“Pre­ci­sa-se in­ves­ti­do­res na mú­si­ca”

O pro­du­tor mu­si­cal angolano afir­ma que a so­ci­e­da­de pre­ci­sa en­ca­rar sem­pre que as vá­ri­as opor­tu­ni­da­des de ne­gó­cio são to­dos os in­ter­ve­ni­en­tes do pro­ces­so

Jornal de Economia & Financas - - Capa - Xa­vi­er An­tó­nio

Amen­te­pro­du­ção mu­si­cal no país de­caiu sig­ni­fi­ca­ti­va­ten­do em con­ta a cri­se eco­nó­mi­ca e fi­nan­cei­ra. A fal­ta de li­qui­dez, a es­cas­sez de di­vi­sas con­tri­buiu pa­ra a fal­ta de pro­du­ção dis­co­grá­fi­ca, fa­zen­do com que os can­to­res gra­vem me­nos. A cons­ta­ta­ção é tam­bém do mú­si­co e pro­du­tor, Ca­ló Pas­co­al, em en­tre­vis­ta ao JE. Nes­ta con­ver­sa, o tam­bém pro­pri­e­tá­rio da “Que­bra Ga­lho Pro­du­ções” la­men­ta ain­da o fac­to de, até ho­je, o país não ter uma úni­ca fá­bri­ca de pro­du­ção de dis­cos.

EXIS­TEM MUI­TAS OPOR­TU­NI­DA­DES DE NE­GÓ­CIO PA­RA QUEM DE­SE­JA EM­PRE­EN­DER NO RA­MO MU­SI­CAL EM AN­GO­LA

em au­men­to se­ria afir­mar que te­mos in­ves­ti­do­res e que nes­te mo­men­to au­men­tou, is­so não é ver­da­de. Ain­da há um gran­de dé­fi­ce nes­te sen­ti­do. Nes­te mo­men­to é a nossa pri­o­ri­da­de e pen­sa­mos que po­de­rá cus­tar à vol­ta de oi­to mi­lhões de kwan­zas, in­cluin­do três mil có­pi­as de dis­cos a se­rem pro­du­zi­dos. Por es­sa ra­zão é que ac­tu­al­men­te o can­tor deve cus­te­ar as des­pe­sas do ál­bum,por­que­an­te­ri­or­men­te­as­pro­du­to­ras gas­ta­vam mui­to e na mai­or par­te das ve­zes saí­ram a per­der.

DR

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.