Con­tra­to de Co-Se­gu­ro

Jornal de Economia & Financas - - Opinião - Jú­lio Matias Con­sul­tor de Se­gu­ros

Ocon­tra­to de co-se­gu­ro é ti­tu­la­do por uma apó­li­ce úni­ca, emi­ti­da pe­la lí­der, na qual de­ve fi­gu­rar a quo­ta-parte do ris­co ou a parte per­cen­tu­al do ca­pi­tal as­su­mi­do por ca­da co-se­gu­ra­do­ra, bem co­mo um es­que­ma de re­gu­la­ri­za­ção de si­nis­tros, de­vi­da­men­te exa­ra­do na apó­li­ce.

A me­di­a­ção e cor­re­ta­gem de res­se­gu­ros no ter­ri­tó­rio nacional es­tá ex­clu­si­va­men­te re­ser­va­da a cor­rec­to­res de res­se­gu­ros que es­te­jam ins­cri­tos na Agên­cia de Re­gu­la­ção de Se­gu­ros (Ar­seg), ter uma apó­li­ce de res­pon­sa­bi­li­da­de ci­vil profissional e um mí­ni­mo de ca­pi­tal exi­gi­do que se­ja sub­me­ti­do ao re­gu­la­dor.

As ope­ra­ções de resseguro, in­cluin­do re­tro­ces­são, pré­mi­os, co­mis­sões e li­qui­da­ção de si­nis­tro es­tão su­jei­tas ao re­gis­to pré­vio do BNA, nos ter­mos da le­gis­la­ção cam­bi­al em vi­gor re­la­ti­va­men­te a in­vi­sí­veis cor­ren­tes.

Em An­go­la, as com­pa­nhi­as de se­gu­ros pos­su­em de­par­ta­men­tos que res­pon­dem pelas ac­ti­vi­da­des de resseguro e co-se­gu­ro, sen­do que es­tes tra­ba­lham em con­jun­to com as várias uni­da­des de ne­gó­ci­os da com­pa­nhia para iden­ti­fi­car a ne­ces­si­da­de de resseguro e co-se­gu­ro em de­ter­mi­na­do pro­du­to no mo­men­to da sua subs­cri­ção. O con­tra­to em re­gi­me de co-se­gu­ro é ad­mi­ti­do fa­cul­ta­ti­va­men­te a to­dos os ra­mos de se­gu­ros que pe­la sua na­tu­re­za e ca­rac­te­rís­ti­cas ou di­men­são jus­ti­fi­que a in­ter­ven­ção de várias se­gu­ra­do­ras sem pre­juí­zo à Lei vi­gen­te.

Ao re­dor do mer­ca­do mun­di­al, exis­tem com­pa­nhi­as com vas­ta experiência em ma­té­ria de resseguro e co-se­gu­ro, co­mo, por exem­plo, os mer­ca­dos de Lon­dres, Es­pa­nha, Suí­ça, Ilhas Mau­rí­ci­as, Áfri­ca do Sul, Zâm­bia, Zim­babwe, EUA, Bra­sil, Qué­nia, Ni­gé­ria, Se­ne­gal e Mo­çam­bi­que.

No ca­so par­ti­cu­lar do nos­so país, já é al­tu­ra de caminharmos para a im­ple­men­ta­ção do resseguro acei­te, ten­do em con­ta a dis­per­são de ac­ti­vos fi­nan­cei­ros para o mer­ca­do ex­ter­no e as res­pon­sa­bi­li­da­des fi­nan­cei­ras ce­di­das para o ex­te­ri­or, pois são ne­ces­sá­ri­as para apli­ca­ções in­ter­nas, a fim de tor­nar o nos­so mer­ca­do mais atrac­ti­vo e ca­da vez mais for­te. Des­te mo­do, es­ta­ría­mos a mi­ti­gar um es­for­ço fi­nan­cei­ro mai­or do que acon­te­ce ho­je, uma vez que as obri­ga­ções são pa­gas em mo­e­da es­tran­gei­ra.

Di­ría­mos ain­da que a for­ma de equi­li­brar a nos­sa ba­lan­ça de pa­ga­men­to se­ria in­ver­ter es­te qua­dro, re­co­men­da­do a AR­SEG no cur­to pra­zo à apre­sen­ta­ção pú­bli­ca de um pro­jec­to de cri­a­ção de uma res­se­gu­ra­do­ra nacional, para que pos­sa­mos dar res­pos­ta a es­te pro­ble­ma que afec­ta a to­dos os agen­tes do sec­tor se­gu­ra­dor e so­bre­tu­do o mer­ca­do fi­nan­cei­ro.

A cri­se eco­nó­mi­ca é um pro­ble­ma que afec­tou to­dos os se­gui­men­tos do mer­ca­do, quer no pla­no do co-se­gu­ro, quer­no resseguro com mai­or in­ci­dên­cia.

A pul­ve­ri­za­ção do ris­co é uma das es­sên­ci­as que es­tá con­cen­tra­da na ce­dên­cia da parte do ne­gó­cio das se­gu­ra­do­ras. Além de pre­ser­var a es­ta­bi­li­da­de dos re­sul­ta­dos, ga­ran­te o re­em­bol­so e a li­qui­da­ção dos si­nis­tros.

Em re­la­ção ao co-se­gu­ro, a di­nâ­mi­ca do mer­ca­do exi­ge uma ac­ção ime­di­a­ta, pois não es­ta­re­mos a in­ven­tar a pól­vo­ra para es­te seg­men­to ser di­na­mi­za­do e be­né­fi­co para o pla­no so­ci­al, pois re­co­nhe­ce­mos o es­for­ço que tem vin­do a ser fei­to pelo re­gu­la­dor, di­ga-se dig­no de re­al­ce por nos­sa parte, mas ain­da fal­ta

JÁ É AL­TU­RA DE CAMINHARMOS PARA A IM­PLE­MEN­TA­ÇÃO DO RESSEGURO ACEI­TE, TEN­DO EM CON­TA A DIS­PER­SÃO DE AC­TI­VOS FI­NAN­CEI­ROS PARA O MER­CA­DO EX­TER­NO

para atin­gir­mos o ne­ces­sá­rio.

O co-se­gu­ro po­de ser fei­to em to­dos os ra­mos de se­gu­ros em re­la­ção aos con­tra­tos que pe­la es­pe­ci­fi­ci­da­de e na­tu­re­za se­jam jus­ti­fi­cá­veis a ra­zão de ser a apli­ca­ção e im­por­tân­cia nes­te.

En­tre se­gu­ra­dos, res­se­gu­ra­do­res, co-se­gu­ros, exis­te a ne­ces­si­da­de de en­tro­sa­men­to para sal­va­guar­da dos in­te­res­ses dos agen­tes.

AR­QUI­VO PES­SO­AL

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.