Pro­ces­so de aus­te­ri­da­de

Jornal de Economia & Financas - - Opinião -

Aus­te­ri­da­de é um ter­mo que pro­vém da pa­la­vra latina “aus­te­ri­tas”. Em eco­no­mia, sig­ni­fi­ca ri­gor no con­tro­lo de gas­tos ou re­du­ção das des­pe­sas, com vis­ta, por um la­do, a se mi­ti­gar os “ma­les” da es­cas­sez de mei­os eco­nó­mi­cos e, por ou­tro, no mí­ni­mo ga­ran­tir a ma­nu­ten­ção, so­bre­tu­do, do ne­ces­sá­rio pa­ra a vi­da de ca­da per­so­na­gem eco­nó­mi­ca.

É um pa­co­te de ins­tru­men­tos de que os agen­tes dis­põem que en­fa­ti­za a qua­li­da­de da des­pe­sa e a con­ti­nui­da­de das ac­ti­vi­da­des eco­nó­mi­cas, mes­mo em mo­men­tos de aperto, sen­do que, ca­da ins­tru­men­to “áus­te­ro” a ser apli­ca­do, es­tá de­pen­den­te da ti­po­lo­gia e grau da in­qui­e­tu­de exis­ten­te. No ca­so dos agre­ga­dos, são exem­plos de “aus­te­ri­da­de”, o ri­gor nos or­ça­men­tos do­més­ti­cos pa­ra se ajus­tar às re­cei­tas em que­da. Já nas or­ga­ni­za­ções, à gui­sa de exem­plo, des­ta­cam-se: o ema­gre­ci­men­to da gre­lha sa­la­ri­al, o corte de al­guns pri­vi­lé­gi­os, bó­nus ou prémios dos em­pre­ga­dos e até mes­mo dos de­ci­so­res, o uso cri­te­ri­o­so e assente em con­tro­lo se­ve­ro dos re­cur­sos gas­tá­veis e não ape­nas a re­du­ção da mão-de-obra e da es­tru­tu­ra hi­e­rár­qui­ca. Pros­se­guin­do, mas em re­la­ção aos “Go­ver­nos”, es­tes na ân­sia de ver ate­nu­a­do o “amar­go” do fra­cas­so e da vul­ne­ra­bi­li­da­de eco­nó­mi­ca (dé­fi­ce e ina­dim­plên­cia pú­bli­cas), de­ci­dem en­ce­tar e ma­te­ri­a­li­zar po­lí­ti­cas pú­bli­cas pa­ra se pro­ver qua­li­da­de às des­pe­sas. Es­tes de­ci­so­res pú­bli­cos, me­di­an­te a na­tu­re­za e a “bi­to­la” do pro­ble­ma ou in­su­fi­ci­ên­cia ma­cro­e­co­nó­mi­ca, pri­o­ri­zam o in­ves­ti­men­to e a con­se­quen­te ma­te­ri­a­li­za­ção da­que­les ma­cro-pro­jec­tos mais im­pac­tan­tes na vi­da dos agre­ga­dos e dos agen­tes eco­nó­mi­cos no ge­ral, além de de­ci­de­rem con­ge­lar as ad­mis­sões e pro­gres­sões de car­rei­ra pa­ra a fun­ção pú­bli­ca, che­gam por ve­zes a pro­lon­gar a ida­de de re­for­ma pa­ra os em­pre­ga­dos, pro­ce­dem à re­du­ção de fe­ri­a­dos e das to­le­rân­ci­as de pon­to, o ema­gre­ci­men­to do apa­re­lho ad­mi­nis­tra­ti­vo pú­bli­co – atra­vés de ex­tin­ções ou fu­sões -. Por ou­tra, ainda de­pen­den­do da es­pe­ci­fi­ci­da­de e do grau do pro­ble­ma ma­cro­e­co­nó­mi­co ou fi­nan­cei­ro, os Go­ver­nos “áus­te­ros”, de­ci­dem efec­tu­ar a re­vi­são ou pos­sí­veis ajus­tes pro­fun­dos na po­lí­ti­ca cam­bi­al, mo­ne­tá­ria e fis­cal. A pri­mei­ra, tem co­mo ta­re­fa as­se­gu­rar que, a des­va­lo­ri­za­ção cam­bi­al da mo­e­da lo­cal, as­sim co­mo, os nú­me­ros ne­ga­ti­vos da ba­lan­ça de pa­ga­men­to, em tom de exem­plo, não ve­nham a co­nhe­cer ní­veis in­con­tro­lá­veis e ca­tas­tró­fi­cos; Em re­la­ção à po­lí­ti­ca mo­ne­tá­ria, es­ta de­ve­rá va­ler-se dos seus ins­tru­men­tos, pa­ra equi­li­brar em ní­veis mí­ni­mos e acei­tá­veis, a mas­sa mo­ne­tá­ria, a si­tu­a­ção cre­di­tí­cia, a ta­xa de em­pre­go, os pre­ços dos bens e ser­vi­ços e, o po­der de com­pra das fa­mí­li­as; Ade­mais, os Go­ver­nos, quan­do as­sim o en­ten­de­rem, tam­bém de­ci­dem re­ver as su­as po­lí­ti­cas fis­cais, on­de por exem­plo, as pen­sões e ou­tros be­ne­fí­ci­os acau­te­la­dos pe­lo wel­fa­re sta­te (es­ta­do pro­vi­den­cia), po­dem ser bai­xa­dos, e a po­lí­ti­ca tri­bu­tá­ria ajus­ta­da, pa­ra con­for­mar as exi­gên­ci­as ma­cro­e­co­nó­mi­cas vi­gen­tes nos seus paí­ses, po­den­do - en­tre ou­tras con­sequên­ci­as – dar lu­gar aos in­cre­men­to­dos im­pos­tos e ta­xas.

