“Eco­no­mia informal” em li­vro

O mi­nis­tro da Ge­o­lo­gia e Mi­nas Fran­cis­co Queirós apre­sen­tou a sua no­va obra que re­sul­ta da dis­ser­ta­ção de mes­tra­do e abor­da os agen­tes in­for­mais na eco­no­mia

Jornal de Economia & Financas - - Lazer -

O li­vro “Eco­no­mia informal - o ca­so de An­go­la” é o tí­tu­lo de uma obra li­te­rá­ria pu­bli­ca­da nes­ta qu­ar­ta-fei­ra, em Lu­an­da, pe­lo mi­nis­tro da Ge­o­lo­gia e Mi­nas, Fran­cis­co Queirós.

O li­vro com­pos­to por 209 pá­gi­nas re­tra­ta as cau­sas, con­sequên­ci­as e ca­rac­te­rís­ti­cas da in­for­ma­li­da­de eco­nó­mi­ca no país, as­sim co­mo apon­ta os ca­mi­nhos que de­vem ser se­gui­dos pa­ra que os agen­tes eco­nó­mi­cos in­for­mais dei­xem es­ta prá­ti­ca, que não con­tri­bui o de­sen­vol­vi­men­to.

A ca­pa­ci­da­de de fa­zer um en­qua­dra­men­to do es­tu­do na re­la­ção ín­ti­ma en­tre a eco­no­mia for­mal e informal num de­ter­mi­na­do pe­río­do da­ta­do em An­go­la, co­mo uma de­man­da so­ci­al mui­to for­te e ar­ti­cu­la­ção do Es­ta­do pa­ra en­con­trar res­pos­ta a es­te de­sa­fio, cons­ti­tui uma das ca­rac­te­rís­ti­cas do li­vro. A ou­tra ca­rac­te­rís­ti­ca tem a ver com a for­ma pre­ci­sa co­mo o au­tor as­su­miu em es­ta­be­le­cer uma dis­cus­são en­tre vá­ri­os es­cri­to­res da Áfri­ca, Eu­ro­pa e Amé­ri­ca La­ti­na, dei­xan­do em aber­to a pos­si­bi­li­da­de do lei­tor fa­zer o seu juí­zo de va­lor so­bre as ques­tões elen­ca­das.

“Pa­ra um país se de­sen­vol­ver não po­de ha­ver in­for­ma­li- da­de per­ma­nen­te ou per­pé­tuo, ape­sar das ne­ces­si­da­des de ca­da agen­te económico, mas a ques­tão em cau­sa de­ve ser en­ca­ra­da co­mo um mo­men­to tran­si­tó­rio que de­ve evo­luir pau­la­ti­na­men­te pa­ra eco­no­mia for­mal”, afir­mou o au­tor.

Se­gun­do Fran­cis­co Queirós, o li­vro re­sul­ta da sua dis­ser­ta­ção de mes­tra­do que foi re­e­la­bo­ra­da pa­ra ser­vir a so­ci­e­da­de aca­dé­mi­ca e os lei­to­res co­muns que se in­te­res­sam pe­las ques­tões da eco­no­mia informal.

Pa­ra o au­tor, a eco­no­mia informal em An­go­la é um fe­nó­me­no es­tru­tu­ral que re­quer um en­qua­dra­men­to ma­cro­e­co­nó­mi­co e cul­tu­ral da so­ci­e­da­de.

PA­RA UM PAÍS SE DE­SEN­VOL­VER NÃO PO­DE HA­VER IN­FOR­MA­LI­DA­DE PER­MA­NEN­TE OU PER­PÉ­TUO

DR

Ju­ris­ta Fran­cis­co Queirós apon­ta as so­lu­ções pa­ra re­du­zir a in­for­ma­li­da­de

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.