Par­cei­ros abor­dam co­o­pe­ra­ção

Ac­ti­vi­da­des em­pre­en­de­do­ras nos di­ver­sos sec­to­res têm ga­nha­do ca­da vez mais es­pa­ço na economia em fun­ção das re­la­ções co­mer­ci­ais en­tre o empresariado na­ci­o­nal e dos Es­ta­dos Uni­dos de Amé­ri­ca (EUA)

Jornal de Economia & Financas - - Primeira Página - Pe­dro Pe­ter­son

Em­pre­sas ex­por­ta­do­ras, ban­cos e Câ­ma­ras de Co­mér­cio de An­go­la e Por­tu­gal abor­da­ram, on­tem, em Lu­an­da, os ca­mi­nhos da in­ter­na­ci­o­na­li­za­ção dos pro­du­tos .

Opro­ces­so de di­ver­si­fi­ca­ção em cur­so no país, es­tá a cor­res­pon­der aos pro­pó­si­tos do Ac­to Afri­ca­no de Cres­ci­men­to e Opor­tu­ni­da­des (AGOA), que vi­sa a ex­pan­são e o apro­fun­da­men­to das re­la­ções co­mer­ci­ais en­tre os EUA e a Áfri­ca Sub­saha­ri­a­na,

Se­gun­do o re­pre­sen­tan­te co­mer­ci­al de An­go­la nos EUA, Ma­nu­el do Nas­ci­men­to Jú­ni­or, que pro­fe­riu es­tas de­cla­ra­ções du­ran­te a reu­nião in­ter­ca­lar do Agoa/2017, que de­cor­reu re­cen­te­men­te na se­de da União Afri­ca­na, em Washing­ton, pro­ces­so de di­ver­si­fi­ca­ção es­tá a cor­res­pon­der com os pro­gra­mas tra­ça­dos pe­lo Exe­cu­ti­vo na ge­ra­ção de ren­da e da ri­que­za.

Além da ex­pan­são e o apro­fun­da­men­to da re­la­ção co­mer­ci­al e de in­ves­ti­men­to com a Áfri­ca Sub­sa­a­ri­a­na, a le­gis­la­ção do Agoa, vi­sa tam­bém in­cen­ti­var o cres­ci­men­to e de­sen­vol­vi­men­to eco­nó­mi­co, bem co­mo a in­te­gra­ção re­gi­o­nal na economia glo­bal.

“Os paí­ses afri­ca­nos es­tão pre­pa­ra­dos pa­ra apre­sen­tar um qua­dro so­cio-eco­nó­mi­co e ju­rí­di­co-le­gal que per­mi­te de­sen­vol­ver o pro­ces­so do Agoa, que não se li­mi­ta ape­nas às fa­ci­li­da­des dos paí­ses do con­ti­nen­te afri­ca­no ex­por­ta­rem os seus pro­du­tos pa­ra os EUA, mas aflo­rar ou­tros as­sun­tos”, re­fe­riu Ma­nu­el do Nas­ci­men­to Jú­ni­or.

Na sua opi­nião, os paí­ses afri­ca­nos es­tão en­ga­ja­dos pa­ra que, em unís­so­no, pos­sam ex­plo­rar to­das as opor­tu­ni­da­des jun­to dos Es­ta­dos Uni­dos.

“Va­mos continuar a apre­sen­tar ao Agoa as nos­sas propostas, cri­an­do um am­bi­en­te que per­mi­te que em An­go­la se de­sen­vol­vam to­dos os ou­tros sec­to­res, que vão per­mi­tir a di­ver­si­fi­ca­ção eco­nó­mi­ca”, re­fe­riu, ten­do apon­ta­do o de­sa­fio de de­sen­vol­ver os sec­to­res dos már­mo­res, ma­dei­ra, o ca­fé, as­sim co­mo pro­du­tos agro-pe­cuá­ri­os e as pe­les de ani­mais.

A no­va le­gis­la­ção do AGOA, que pror­ro­ga a lei por 10 anos, foi apro­va­da pe­lo Con­gres­so dos EUA em 25 de Ju­nho de 2015, e as­si­na­da pe­lo ex-pre­si­den­te, Ba­rack Oba­ma, em 29 de Ju­nho do mes­mo ano.

A pror­ro­ga­ção do acor­do, as­si­na­da por Ba­rack Oba­ma, até Se­tem­bro de 2025 é a ex­ten­são mais lon­ga des­de que o acor­do exis­te e, aci­ma de tu­do, irá pro­por­ci­o­nar uma mai­or se­gu­ran­ça aos ex­por­ta­do­res afri­ca­nos. Ao mes­mo tem­po que per­mi­te que as em­pre­sas to­mem de­ci­sões de lon­go pra­zo ala­van­ca­das num mer­ca­do que lhe é fa­vo­rá­vel.

O en­con­tro de Washing­ton cen­trou-se igual­men­te na pre­pa­ra­ção do Fó­rum Agoa/2017, que te­rá lu­gar em Lo­mé (To­go), em Agos­to des­te ano.

Se­gun­do os no­vos ter­mos do acor­do, há um in­cen­ti­vo cla­ro às em­pre­sas e sec­to­res que apoi­am a em­pre­ga­bi­li­da­de das mu­lhe­res e o em­pre­en­de­do­ris­mo.

VA­MOS CONTINUAR A APRE­SEN­TAR PROPOSTAS PA­RA CRI­AR AM­BI­EN­TE DE NE­GÓ­CIO EM AN­GO­LA

RAFAEL TATI | EDIÇÕES NO­VEM­BRO

Os no­vos ter­mos do acor­do têm in­cen­ti­va­do as em­pre­sas do sec­tor agro-pe­cuá­rio que apoi­am a em­pre­ga­bi­li­da­de e as ac­ções do em­pre­en­de­do­ris­mo

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.