Cri­ar ba­ses eco­nó­mi­cas

Jornal de Economia & Financas - - Opinião -

A his­tó­ria in­di­ca que a ca­pa­ci­ta­ção tec­no­ló­gi­ca e o de­sen­vol­vi­men­to in­dus­tri­al pro­por­ci­o­nam ri­que­za aos paí­ses, daí que as po­lí­ti­cas pú­bli­cas dos Go­ver­nos de­vem pri­o­ri­zar as­pec­tos que in­cen­ti­vem o for­ta­le­ci­men­to das eco­no­mi­as.

Em An­go­la, o ce­ná­rio para o re­lan­ça­men­to do te­ci­do in­dus­tri­al foi sempre apa­ná­gio do Exe­cu­ti­vo an­go­la­no, que em mui­tos ca­sos, deu pri­ma­zia a me­di­das que re­sul­ta­ram na in­jec­ção de for­tes in­ves­ti­men­tos para es­ti­mu­lar a eco­no­mia.

No seu Pla­no Nacional de De­sen­vol­vi­men­to 2013/2017, o Exe­cu­ti­vo an­go­la­no es­tá a pro­mo­ver uma es­tra­té­gia que vi­sa re­lan­çar a indústria trans­for­ma­do­ra, com ba­se na di­ver­si­fi­ca­ção da eco­no­mia, ele­gen­do seg­men­tos sus­ten­tá­veis.

A for­te ma­triz vi­ra­da para o cres­ci­men­to sus­ten­tá­vel do país es­tá as­sen­te na cri­a­ção e im­ple­men­ta­ção da Re­de Nacional de Pó­los de De­sen­vol­vi­men­to In­dus­tri­al de An­go­la, que pre­vê a cri­a­ção de 22 em to­das as pro­vín­ci­as, ten­do co­mo me­ta aque­cer a eco­no­mia nacional.

Ape­sar do Pó­lo de De­sen­vol­vi­men­to In­dus­tri­al do Don­do não fa­zer parte do le­que dos que es­tão a ser im­ple­men­ta­dos pelo Exe­cu­ti­vo an­go­la­no, o ad­mi­nis­tra­dor mu­ni­ci­pal de Cam­bam­be, ga­ran­tiu ao JE que já foi iden­ti­fi­ca­da uma área para a im­ple­men­ta­ção da in­fra-es­tru­tu­ra, que se­gun­do diz, vai re­vo­lu­ci­o­nar a ac­ti­vi­da­de eco­nó­mi­ca da re­gião.

Ago­ra é tem­po de in­ves­tir. Os si­nais em­bo­ra tí­mi­dos, já es­tão a con­fe­rir es­pa­ço para que o país pos­sa ra­pi­da­men­te dei­xar de de­pen­der das im­por­ta­ções e al­can­çar os tem­pos em que já foi um gran­de ex­por­ta­dor, prin­ci­pal­men­te, de pro­du­tos agro-in­dus­tri­ais.

Os Pó­los de De­sen­vol­vi­men­to In­dus­tri­ais, que es­tão a nas­cer um pou­co por to­do o país, po­de­rão jo­gar um pa­pel pre­pon­de­ran­te, so­bre­tu­do na re­so­lu­ção do “fla­ge­lo” do de­sem­pre­go e do ele­va­do ní­vel de en­di­vi­da­men­to.

Es­tas in­fra-es­tru­tu­ras têm tam­bém que ser acom­pa­nha­das com a for­ma­ção da mão-de-obra, para ga­ran­tir o fo­men­to e pro­tec­ção das in­dús­tri­as, já que es­ta­mos ge­o­gra­fi­ca­men­te lo­ca­li­za­dos num es­pa­ço em que exis­tem paí­ses eco­no­mi­ca­men­te for­tes.

O de­sa­fio que se co­lo­ca é co­mo sus­ten­tar o cres­ci­men­to. Os bons exem­plos de­vem ser sempre co­pi­a­dos e trans­for­ma­dos à nos­sa re­a­li­da­de, para que o su­ces­so das nos­sas fá­bri­cas ou uni­da­des in­dus­tri­ais pos­sa ser uma re­a­li­da­de. A com­pe­ti­ti­vi­da­de da eco­no­mia nacional em re­la­ção às de ou­tras na­ções, so­bre­tu­do da sub-re­gião, de­ve ser o “apa­ná­gio”.

Há ne­ces­si­da­de de se pro­du­zir bens de boa qua­li­da­de a pre­ços mais bai­xos, daí que os Pó­los de De­sen­vol­vi­men­to In­dus­tri­ais de­ve­rão de­sem­pe­nhar um pa­pel cru­ci­al e fun­da­men­tal, cap­tan­do in­ves­ti­men­to pri­va­do, não só nacional, mas co­mo tam­bém es­tran­gei­ro.

Para a instalação des­tas in­fra-es­tru­tu­ras, se­rá pre­ci­so a cri­a­ção de con­di­ções para o seu nor­mal fun­ci­o­na­men­to, sen­do que a apos­ta de­ve­rá re­cai igual­men­te para a re­a­bi­li­ta­ção e cons­tru­ção de vi­as de co­mu­ni­ca­ção, água, ener­gia eléc­tri­ca, te­le­co­mu­ni­ca­ções, além de uma ade­qua­da po­lí­ti­ca cam­bi­al e fis­cal.

A po­lí­ti­ca do Go­ver­no an­go­la­no ele­ge uma indústria trans­for­ma­do­ra que as­sen­ta es­sen­ci­al­men­te na ac­ti­vi­da­de pri­va­da, que co­mo se sa­be na eco­no­mia de mer­ca­do, es­te sec­tor é o prin­ci­pal im­pul­si­o­na­dor das gran­des trans­for­ma­ções.

HÁ NE­CES­SI­DA­DE DE SE PRO­DU­ZIR BENS DE BOA QUA­LI­DA­DE A PRE­ÇOS MAIS BAI­XOS, DAÍ QUE OS PÓ­LOS DE DE­SEN­VOL­VI­MEN­TO IN­DUS­TRI­AIS DE­VE­RÃO DE­SEM­PE­NHAR UM PA­PEL CRU­CI­AL E FUN­DA­MEN­TAL

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.