Gru­po em­pre­sa­ri­al ga­ran­te fi­nan­ci­ar pro­jec­tos an­go­la­nos

Um com­ple­xo clí­ni­co vai ser cons­truí­do na es­tra­té­gi­ca zo­na da via ex­pres­so no mu­ni­cí­pio de Be­las num in­ves­ti­men­to es­ti­ma­do em 120 mi­lhões de dó­la­res e que pre­vê o iní­cio das obras em 2019

Jornal de Economia & Financas - - Empresas -

As mi­cro, mé­di­as, pe­que­nas e gran­des em­pre­sas pri­va­das an­go­la­nas vão con­tar, a par­tir de ago­ra, com o apoio de uma em­pre­sa de di­rei­to an­go­la­no na ela­bo­ra­ção e im­ple­men­ta­ção de vá­ri­os pro­jec­tos no do­mí­nio económico na­ci­o­nal.

Tra­ta-se da em­pre­sa Tchi­tue Li­ving One Bu­si­ness vo­ca­ci­o­na­da pa­ra pres­ta­ção de ser­vi­ço na área de ges­tão hos­pi­ta­lar e em­pre­sa­ri­al, que vai pe­la pri­mei­ra vez, ins­ta­lar no país um fun­do, num va­lor não es­pe­ci­fi­ca­do, pa­ra aju­dar o em­pre­sa­ri­a­do na­ci­o­nal e tam­bém evi­tar os cons­tan­tes trans­tor­nos de bus­ca de par­cei­ros ex­ter­nos.

Es­te fun­do, além de res­pon­der às ne­ces­si­da­des em­pre­sa­ri­ais de An­go­la, vai tam­bém aten­der ou­tros paí­ses de Áfri­ca.

“Nós va­mos cri­ar o fun­do em An­go­la. A nos­sa ins­ti­tui­ção já es­tá a iden­ti­fi­car al­guns ser­vi­ços co­mo a ela­bo­ra­ção de es­tu­dos de vi­a­bi­li­da­de, ser­vi­ços ar­qui­tec­tó­ni­cos e con­ces­são de ter­ras. Te­mos de­se­nha­do um “con­cei­to” pa­ra res­pon­der ao em­pre­sa­ri­a­do na­ci­o­nal”, dis­se à An­gop, o pre­si­den­te do Con­se­lho de Ad­mi­nis­tra­ção da em­pre­sa, Jo­sé Tchi­am­bu­la Tchi­tue.

“A agri­cul­tu­ra, saú­de, edu­ca­ção e in­dús­tria trans­for­ma­do­ra cons­ti­tu­em nes­te mo­men­to as áre­as prioritárias, por is­so, o con­tri­bu­to es­tá fo­ca­do nes­se seg­men­to pa­ra aju­dar o em­pre­sa­ri­a­do na­ci­o­nal”, dis­se.

Re­fe­riu que o fun­do vai fa­ci­li­tar o em­pre­sa­ri­a­do na­ci­o­nal e nu­ma pri­mei­ra fa­se se­rá ins­ta- la­do em Lu­an­da, pa­ra em 2018 es­tar em pe­lo me­nos seis pro­vín­ci­as de An­go­la.

“Nós va­mos tra­ba­lhar por áre­as, pois a nos­sa gran­de li­nha­gem es­tá iden­ti­fi­ca­da. Se ti­ver­mos ou­tros pro­jec­tos cre­dí­veis, va­mos avan­çar. Não va­mos fi­car li­mi­ta­dos nas áre­as prioritárias”, su­bli­nhou.

Com um “know- how” ex­ter­no pa­ra ga­ran­tir o fi­nan­ci­a­men­to, dis­se, o de­sa­fio é nos pró­xi­mos cin­co a se­te anos mos­trar aos mer­ca­dos ex­ter­nos que os an­go­la­nos tam­bém têm ca­pa­ci­da­de pa­ra fa­zer.

“Nós já co­me­ça­mos a tra­ba­lhar. Te­mos to­dos os ser­vi­ços, mas é tu­do por cor­res­pon­dên­cia. Nós pe­ga­mos nos pro­ces­sos de­pois de bem ana­li­sa­dos en­ca­mi­nha­mos pa­ra Flo­ri­da, EUA”, pon­tu­a­li­zou.

Nes­te mo­men­to, a em­pre­sa tem re­ce­bi­do di­a­ri­a­men­te cin­co pro­ces­sos de es­tu­do de vi­a­bi­li­da­de, um nú­me­ro con­si­de­ra­do cre­dí­vel e acei­tá­vel pe­la ins­ti­tui­ção.

Nos pró­xi­mos di­as a em­pre­sa pre­ten­de re­a­li­zar um fó­rum in­ter­na­ci­o­nal com o ob­jec­ti­vo de divulgar as su­as va­lên­ci­as.

