ape­la às en­ti­da­des de di­rei­to pa­ra re­pen­sa­rem o en­si­no su­pe­ri­or pri­va­do em An­go­la pa­ra me­lhor ser­vir os in­te­res­ses do país.

DR

Mui­tos es­tu­dan­tes não con­se­guem ter­mi­nar o ano aca­dé­mi­co nas ins­ti­tui­ções

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.