90% do Pla­no Na­ci­o­nal es­tá a ser con­cre­ti­za­do

Pro­jec­to de re­a­bi­li­ta­ção dos três ca­mi­nhos-de-fer­ro e o iní­cio da cons­tru­ção do no­vo ae­ro­por­to são mar­cos pa­ra afe­rir das re­a­li­za­ções e con­quis­tas do Exe­cu­ti­vo em­pre­en­deu úl­ti­mos dez anos.

Jornal de Economia & Financas - - Primeira Página - An­tó­nio Eu­gé­nio

Acons­tru­ção e re­cu­pe­ra­ção de in­fra-es­tru­tu­ras per­mi­ti­ram, em 10 anos, a transportação de mais de 445 mi­lhões de pas­sa­gei­ros e 65 mi­lhões de to­ne­la­das de car­ga no país. Além dis­so, em­pre­gou-se 16.686 tra­ba­lha­do­res, no con­jun­to de se­te ins­ti­tu­tos pú­bli­cos e 16 em­pre­sas, fac­to en­fa­ti­za­do pe­lo Mi­nis­té­rio dos Trans­por­tes co­mo ten­do aju­da­do pa­ra a ro­bus­tez da economia an­go­la­na en­tre 2013/2017. Nes­se pe­río­do, o sec­tor te­rá cum­pri­do com mais de 90 por cento do es­ta­be­le­ci­do no Pla­no Na­ci­o­nal de De­sen­vol­vi­men­to.

Se­gun­do o ti­tu­lar da pas­ta, Au­gus­to da Sil­va To­más, que dis­cur­sa­va na pas­sa­da sex­ta-fei­ra, em Lu­an­da, no VIII Con­se­lho Con­sul­ti­vo e Alar­ga­do do sec­tor, te­ria-se che­ga­do a 100 por cento, não fos­se a cri­se eco­nó­mi­ca e fi­nan­cei­ra que o país vem en­fren­tan­do des­de o se­gun­do se­mes­tre de 2014.

Au­gus­to To­más men­ci­o­nou a re­a­bi­li­ta­ção e mo­der­ni­za­ção dos três ca­mi­nhos-de-fer­ro, is­to é, Lu­an­da, Ben­gue­la e Mo­ça­me­des, num per­cur­so de 2.730 qui­ló­me­tros de li­nha fér­rea, su­por­ta­da por 151 es­ta­ções, re­po­si­ção de 52 lo­co­mo­ti­vas, 226 car­ru­a­gens e 282 va­gões, de­pois de uma lon­ga pa­ra­li­sa­ção de qua­se 30 anos, im­pos­si­bi­li­tan­do o trans­por­te e às trocas co­mer­ci­ais com os paí­ses fron­tei­ri­ços co­mo a Re­pú­bli­ca De­mo­crá­ti­ca do Con­go.

As­sim, os mo­der­nos sis­te­mas de co­mu­ni­ca­ções e con­tro­lo, in­cluin­do a cons­tru­ção de três centros de for­ma­ção téc­ni­co-pro­fis­si­o­nal nas lo­ca­li­da­des de Ca­te­te, Lu­ban­go e Hu­am­bo, cons­ti­tuí­ram par­te das gran­des re­a­li­za­ções.

Ou­tros avan­ços fo­ram o iní­cio da cons­tru­ção do No­vo Ae­ro­por­to In­ter­na­ci­o­nal de Lu­an­da e do Por­to de Águas Pro­fun­das do Caio em Ca­bin­da.

Ae­ro­por­tos

Fo­ram ain­da re­a­bi­li­ta­dos e mo­der­ni­za­dos 17 ae­ro­por­tos em vá­ri­as pro­vín­ci­as e a cons­tru­ção de dois no­vos de raiz, com tec­no­lo­gia de pon­ta, cer­ti­fi­ca­ção das com­pa­nhi­as e ope­ra­do­ras aé­re­as em fa­se con­clu­si­va. Anun­ci­ou a con­clu­são da pis­ta e pla­ca do Dun­do, o ter­mi­nal de pas­sa­gei­ros do ae­ro­por­to do Cui­to, as­sim co­mo a re­a­bi­li­ta­ção e mo­der­ni­za­ção do ae­ro­por­to de Ca­bin­da. Du­ran­te o pe­río­do, em aná­li­se, fo­ram re­gis­ta­das cer­ca de 2.676 be­ne­fi­ci­a­ções de for­ma­ções aos tra­ba­lha­do­res da Ena­na.

