CMC re­for­ça in­fra-es­tru­tu­ras tec­no­ló­gi­cas

Nos úl­ti­mos qua­tro anos foi fei­to um tra­ba­lho pro­fun­do pa­ra de­sen­vol­ver as ba­ses es­sen­ci­ais so­bre as quais as­sen­ta o mer­ca­do de ca­pi­tais que vi­sou a cons­tru­ção de um cli­ma de con­fi­an­ça

Jornal de Economia & Financas - - Mercados -

A Co­mis­são do Mer­ca­do de Ca­pi­tais (CMC) es­tá a tra­ba­lhar no sen­ti­do de re­for­çar as con­di­ções ins­ti­tu­ci­o­nais do mer­ca­do e as in­fra-es­tru­tu­ras tec­no­ló­gi­cas e le­gais no sen­ti­do de ali­cer­çar o fi­nan­ci­a­men­to à eco­no­mia e ge­rar uma mai­or re­si­li­ên­cia fa­ce às con­di­ções ad­ver­sas que pos­sam afec­tar o sis­te­ma fi­nan­cei­ro na­ci­o­nal.

A afir­ma­ção é do di­rec­tor do De­par­ta­men­to de Es­tu­dos, Es­tra­té­gi­as e De­sen­vol­vi­men­to da Co­mis­são do Mer­ca­do de Ca­pi­tais, Car­los Vas­con­ce­los, que in­for­mou igual­men­te que nos úl­ti­mos qua­tro anos, foi fei­to um tra­ba­lho pro­fun­do pa­ra de­sen­vol­ver as ba­ses es­sen­ci­ais so­bre as quais as­sen­ta o mer­ca­do de ca­pi­tais, em par­ti­cu­lar, na cons­tru­ção de um cli­ma de con­fi­an­ça, con­di­ção es­sen­ci­al pa­ra a ac­tu­a­ção dos di­ver­sos in­ter­ve­ni­en­tes.

“Fo­ram apro­va­das e pu­bli­ca- das a mai­or par­te da re­gu­la­ção ba­se do mer­ca­do, do pri­mei­ro e se­gun­do ní­vel no­me­a­da­men­te o Có­di­go dos Va­lo­res Mo­bi­liá­ri­os apro­va­do pe­la Lei 22/15 de 31 Agos­to, pu­bli­ca­do ain­da em 2015, jun­ta­men­te com a Lei de Ba­ses das Instituições Fi­nan­cei­ras que re­pre­sen­ta o mar­co prin­ci­pal des­te pro­ces­so e cons­ti­tui o ins­tru­men­to le­gal mais po­de­ro­so, a ‘Lei-mãe’ do mer­ca­do de va­lo­res mo­bi­liá­ri­os”, fri­sou.

Se­gun­do aque­le res­pon­sá­vel, es­tão a ser tam­bém en­vi­da­dos es­for­ços ao ní­vel da su­per­vi­são, no sen­ti­do de se afe­rir os re­qui­si­tos pa­ra a au­to­ri­za­ção e o re­gis­to das en­ti­da­des que ac­tu­am no mer­ca­do de ca­pi­tais, na su­per­vi­são pre­sen­ci­al das en­ti­da­des já re­gis­ta­das, bem co­mo no aper­fei­ço­a­men­to dos mé­to­dos, téc­ni­cas e fer­ra­men­tas que sub­si­di­am as ac­ti­vi­da­des da CMC nes­ta com­po­nen­te.

“Não obs­tan­te o pa­pel da CMC em re­la­ção à pro­mo­ção do mer­ca­do, en­con­tra­mos na su­per­vi­são os me­ca­nis­mos pa­ra ga­ran­tir que o mer­ca­do cres­ça com dis­ci­pli­na, o que re­pre­sen­ta tam­bém um re­qui­si­to fun­da­men­tal pa­ra o bom cres­ci­men­to do mer­ca­do de ca­pi­tais em qual­quer par­te do mun­do”, dis­se.

Car­los Vas­con­ce­los des­ta­ca que a CMC tem re­ce­bi­do ca­da vez mais si­nais de um cres­cen­te in­te­res­se por es­te Mer­ca­do.

DR

Es­tra­té­gi­as de afir­ma­ção no mer­ca­do re­gi­o­nal e in­ter­na­ci­o­nal têm su­ces­so

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.