Pó­los in­dus­tri­ais vão for­ta­ce­ler o cres­ci­men­to

A es­tra­té­gia do Exe­cu­ti­vo an­go­la­no vi­sa re­lan­çar o sec­tor que po­de jo­gar um pa­pel pre­pon­de­ran­te na eco­no­mia nacional e tor­nar o país nu­ma das pla­ta­for­mas pro­du­ti­vas da sub-re­gião

Jornal de Economia & Financas - - Capa - Adé­ri­to Ve­lo­so Ivan Pra­do Di­rec­tor do GEPE/Mi­nis­té­rio da Indústria

re­lan­ça­men­to­das­pe­que­nas, mé­di­as e gran­des in­dus­tri­ais, com vis­ta a cri­a­ção de um am­bi­en­te fa­vo­rá­vel às ac­ti­vi­da­des dos agen­tes eco­nóO­mi­cos,

es­tá as­sen­te na cri­a­ção dos Pó­los de De­sen­vol­vi­men­to In­dus­tri­ais, um pou­co por to­do o ter­ri­tó­rio nacional.

Em entrevista ao JE, o di­rec­tor Nacional do Ga­bi­ne­te de Es­tu­dos, Pla­ne­a­men­to e Es­ta­tís­ti­ca (GEPE) do Mi­nis­té­rio da Indústria, Ivan Pra­do, re­ve­lou que a im­ple­men­ta­ção da Re­de Nacional de Pó­los de De­sen­vol­vi­men­to In­dus­tri­al de An­go­la pre­vê-se a cri­a­ção de 22 em to­das as pro­vín­ci­as, dos quais se­te, no­me­a­da­men­te de Lu­an­da, Ca­tum­be­la (Ben­gue­la), Caá­la (Hu­am­bo), Kun­je (Bié), Fú­ti­la (Ca­bin­da) e Lu­ca­la (Cu­an­za Nor­te), con­tem­plam a pri­mei­ra fa­se.

Ivan Pra­do su­bli­nhou que a in­fra-es­tru­tu­ra­ção dos Pó­los é bas­tan­te one­ro­sa, en­vol­ven­do um in­ves­ti­men­to que va­ria en­tre 70 e 75 mi­lhões de dó­la­res nor­te-ame­ri­ca­nos, já que con­tem­pla a cons­tru­ção e instalação de vi­as de co­mu­ni­ca­ção, ener­gia eléc­tri­ca, água po­tá­vel, en­tre ou­tros pro­jec­tos, que fa­ci­li­tam a ins­ta­la­ções de uni­da­des in­dus­tri­ais.

Da­da as di­fi­cul­da­des fi­nan­cei­ras que o país atra­ves­sa, o Exe­cu­ti­vo an­go­la­no ori­en­tou o Mi­nis­té­rio da Indústria para cri­ar me­ca­nis­mos para o en­vol­vi­men­to do sec­tor pri­va­do, nu­ma par­ce­ria pú­bli­co-pri­va­da.

“Exis­te uma ori­en­ta­ção para que o Mi­nis­té­rio da Indústria en­con­tre par­cei­ros pri­va­dos, que quei­ram in­fra-es­tru­tu­rar e de­pois, com o Es­ta­do fa­ze­rem a ges­tão des­tes par­ques in­dus­tri­ais”, dis­se.

Os Pó­los de Lu­an­da e de Ben­gue­la já fo­ram cri­a­das as so­ci­e­da­des ju­rí­di­cas, fal­tan­do ape­nas re­cur­sos fi­nan­cei­ros. No Pó­lo do Fú­ti­la, as obras de in­fra-es­tru­tu­ra­ção es­tão a 50 por cen­to, sen­do que na Caá­la es­tão em curso ne­go­ci­a­ções com par­cei­ros in­te­res­sa­dos para a exe­cu­ção das obras.

Ac­tu­al­men­te, es­tão já ins­ta­la­das no Pó­lo de De­sen­vol­vi­men­to In­dus­tri­al do Fú­ti­la três uni­da­des in­dus­tri­ais a fun­ci­o­nar e exis­tem cer­ca de 29 candidaturas.

A es­tra­té­gia do Exe­cu­ti­vo an­go­la­no tem co­mo ob­jec­ti­vo cri­ar uma ca­deia pro-

OS PÓ­LOS SÃO FUN­DA­MEN­TAIS PARA O BOOM IN­DUS­TRI­AL

du­ti­va, com ba­se nos re­cur­sos que ca­da re­gião dis­põe, com vis­ta a se al­can­çar as me­tas de de­sen­vol­vi­men­to sus­ten­tá­vel.

Para o di­rec­tor Nacional do Ga­bi­ne­te de Es­tu­dos, Pla­ne­a­men­to e Es­ta­tís­ti­ca (GEPE) do Mi­nis­té­rio da Indústria, tu­do es­tá a ser fei­to para se cri­ar um parque in­dus­tri­al “mui­to for­te”, nu­ma al­tu­ra em que o país tem nas pro­vín­ci­as de Lu­an­da, Ben­gue­la e Huí­la as su­as prin­ci­pais re­fe­rên­ci­as em uni­da­des fa­bris.

“Os pó­los são fun­da­men­tais para o boom in­dus­tri­al. Ho­je, o país ne­ces­si­ta de mui­tas in­fra-es­tru­tu­ras, prin­ci­pal­men­te ener­gia eléc­tri­ca, água e vi­as de co­mu­ni­ca­ção, que em mui­tos ca­sos a sua fal­ta obri­ga a que os in­ves­ti­do­res te­nham que cri­ar es­tes mei­os, tor­nan­do as­sim ca­ro o pro­du­to fi­nal”, su­bli­nhou.

Se­gun­do ar­gu­men­tou, o país tem tu­do para re­lan­çar a ac­ti­vi­da­de da indústria trans­for­ma­do­ra com mai­or vi­gor, sen­do para is­so ne­ces­sá­rio que o Es­ta­do crie con­di­ções para que o “cus­to de pro­du­ção in­dus­tri­al se­ja bai­xo, mas que au­men­te o nú­me­ro de em­pre­gos di­rec­tos e in­di­rec­tos, me­di­da ali­nha­da nas po­lí­ti­cas do Go­ver­no”.

VIGAS DA PU­RI­FI­CA­ÇÃO | EDIÇÕES NOVEMBRO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.