No­va ges­tão da TAAG pro­me­te man­ter indicadores

Com­pa­nhia pers­pec­ti­va au­men­tar a fac­tu­ra­ção e op­ti­mi­zar a es­tru­tu­ra de cus­tos operacionais

Jornal de Economia & Financas - - Capa -

As Li­nhas Aé­re­as de An­go­la (TAAG) pas­sou por um pro­ces­so de re­es­tru­tu­ra­ção, re­for­ça­da pe­la re­ti­ra­da da lis­ta ne­gra de com­pa­nhi­as que es­ta­vam proi­bi­das de so­bre­vo­ar o es­pa­ço eu­ro­peu. Nes­ta fa­se, a es­tre­la an­go­la­na man­tém-se em­pe­nha­da na im­ple­men­ta­ção do seu pla­no de ne­gó­ci­os, a fim de ele­var os seus pa­drões de ope­ra­ci­o­na­li­da­de e se­gu­ran­ça, as­sim co­mo me­lho­rar subs­tan­ci­al­men­te o ser­vi­ço que pres­ta,apli­can­do mai­or ri­gor em to­dos os pro­ces­sos de con­tro­lo, re­du­zir os cus­tos de ope­ra­ção e au­men­tar a sua ren­ta­bi­li­da­de.

Du­ran­te os úl­ti­mos 10 anos, a fro­ta da com­pa­nhia foi au­men­ta­da com mais cin­co no­vas e mo­der­nas ae­ro­na­ves Bo­eings 777-300.

No dia 30 de Se­tem­bro de 2014, o Mi­nis­té­rio dos Trans­por­tes e a Emi­ra­tes as­si­na­ram no Du­bai um acor­do de par­ce­ria es­tra­té­gi­ca pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to da em­pre­sa. O acor­do deu cor­po a um con­tra­to de ges­tão da TA AG pe­la Emi­ra­tes, pas­san­do a ges­tão cor­ren­te a ser as­se­gu­ra­da por uma Co­mis­são Exe­cu­ti­va, com­pos­ta por qua­tro ad­mi­nis­tra­do­res exe­cu­ti­vos in­di­ca­dos pe­la Emi­ra­tes, in­cluin­do o seu pre­si­den­te, e um ad­mi­nis­tra­dor exe­cu­ti­vo an­go­la­no, com o car­go de vi­ce-pre­si­den­te.

Re­cen­te­men­te, de for­ma brus­ca e me­nos fle­xí­vel, a Emi­ra­tes pôs fim a uma par­ce­ria es­tra­té­gi­ca, ten­do por es­sa ra­zão, o Go­ver­no an­go­la­no de­ci­di­do pôr fim ao man­da­to do Con­se­lho de Ad­mi­nis­tra­ção da TAAG, no­me­an­do uma Co­mis­são de Ges­tão, que se en­car­re­ga­rá da ges­tão cor­ren­te da em­pre­sa,com­pos­ta por se­te pes­so­as, qua­tro an­go­la­nos, in­cluin­do o seu pre­si­den­te e ou­tros três de na­ci­o­na­li­da­de es­tran­gei­ra (os mes­mos ad­mi­nis­tra­do­res exe­cu­ti­vos que ti­nham si­do in­di­ca­dos pe­la Emi­ra­tes).

Gran­de par­te da re­to­ma al­can­ça­da deve-se à pou­pan­ça de cus­tos du­ran­te o ano de 2016 no va­lor de 70 mi­lhões de dó­la­res fa­ce ao ob­jec­ti­vo no Pla­no de Ne­gó­ci­os de pou­par 100 mi­lhões de dó­la­res nor­te-ame­ri­ca­nos até 2019. Hou­ve o ar­gu­men­to de que a com­pa­nhia aé­rea es­ta­va mui­to mais cons­ci­en­te do di­nhei­ro que gas­ta e tem ago­ra me­lho­res sis­te­mas e pro­ces­sos pa­ra con­tro­lo de cus­tos de for­ma a evi­tar des­per­dí­ci­os. En­quan­to as ven­das em dó­la­res fi­ca­ram abai­xo do ano an­te­ri­or (2015), de­vi­do às con­di­ções de mer­ca­do, as ven­das em moeda na­ci­o­nal, Kwan­za, ha­vi­am cres­ci­do em 16 por cento, de 55 mil mi­lhões pa­ra 64 mil mi­lhões de Kwan­zas.

No iní­cio de 2016 o web­si­te “TAAG.com” foi mo­der­ni­za­do e me­lho­ra­do pa­ra sim­pli­fi­car o pro­ces­so de re­ser­va dos cli­en­tes, o que ob­te­ve um su­ces­so ins­tan­tâ­neo com ven­das su­pe­ri­o­res a 20 mi­lhões de dó­la­res, com­pa­ra­dos com me­nos de 2 mi­lhões no ano de 2015.

Os ges­to­res de­fen­dem que “mui­to tem­po e es­for­ço tem si­do in­ves­ti­do a ten­tar me­lho­rar a ex­pe­ri­ên­cia do cli­en­te, quer em ter­ra, quer no ar, mas com a es­cas­sez de di­vi­sa eles têm que pro­cu­rar so­lu­ções cri­a­ti­vas lo­cal­men­te sem­pre que pos­sí­vel e aguar­dar me­lho­res tem­pos pa­ra as­su­mir me­lho­ri­as mais dis­pen­di­o­sas”.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.