Ris­co de crédito

Jornal de Economia & Financas - - Opinião -

Ocré­di­to co­mo pro­du­to ban­cá­rio re­quer um do­mí­nio e co­nhe­ci­men­to na sua ade­são e uti­li­za­ção an­tes de o con­ce­der, tan­to pelas ins­ti­tui­ções fi­nan­cei­ras, qu­an­to às ins­ti­tui­ções não fi­nan­cei­ras, as­sim co­mo aos par­ti­cu­la­res que, de ma­nei­ra in­for­mal, quei­ram ex­plo­rar o pro­du­to para au­men­tar o seu afor­ro.

O ris­co de crédito é, con­jun­ta­men­te, com o ris­co de li­qui­dez um ris­co cen­tral no ba­lan­ço ban­cá­rio. Aten­den­do à fun­ção agre­ga­do­ra dos ban­cos, pe­que­nos de­pó­si­tos são agre­ga­dos para con­ce­der ope­ra­ções de crédito de mai­or di­men­são que têm si­do con­tra­ri­a­dos pe­los in­cum­pri­men­tos de crédito, po­dem afec­tar de for­ma subs­tan­ci­al a so­li­dez de uma ins­ti­tui­ção fi­nan­cei­ra. Ade­mais, se o in­cum­pri­men­to ocor­rer de for­ma ge­ne­ra­li­za­da so­bre to­do o ac­ti­vo, o ban­co po­de mos­trar-se mes­mo in­ca­paz de fa­zer fa­ce às res­pon­sa­bi­li­da­des as­su­mi­das com os de­po­si­tan­tes.

Se os de­ve­do­res, con­jun­ta­men­te, não res­ti­tuí­rem di­nhei­ro su­fi­ci­en­te para hon­rar os de­pó­si­tos que ser­vi­ram de ba­se às ope­ra­ções de crédito, o ban­co po­de­rá não ter ca­pa­ci­da­de de sa­tis­fa­zer os seus de­po­si­tan­tes. Por esta ra­zão, os re­gu­la­do­res exi­gem aos ban­cos uma ges­tão pru­den­te da car­tei­ra de crédito e a ma­nu­ten­ção de fun­dos pró­pri­os que pos­sam amor­te­cer o in­cum­pri­men­to, com a cri­a­ção de pro­vi­sões por for­ma a imu­ni­zar, fa­zer co­ber­tu­ra aos de­po­si­tan­tes dos pos­sí­veis cho­ques das Ins­ti­tui­ções fi­nan­cei­ras.

Na­tu­ral­men­te que é tam­bém do in­te­res­se do qual­quer ban­co uma ges­tão pru­den­te da car­tei­ra de crédito, re­co­lhen­do in­for­ma­ções so­bre a pro­ba­bi­li­da­de de in­cum­pri­men­to e ga­ran­tin­do que a in­ci­dên­cia de in­cum­pri­men­to não afec­te a con­ti­nui­da­de do ne­gó­cio. Mes­mo que não im­pos­to pelo re­gu­la­dor, no nos­so ca­so o Ban­co Nacional de An­go­la (BNA), os ban­cos fa­ri­am sempre uma ges­tão do ris­co de crédito da car­tei­ra de apli­ca­ções, por­que esta é a gé­ne­se da in­ter­me­di­a­ção fi­nan­cei­ra e que de­la de­pen­de a sol­va­bi­li­da­de da ins­ti­tui­ção e, por es­sa via, a re­pu­ta­ção e a ca­pa­ci­da­de de atrair e re­ter de­po­si­tan­tes ou os cli­en­tes no geral.

Tam­bém, por­que as per­das são pri­mei­ro co­ber­tas pe­los fun­dos pró­pri­os, é do in­te­res­se dos ban­cos ge­rir a ex­po­si­ção ao ris­co da car­tei­ra de crédito. Im­por­ta re­fe­rir que os fun­dos pró­pri­os são ru­bri­cas en­dó­ge­nas no ba­lan­ço das ins­ti­tui­ções fi­nan­cei­ras, lo­go não é ad­mis­sí­vel a exis­tên­cia de in­ter­me­diá­ri­os fi­nan­cei­ros as­sen­tes ape­nas em de­pó­si­tos e con­trac­tos si­mi­la­res, por­que re­pre­sen­tam para os de­po­si­tan­tes a garantia de que exis­te uma bar­rei­ra de de­fe­sa que amor­te­ce as per­das de­cor­ren­tes do in­cum­pri­men­to.

É da ca­pa­ci­da­de de mi­ni­mi­zar o in­cum­pri­men­to e au­men­tar a ren­ta­bi­li­da­de das ope­ra­ções de crédito que de­pen­de, em úl­ti­ma ins­tân­cia, a ren­ta­bi­li­da­de dos ban­cos para os seus ac­ci­o­nis­tas.

Na me­di­da em que os ban­cos vão re­du­zin­do a in­ci­dên­cia de aci­den­tes de in­cum­pri­men­to, dei­xam mais fun­dos li­ber­tos para re­mu­ne­rar os ac­ci­o­nis­tas, já que os de­po­si­tan­tes têm nor­mal­men­te um con­tra­to de re­mu­ne­ra­ção fi­xo, não in­de­xa­do à per­for­man­ce fi­nan­cei­ra da ins­ti­tui­ção.

