Pro­du­ção de car­ne cres­ce no mer­ca­do

A em­pre­sa Ma­mil Lda es­tá fo­ca­da em cri­ar vá­ri­os ma­ta­dou­ros num in­ves­ti­men­to que pretende dar res­pos­ta à ele­va­da pro­cu­ra

Jornal de Economia & Financas - - Infra-Estrutura - Adé­ri­to Ve­lo­so

Osec­tor agro-pe­cuá­rio es­tá aos pou­cos, a se tor­nar num dos me­ca­nis­mos de atrac­ção de in­ves­ti­men­to, da­da a ele­va­da pro­cu­ra de pro­du­tos. Ac­tu­al­men­te, se­gun­do da­dos do Mi­nis­té­rio da Agri­cul­tu­ra, o país gas­ta avul­ta­das so­mas em di­nhei­ro com a im­por­ta­ção de car­ne pa­ra aten­der o mer­ca­do, dai o Exe­cu­ti­vo an­go­la­no ter adop­ta­do es­tra­té­gi­as pa­ra que os in­ves­ti­do­res apos­tem ca­da vez mais nes­te im­por­tan­te seg­men­to, que tem re­tor­no ga­ran­ti­do.

É nes­te con­tex­to que a Ma­mil Lda, em­pre­sa li­ga­da ao sec­tor agro-pe­cuá­rio há mais de uma dé­ca­da (2006) tem es­ta­do a in­ves­tir pa­ra dar res­pos­ta às ne­ces­si­da­des do mer­ca­do na­ci­o­nal, prin­ci­pal­men­te na ver­ten­te de cri­a­ção e aba­te de ani­mais, com realce pa­ra o ga­do bo­vi­no.

A em­pre­sa con­ta com três fan­zen­das agro-pe­cuá­ri­as, lo­ca­li­za­das uma em Ma­zo­zo, na pro­vín­cia do Ben­go, ou­tra em Sam­ba Ca­jú (Cu­an­za Nor­te) e a úl­ti­ma na Chi­bia (Huíla), on­de dis­põe de um to­tal de 700 ca­be­ças de ga­do bo­vi­no, pa­ra a cri­a­ção.

No pan­gui­la (es­tra­da da Bur­ga­ria), a em­pre­sa tem mon­ta­do um ma­ta­dou­ro e ta­lho, com ca­pa­ci­da­de pa­ra o aba­te de 50 ani­mais (va­cas) por dia.

Os prin­ci­pais cli­en­tes (pes­so­as sin­gu­la­res e em­pre­sas) são pro­ve­ni­en­tes de Lu­an­da e Ben­go, os quais qua­se to­dos os di­as acor­rem ao lo­cal pa­ra a com­pra de car­ne de qua­li­da­de e a bom pre­ço.

Se­gun­do o ad­mi­nis­tra­dor co­mer­ci­al e fi­nan­cei­ro da Ma­mil, De­ló­ri­os de Frei­tas, a em­pre­sa tem es­ta­do a apos­tar nes­te seg­men­to pa­ra con­tri­buir nas po­lí­ti­cas do Go­ver­no , que vi­sam a re­du­ção dos ní­veis de im­por­ta­ção, nu­ma al­tu­ra em que, o mer­ca­do já dis­põe de ani­mais com qua­li­da­de pa­ra a pro­du­ção de car­ne e lei­te.

“O nos­so fo­co é in­ves­tir nes­te mer­ca­do, por­que acha­mos que exis­te ain­da mui­to por ex­plo­rar. o mer­ca­do é vas­to, e pre­ci­sa de ta­lhos e ma­ta­dou­ros pa­ra a ven­da de car­ne”, dis­se. Pa­ra ele, um dos prin­ci­pais de­sa­fi­os da em­pre­sa é o de con­tri­buir pa­ra o pro­ces­so de di­ver­si­fi­ca­ção da economia na­ci­o­nal, sen­do que pa­ra is­so, nos pró­xi­mo me­ses, a em­pre­sa pre­vê ex­pan­dir os seus ser­vi­ços pa­ra vá­ri­os pon­tos da pro­vín­cia de Lu­an­da, com a ins­ta­la­ção de te­lhos pa­ra a ven­da de car­ne “aba­ti­da na ho­ra”.

“Pre­ten­de­mos con­tri­buir com o nos­so pro­jec­to pa­ra re­du­ção da ven­da de car­ne no mer­ca­do in­for­mal, re­du­ção das do­en­ças, e con­se­quen­te­men­te pa­ra a ofer­ta de car­ne de va­ca com qua­li­da­de exi­gi­da in­ter­na­ci­o­nal­men­te”, pre­ci­sou.

O ges­tor en­ten­de que a apos­ta na pro­vín­cia de Lu­an­da, nes­ta pri­mei­ra fa­se, pren­de-se com o fac­to da re­gião ser a que re­gis­ta mai­or pro­cu­ra, sen­do o prin­ci­pal mer­ca­do de con­su­mo a ní­vel na­ci­o­nal.

“Não dis­co­ra­mos em le­var o pro­jec­to pa­ra ou­tras re­giões, mas, nes­ta fa­se o fo­co se­rá pa­ra Lu­an­da, por ser um mer­ca­do bas­tan­te atrac­ti­vo”, in­for­mou.

Pa­ra res­pon­der a pro­cu­ra, a em­pre­sa pretende tam­bém in­ves­tir na aqui­si­ção de veí­cu­los pa­ra o trans­por­te do ga­do bem co­mo de car­ne, no qua­dro do pro­ces­so de ex­pan­são dos seus ser­vi­ços pa­ra ou­tras re­giões, além de equi­pa­men­tos pa­ra a pro­du­ção de lei­te.

ADÉ­RI­TO VE­LO­SO | EDIÇÕES NO­VEM­BRO

Cons­tan­ti­no João é na­tu­ral da pro­vín­cia do Hu­am­bo e é o res­pon­sá­vel pe­lo pas­to na fa­zen­da Ma­mil no Pan­gui­la

ADÉ­RI­TO VE­LO­SO | EDIÇÕES NO­VEM­BRO

De­ló­ri­os de Frei­tas, da Ma­mil Lda

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.