Fal­ta de or­ga­ni­za­ção pre­ju­di­ca os cri­a­do­res

Os co­nhe­ci­men­tos bá­si­cos e ci­en­tí­fi­cos de­vem nor­te­ar a prá­ti­ca dos pro­fis­si­o­nais que ac­tu­am na con­cep­ção de es­ti­los mu­si­cais

Jornal de Economia & Financas - - Capa -

Afal­ta de or­ga­ni­za­ção dos mú­si­cos e pro­du­to­res an­go­la­nos é um dos prin­ci­pais fac­to­res de en­tra­ve ao de­sen­vol­vi­men­to do tra­ba­lho dos fa­ze­do­res de mú­si­ca no país. Es­ta cons­ta­ta­ção é do pro­du­tor mu­si­cal Va­le­ri­a­no Jo­a­quim Ca­lei, o co­nhe­ci­do Pre­si­lha no mun­do ar­tís­ti­co, que em en­tre­vis­ta ao JE so­bre a pro­du­ção mu­si­cal em An­go­la, afir­mou que es­te sec­tor da Cul­tu­ra pas­sa por uma fa­se di­fí­cil da sua his­tó­ria.

Se­gun­do o mú­si­co, o pro­du­tor é aque­la pes­soa que tem a res­pon­sa­bi­li­da­de de fa­zer o acom­pa­nha­men­to to­tal da cri­a­ção de uma mú­si­ca, mas não ne­ces­sa- ri­a­men­te tem de to­car um ins­tru­men­to. Es­te, só ne­ces­si­ta de co­nhe­ci­men­tos e ter um bom ou­vi­do pa­ra di­ri­gir e or­ga­ni­zar o ar­ran­jis­ta e os ins­tru­men­tis­tas. E é es­ta área cha­ve do pro­ces­so de cri­a­ção, que a sua vi­são ape­la a uma mai­or or­ga­ni­za­ção dos pro­fis­si­o­nais, no que diz res­pei­to à pro­du­ção mu­si­cal.

Tra­ba­lho ár­duo

Pa­ra Pre­si­lha, ain­da há mui­to tra­ba­lho pe­la fren­te, mas re­co­nhe­ce que “es­ta­mos no bom ca­mi­nho”. Ele afir­ma ain­da que ho­je a mai­o­ria das mú­si­cas con­su­mi­das no mer­ca­do na­ci­o­nal já é or­ques­tra­da pe­los pro­du­to­res an­go­la­nos, que re­pre­sen­ta um in­di­ca­dor mo­ti­va­dor, em­bo­ra fal­tar, na sua óp­ti­ca, al­gu­ma res­pon­sa­bi­li­da­de de mui­tos pro­du­to­res e can­to- res. “A mú­si­ca não é uma brin­ca­dei­ra. É al­go que fi­ca pa­ra to­da vi­da. Não acon­se­lho nin­guém a en­trar pa­ra es­se mun­do se não ti­ver tem­po pa­ra fa­zer pes­qui­sas cons­tan­tes. Se for pa­ra ter só fa­ma, que pro­cu­re ou­tra ac­ti­vi­da­de e is­to tem acon­te­ci­do mui­to nos di­as de ho­je”, aler­ta.

O pro­du­tor re­a­fir­ma a sua po­si­ção de que no mer­ca­do fal­ta or­ga­ni­za­ção da par­te dos ar­tis­tas. “Te­mos que ter co­nhe­ci­men­tos bá­si­cos e ci­en­tí­fi­cos pa­ra uma me­lhor ac­tu­a­ção no ra­mo. Pen­sar­mos pri­mei­ro nos es­ti­los na­ci­o­nais, só de­pois po­de­mos fa­zer da mú­si­ca an­go­la­na um rit­mo equi­pa­ra­do ao world mu­sic”, afir­ma.

Pro­du­ção mu­si­cal

De acor­do com o tam­bém ins­tru­men­tis­ta, o pas­so im­por­tan­te pa­ra uma pro­du­ção de su­ces­so e um bom pro­du­tor, é sa­ber ar­ran­jar as idei­as pa­ra as con­ver­ter em bo­as mú­si­cas e is­so deve ser exe­cu­ta­do pe­las pes­so­as cer­tas.

No que diz res­pei­to às su­as pro­du­ções, Pre­si­lha afir­ma que a pro­du­ção de um dis­co va­ria mui­to. O mes­mo não tem um cus­to fi­xo, de­pen­de mui­to do que o ar­tis­ta quer, mas es­te po­de atin­gir va­lo­res que po­dem ser in­fe­ri­o­res ou ul­tra­pas­sar os 40 mil dó­la­res nor­te-ame­ri­ca­nos.

Efei­tos da cri­se

En­tre os al­tos e bai­xos da ac­ti­vi­da­de que abra­çou ain­da mui­to jo­vem, o pro­du­tor afir­ma que, tal co­mo o mer­ca­do no ge­ral, ele tam­bém foi afec­ta­do, adi­an­tan­do vá­ri­as ra­zões, en­tre as quais a fal­ta de pro­cu­ra e di­vi­sas.

Pa­ra ele, es­sa ac­ti­vi­da­de sem­pre foi lu­cra­ti­va, mas de um tem­po a es­ta par­te so­freu uma que­bra sig­ni­fi­ca­ti­va. “Já ga­nhei mui­to dinheiro, em­bo­ra não o su­fi­ci­en­te pa­ra fa­zer um in­ves­ti­men­to em ou­tros ne­gó­ci­os e na mi­nha vi­da pes­so­al”, fri­sou.

Sucessos da car­rei­ra

Se­gun­do o pro­du­tor, já foi au­tor de mui­tos sucessos ao lon­go da car­rei­ra, on­de se des­ta­cam pro­du­tos co­mo “Sen­ta mais um pou­co” e “Áfri­ca” dos Ir­mãos Al­mei­da, “Sa­la­lé” de Dog Mur­ras, “Luz” do gru­po de rap Gé­ne­sis, “Quem se­rá” de Big Ne­lo, “San­gue bom” de Ka­ri­na Sil­va, “Tu és o amor” de Yu­ri da Cu­nha, “Say ho” de Yo­la Se­me­do, “Co­có” de Lut­chi­a­na Mo­bu­lo, “Ma­ria dos ka­lun­dos” de Ma­ti­as Da­má­sio, “Mãe ngo” de Kelly Sil­va e “Ma­na Lu­na”de Rei Hel­der.

“No que to­ca aos lu­cros, es­tes são acor­da­dos en­tre can­tor e pro­du­tor, e de­pen­de mui­to do mo­men­to em que se for­mu­la o con­tra­to. Nor­mal­men­te, tem si­do 50 por cen­to pa­ra ca­da”, con­cluiu.

EDIÇÕES NOVEMBRO

Pre­si­lha é res­pon­sá­vel pe­lo su­ces­so de gran­des can­to­res da mú­si­ca an­go­la­na

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.