Com­ple­xo clí­ni­co

Um Com­ple­xo Clí­ni­co de Saú­de or­ça­do em cer­ca de 120 mi­lhões de dó­la­res nor­te-ame­ri­ca­nos se­rá er­gui­do a par­tir de 2019 em Lu­an­da, com o ob­jec­ti­vo de acu­dir o dé­fi­ce exis­ten­te nos do­mí­ni­os da edu­ca­ção, saú­de e in­dús­tria.

A ser cons­truí­do no pe­rí­me­tro da via ex­pres­so, nu­ma área de 350 mil me­tros qua­dra­dos, o pro­jec­to cu­jas obras te­rão a du­ra­ção de um ano e se­te me­ses, pre­vê ini­ci­ar os pri­mei­ros tra­ba­lhos em Fe­ve­rei­ro de 2019.

O com­ple­xo foi de­se­nha­do pa­ra al­ber­gar um cen­tro de he­mo­diá­li­se com 298 mo­ni­to­res, dois la­bo­ra­tó­ri­os (pa­ra pro­du­ção de me­di­ca­men­tos na­tu­rais e quí­mi­cos), uma uni­ver­si­da­de pa­ra lec­ci­o­nar e fa­zer a ma­nu­ten­ção dos mé­di­cos, um ins­ti­tu­to su­pe­ri­or pa­ra for­ma­ção de mé­di­cos na­tu­ra­lis­tas e um res­tau­ran­te com con­sul­ta.

A clí­ni­ca te­rá ser­vi­ços de me­di­ci­na con­ven­ci­o­nal (cu­ra­ti­va) e preventiva (na­tu­ral), pa­ra aju­dar a re­du­zir no país a ta­xa de mor­ta­li­da­de e tam­bém fa­zer com que os an­go­la­nos dei­xem de se des­lo­car ao ex­te­ri­or à pro­cu­ra de so­lu­ções pa­ra vá­ri­as pa­to­lo­gi­as.

Ou­tras fa­ses do pro­jec­to

O pro­jec­to que se­rá su­por­ta­do por um fi­nan­ci­a­men­to ex­ter­no pro­ve­ni­en­te da Flo­ri­da, Es­ta­dos Uni­dos da Amé­ri­ca, pre­vê na se­gun­da fa­se or­ça­da em cer­ca de 375 mi­lhões de dó­la­res, a cons­tru­ção de clí­ni­cas de mé­dia di­men­são nas 18 pro­vín­ci­as do país. A ter­cei­ra fa­se que con­ta­rá com um va­lor mais acres­ci­do, cer­ca de 18 mil mi­lhões de dó­la­res, pre­vê a ins­ta­la­ção de clí­ni­cas nos paí­ses de língua por­tu­gue­sa.

“To­do o fi­nan­ci­a­men­to vem da Flo­ri­da. Nós te­re­mos um “know how” ex­ter­no no qual cer­ca de 70 por cen­to já es­tá ga­ran­ti­do e é pro­ve­ni­en­te de Cuba, Es­pa­nha, EUA, Bra­sil, Is­ra­el e Por­tu­gal”, apon­tou.

A par dis­so, a Tchi­tue men­to­ra do pro­jec­to, pre­ten­de tam­bém co­lo­car em ca­da cen­tra­li­da­de exis­ten­te no país um con­sul­tó­rio mé­di­co pa­ra res­pon­der à má­xi­ma de que os pos­tos de saú­de de­vem es­tar pró­xi­mo da po­pu­la­ção.

In­for­mou que as clí­ni­cas te­rão um pro­gra­ma de­no­mi­na­do “Nu­trir An­go­la”, on­de ca­da fa­mí­lia se­rá mé­di­ca de si mes­ma.

Além des­te, te­rá um pla­fond de­no­mi­na­do “Ade­são ao com­ba­te à po­bre­za”, que con­sis­ti­rá no apoio a to­das as pes­so­as que vi­vem com uma ren­da de 300 a 500 kwanzas. Es­sas fa­mí­li­as se­rão ca­das­tra­das e te­rão di­rei­to a um car­tão de po­bre­za, con­sul­ta mé­di­ca grá­tis, e pas­sa­rão a levantar um va­lor de 15 mil kwanzas/mês pa­ra a sua sus­ten­ta­bi­li­da­de.

A AGRI­CUL­TU­RA, SAÚ­DE, EDU­CA­ÇÃO E IN­DÚS­TRIA TRANS­FOR­MA­DO­RA CONS­TI­TU­EM AS ÁRE­AS PRIORITÁRIAS, PA­RA AJU­DAR O EM­PRE­SA­RI­A­DO NA­CI­O­NAL

VI­GAS DA PU­RI­FI­CA­ÇÃO

A ins­ti­tui­ção já es­tá a iden­ti­fi­car al­guns ser­vi­ços co­mo o de saú­de e edu­ca­ção além de ar­qui­tec­tó­ni­cos e con­ces­são de ter­ras a se­rem su­por­ta­dos por um fun­do de in­ves­ti­men­to anun­ci­a­do

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.