Co­mo se po­de ob­ser­var aci­ma, são inú­me­ros os exem­plos de “aus­te­ri­da­de”, que se re­fe­re ape­nas a re­du­ção da quan­ti­da­de de be­ne­fí­ci­os e des­pe­sas de for­ma a se­rem es­fri­a­dos os “ma­les” da cri­se e a se re­es­ta­be­le­cer a sol­va­bi­li­da­de, a adim­plên­cia e a sus­ten­ta­bi­li­da­de – co­mo de res­to, nos dá a sa­ber o pri­mei­ro pa­rá­gra­fo da pre­sen­te edi­ção -.

Pe­lo que, é crí­vel exal­tar que o aque­ci­men­to da ri­que­za, não é mis­são dos ins­tru­men­tos

O EXE­CU­TI­VO TEM MATERIALIZADO ME­DI­DAS “ÁUSTERAS”, NO­ME­A­DA­MEN­TE, A EXE­CU­ÇÃO APE­NAS DA­QUE­LAS IN­FRA­ES­TRU­TU­RAS OM MAI­OR IM­PAC­TO NA VI­DA DAS PO­PU­LA­ÇÕES

“áus­te­ros”.

En­tre­tan­to, a cri­se eco­nó­mi­ca mundial de 2008, é dos exem­plos mais fla­gran­tes que mo­ti­vou a que a par­tir de 2009, so­bre­tu­do, em mui­tos paí­ses to­mas­sem me­di­das “áusteras”. Aliás, o pró­prio Fun­do Mo­ne­tá­rio In­ter­na­ci­o­nal (FMI) e ou­tras or­ga­ni­za­ções li­ga­das ao es­tu­do e aná­li­ses dos fe­nó­me­nos eco­nó­mi­cos mun­di­ais, nor­mal­men­te acon­se­lham pa­ra is­so mes­mo, em si­tu­a­ção de eco­no­mia em cri­se, in­sus­ten­tá­vel e, em que nem se­quer con­se­gue cum­prir com as obri­ga­ções a fa­vor dos cre­do­res. Mas, po­rém, es­tas en­ti­da­des cos­tu­mam tam­bém ad­ver­tir em pri­mei­ro lu­gar, a ne­ces­si­da­de de se­rem sal­va­guar­da­das a trans­pa­rên­cia na go­ver­na­ção e a qua­li­da­de das des­pe­sas pú­bli­cas, co­mo sen­do o “pon­to de par­ti­da” e con­di­ção “si­ne-qua-non” em qual­quer pro­ces­so de “aus­te­ri­da­de”. Por con­se­guin­te, e olhan­do pa­ra a nos­sa re­a­li­da­de, com vis­ta a de­ses­ti­mu­lar a cri­se, o Exe­cu­ti­vo tem materializado me­di­das “áusteras”, no­me­a­da­men­te, a exe­cu­ção ape­nas da­que­las in­fra-es­tru­tu­ras com mai­or im­pac­to na vi­da das po­pu­la­ções, etc. Além das que já co­nhe­ce­mos, o Go­ver­no de­via ema­gre­cer a es­tru­tu­ra go­ver­na­ti­va, sen­do que, al­guns mi­nis­té­ri­os, or­ga­nis­mos ou ins­ti­tu­tos pú­bli­cos, de­vi­am mes­mo ser ex­tin­tos e ou­tros co­nhe­ce­rem fu­sões.

AR­QUI­VO/JE

An­dra­de A. Am­bró­sio Téc­ni­co su­pe­ri­or de Ges­tão

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.