Ban­ca por­tu­gue­sa de­ve ace­le­rar cor­tes

Agên­ci­as de no­ta­ções de ris­co Stan­dard & Po­or,s pre­vêem di­fí­cil o am­bi­en­te ma­cro­e­co­nó­mi­co e su­ge­rem uma re­du­ção subs­tan­ci­al nas gran­des in­fra-es­tru­tu­ras ope­ra­ci­o­nais pa­ra aliviar a crise

Jornal de Economia & Financas - - Mercados -

A Stan­dard & Po­or’s vê ho­je com pi­o­res olhos a si­tu­a­ção da ban­ca em Por­tu­gal, es­ti­man­do que 2016 e tam­bém 2017 se­jam exer­cí­ci­os mar­ca­dos pe­la acu­mu­la­ção de pre­juí­zos pe­lo sis­te­ma co­mo um to­do. E, co­mo sem­pre, pe­dem-se mais cor­tes ao sec­tor: “Os ban­cos por­tu­gue­ses ain­da têm de re­du­zir as su­as gran­des in­fra-es­tru­tu­ras ope­ra­ci­o­nais.” A S&P ac­tu­a­li­zou a sua opi­nião so­bre os ban­cos pre­sen­tes em Por­tu­gal, ten­do des­ta­ca­do em co­mu­ni­ca­do o im­pac­to que o au­men­to de capital do BCP po­de­rá ter nes­te ban­co. Mas a agên­cia nor­te-ame­ri­ca­na olhou tam­bém pa­ra o ce­ná­rio ge­ral, on­de o pa­no­ra­ma não es­tá ani­ma­dor. “Con­si­de­ra­mos que a ten­dên­cia es­tá es­tá­vel e não po­si­ti­va co­mo an­te­ri­or­men­te.”

“Em con­tras­te com a nos­sa ex­pec­ta­ti­va an­te­ri­or, an­te­ci­pa­mos ago­ra que o sis­te­ma ban­cá­rio por­tu­guês vai re­por­tar per­das em 2016, que as­sim se­rá o sex­to ano de pre­juí­zos con­se­cu­ti­vo. Mui­to pro­va­vel­men­te, as per­das vão con­ti­nu­ar em 2017”, afir­mam os ana­lis­tas da S&P, em co­mu­ni­ca­do di­vul­ga­do ter­ça-fei­ra. A per­sis­tên­cia da ban­ca em per­das ocor­re por­que, no fun­do, ne­nhum dos pro­ble­mas que ame­a­çam as ins­ti­tui­ções fo­ram re­sol­vi­dos ou me­lho­ra­ram, diz a Stan­dard & Po­or’s, lem­bran­do “os ju­ros ul­tra-bai­xos”, o fra­co cres­ci­men­to do ne­gó­cio ban­cá­rio em vo­lu­me e o “ele­va­do stock de ac­ti­vos pro­ble­má­ti­cos” – que não só não ge­ram re­cei­ta co­mo obri­gam a man­ter ní­veis ele­va­dos de pro­vi­sões – nos ba­lan­ços. Se es­tes ris­cos não fos­sem já su­fi­ci­en­tes, lem­bram, há ain­da vá­ri­os dos­si­ês es­pe­cí­fi­cos que a ban­ca por­tu- gue­sa tem por fe­char: se­ja a capitalização da CGD, se­ja a ven­da do No­vo Ban­co. “A nos­so ver, o sis­te­ma ban­cá­rio por­tu­guês vai con­ti­nu­ar em di­fi­cul­da­des pa­ra me­lho­rar a ren­ta­bi­li­da­de e efi­ci­ên­cia. A is­to acres­ce o fac­to de to­dos os prin­ci­pais ban­cos – à ex­cep­ção do San­tan­der Tot­ta – es­ta­rem a atra­ves­sar re­es­tru­tu­ra­ções sig­ni­fi­ca­ti­vas ou al­te­ra­ções na ges­tão ou es­tru­tu­ra ac­ci­o­nis­ta”, apon­tam os ana­lis­tas da agên­cia na no­ta.

DR

Mer­ca­do mo­ne­tá­rio e fi­nan­cei­ro es­tá a atra­ves­sar crise de li­qui­dez

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.