Em to­do o ca­so, não é ver­da­de que as re­mu­ne­ra­ções au­fe­ri­das nas ope­ra­ções de crédito se­jam in­de­pen­den­tes do res­pec­ti­vo ris­co de crédito. Tam­bém não é da­do ad­qui­ri­do pelo me­nos em mer­ca­dos fi­nan­cei­ros mais de­sen­vol­vi­dos e para cer­tas clas­ses de de­po­si­tan­tes que as ta­xas de ju­ro na cap­ta­ção de fun­dos se­jam in­de­pen­den­tes da qua­li­da­de e do ní­vel de ris­co da car­tei­ra de crédito co­mo um to­do.

É pos­sí­vel tra­çar um tra­de-off en­tre ta­xas de ju­ro para as ope­ra­ções de crédito e de de­pó­si­tos e o ní­vel de ris­co ou pro­ba­bi­li­da­de de in­cum­pri­men­to da car­tei­ra de apli­ca­ções. Pe­ran­te esta cons­ta­ta­ção, em mer­ca­dos fi­nan­cei­ros efi­ci­en­tes e com­pe­ti­ti­vos, os ban­cos po­de­ri­am es­co­lher en­tre uma mul­ti­pli­ci­da­de de es­tra­té­gi­as al­ter­na­ti­vas no que res­pei­ta à es­tru­tu­ra do seu ba­lan­ço.

Nes­te sen­tid6o, em fun­ção da es­tru­tu­ra do seu ac­ti­vo, di­fe­ren­tes ins­ti­tui­ções fi­nan­cei­ras exi­bi­ri­am di­fe­ren­tes per­fis de ris­co, o que faria com que os de­po­si­tan­tes re­a­gis­sem de for­ma di­fe­ren­ci­a­da.

Con­tu­do, o mer­ca­do de in­ter­me­di­a­ção fi­nan­cei­ra não é um mer­ca­do per­fei­to e com­ple­to.

Ra­zão que jus­ti­fi­ca a in­ter­ven­ção dos re­gu­la­do­res, im­pon­do res­tri­ções e con­di­ci­o­nan­do a ges­tão do ris­co de crédito nos ban­cos. A re­gu­la­ção vi­sa, pri­mor­di­al­men­te, pro­te­ger os de­po­si­tan­tes pe­ran­te a não entrada dos ac­ti­vos ban­cá­ri­os e, fre­quen­te­men­te, im­pli­ca uma ten­dên­cia de ho­mo­ge­nei­za­ção ou uni­for­mi­za­ção nas ta­xas de de­pó­si­to.

Para os ban­cos, o ris­co de crédito tem dois fac­to­res sub­ja­cen­tes: de um la­do, a per­da em ca­so de in­cum­pri­men­to tó­pi­co que tra­duz a se­ve­ri­da­de do even­to e que po­de as­su­mir o va­lor li­mi­te de per­da to­tal, do ou­tro la­do, a pro­ba­bi­li­da­de de o de­ve­dor en­trar em in­cum­pri­men­to, ou se­ja, um even­to que in­ca­pa­ci­ta o de­ve­dor de pa­gar tem­pes­ti­va­men­te o ca­pi­tal e os ju­ros, nos ter­mos con­tra­tu­al­men­te acor­da­dos.

A exis­tên­cia de ele­men­tos de garantia e cláu­su­las de re­so­lu­ção an­te­ci­pa­da de con­trac­tos po­dem mi­ti­gar o va­lor da per­da em ca­so de ve­ri­fi­ca­ção de um even­to de in­cum­pri­men­to. É da pon­de­ra­ção da pro­ba­bi­li­da­de de in­cum­pri­men­to e da per­da em ca­so de in­cum­pri­men­to, de­pois de con­si­de­ra­do o va­lor do co­la­te­ral, que re­sul­ta o va­lor da per­da po­ten­ci­al e, des­sa ma­nei­ra, a ex­po­si­ção ao ris­co de crédito das ins­ti­tui­ções fi­nan­cei­ras cre­di­tí­ci­as.

Por­tan­to apos in­ves­ti­ga­do vá­ri­os te­mas des­ta ma­té­ria con­clui-se com na­tu­ra­li­da­de e, pelas ra­zões apon­ta­das an­te­ri­or­men­te e de acor­do com a te­o­ria fi­nan­cei­ra, que a ta­xa de ju­ro que as ins­ti­tui­ções ban­cá­ri­as co­bram pelas su­as ope­ra­ções de crédito es­tá in­ti­ma­men­te re­la­ci­o­na­da com o po­ten­ci­al de per­da nu­ma si­tu­a­ção pro­ba­bi­lís­ti­ca de in­cum­pri­men­to.

VIGAS DA PU­RI­FI­CA­ÇÃO | EDIÇÕES NOVEMBRO Eco­no­mis­ta

Fe­li­ci­a­no Van-Dú­nem Lu­can­ga

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.