Ro­do­viá­rio

Se­gun­do o mi­nis­tro, no do­mí­nio dos trans­por­tes ro­do­viá­ri­os, fo­ram co­lo­ca­dos à dis­po­si­ção dos in­te­res­sa­dos mais de no­ve mil au­to­car­ros, ca­miões e ou­tros mei­os de trans­por­te. Por exem­plo, a Uni­car­gas de­tém 218 ca­miões, ten­do em 2016 trans­por­ta­do 500 mil to­ne­la­das, mui­to abai­xo de 2 mi­lhões mo­vi­men­ta­das em 2008, sen­do o mai­or vo­lu­me al­can­ça­dos até à pre­sen­te da­ta, daí que a em­pre­sa pla­ni­fi­cou pa­ra os pró­xi­mos tem­pos es­pe­ci­a­li­zar equi­pas pa­ra ma­nu­se­a­men­to de car­ga aé­rea, além de au­men­tar os ní­veis de fac­tu­ra­ção e op­ti­mi­zar a es­tru­tu­ra de cus­tos operacionais e re­for­ço da fro­ta de ca­miões, as­si­mo co­mo a des­lo­ca­li­za­ção da sua ba­se.

A em­pre­sa es­ta­tal de trans­por­te­sa­pon­ta­ain­da­co­mo­pers­pec­ti­vao re­for­ço da fro­ta de ca­miões e in­ves­ti­men­to na re­a­bi­li­ta­ção do Cais, as­sim co­mo pros­se­guir com a ca­pa­ci­ta­ção con­tí­nua dos re­cur­sos hu­ma­nos.

Uni­da­des por­tuá­ri­as

Nes­ta dé­ca­da, fo­ram ex­pan­di­dos e mo­der­ni­za­dos os Por­tos de Lu­an­da, Ca­bin­da e Na­mi­be, as­sim co­mo fo­ram ad­qui­ri­dos re­bo­ca­do­res, lan­chas rá­pi­das, bói­as de si­na­li­za­ção e equi­pa­men­tos de apoio à na­ve­ga­ção ma­rí­ti­ma.

É as­si­na­la­do igual­men­te o re­lan­ça­men­to do trans­por­te de car­ga pe­la com­pa­nhia de na­ve­ga­ção na­ci­o­nal e o de trans­por­te de pas­sa­gei­ros por via ma­rí­ti­ma, atra­vés de Ca­ta­ma­rás e a im­ple­men­ta­ção do ser­vi­ço de tá­xi per­so­na­li­za­do em vá­ri­as pro­vín­ci­as do país.O sec­tor fa­ci­li­tou a re­a­bi­li­ta­ção, ex­pan­são e mo­der­ni­za­ção dos por­tos prin­ci­pais, no­me­a­da­men­te de Lu­an­da, do Lo­bi­to, o de Ca­bin­da e do Na­mi­be, o que foi acom­pa­nha­do com a aqui­si­ção de re­bo­ca­do­res, lan­chas rá­pi­das, bói­as de si­na­li­za­ção e ou­tros equi­pa­men­tos de apoio à na­ve­ga­ção ma­rí­ti­ma.

A CONS­TRU­ÇÃO DE TRÊS CENTROS DE FOR­MA­ÇÃO CONSTITUIU PAR­TE DAS GRAN­DES RE­A­LI­ZA­ÇÕES DO PELOURO

VIGAS DA PURIFICAÇÃO | EDIÇÕES NO­VEM­BRO

Fon­te: Mi­nis­té­rio dos Trans­por­tes | Ar­te: Car­los Ca­si­mi­ro

CONTREIRAS PIPA | EDIÇÕES NO­VEM­BRO

Mi­nis­tro Au­gus­to To­más qu­an­do dis­cur­sa­va na aber­tu­ra do Con­se­lho Con­sul­ti­vo do sec­tor na pas­sa­da sex­ta-fei­ra

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.