Sec­tor in­dus­tri­al li­de­ra no co­nhe­ci­men­to téc­ni­co

Exe­cu­ti­vo angolano apre­sen­tou os ga­nhos que têm es­ta­do a ser al­can­ça­dos no ra­mo com a im­ple­men­ta­ção de di­ver­sos pro­jec­tos no do­mí­nio do ensino téc­ni­co em to­do o país

Jornal de Economia & Financas - - Infra-Estrutura -

Osec­tor in­dus­tri­al, com 54 es­co­las, li­de­ra o ran­king do ensino téc­ni­co-pro­fis­si­o­nal e tec­no­ló­gi­co em An­go­la, sou­be a An­gop. O fac­to foi re­ve­la­do na pas­sa­da se­gun­da-fei­ra, em Bra­sí­lia, Bra­sil, pe­la di­rec­to­ra na­ci­o­nal do ensino téc­ni­co pro­fis­si­o­nal do Mi­nis­té­rio da Edu­ca­ção, Ju­li­e­ta Oc­tá­vio, du­ran­te a reu­nião téc­ni­ca da CPLP so­bre os de­sa­fi­os no ensino pro­fis­si­o­nal.

De acor­do com a res­pon­sá­vel, que apre­sen­ta­va a re­la­ção en­tre o ensino téc­ni­co pro­fis­si­o­nal e o gé­ne­ro, atrás do sec­tor in­dus­tri­al se­guem-se a re­de na­ci­o­nal das es­co­las téc­ni­cas pú­bli­cas na área de ad­mi­nis­tra­ção e ser­vi­ços, que con­ta com 32 es­co­las, a saú­de (20), a agro-pe­cuá­ria (12) e o ra­mo das ar­tes (1), res­pec­ti­va­men­te.

Du­ran­te a reu­nião, An­go­la apre­sen­tou a sua vi­são so­bre o uso das tec­no­lo­gi­as na ges­tão das es­co­las téc­ni­cas pro­fis­si­o­nais, com ba­se no sis­te­ma de in­for­ma­ção de ges­tão do Mi­nis­té­rio da Edu­ca­ção, que de­ta­lha a li­ga­ção exis­ten­te en­tre o pe­lou­ro e as di­rec­ções pro­vin­ci­ais, bem co­mo as es­co­las em ter­mos da ges­tão de da­dos.

Os par­ti­ci­pan­tes ti­ve­ram a opor­tu­ni­da­de de co­nhe­cer o pro­gra­ma na­ci­o­nal de for­ma­ção de qua­dros, que vi­sa a pro­mo­ção do em­pre­go e a va­lo­ri­za­ção dos re­cur­sos hu­ma­nos na­ci­o­nais.

Os re­sul­ta­dos da reu­nião fo­ram trans­mi­ti­dos ao em­bai­xa­dor de An­go­la no Bra­sil, Nel­son Cos­me, pe­la de­le­ga­ção an­go­la­na, que deu a co­nhe­cer que os par­ti­ci­pan­tes de­ci­di­ram en­tre ou­tras ac­ções, par­ti­lhar a cur­to pra­zo as bo­as práticas e ex­pe­ri­ên­ci­as so­bre o em­pre­en­de- do­ris­mo, ne­ces­si­da­des edu­ca­ti­vas es­pe­ci­ais e ques­tões do gé­ne­ro.

Na oca­sião, o em­bai­xa­dor angolano mos­trou à de­le­ga­ção do Mi­nis­té­rio da Edu­ca­ção as opor­tu­ni­da­des de for­ma­ção exis­ten­tes em Goi­â­nia (Bra­sil) pa­ra a for­ma­ção de ges­to­res de ba­se de da­dos a ní­vel do ensino pro­fis­si­o­nal, ten­do exor­ta­do a di­vul­ga­ção da re­a­li­da­de an­go­la­na em ter­mos de for­ma­ção pro­fis­si­o­nal e tec­no­ló­gi­ca.

Con­for­me a de­ci­são des­ta reu­nião, de­ve­rão ser re­a­li­za­das pe­ri­o­di­ca­men­te as jor­na­das de ensino pro­fis­si­o­nal e tec­no­ló­gi­co da CPLP.

Mi­lha­res de em­pre­go

Des­de a con­quis­ta da paz em 2002, o Exe­cu­ti­vo angolano tem im­ple­men­ta­do em to­do o país pro­gra­mas de for­ma­ção pro­fis­si­o­nal, di­ri­gi­dos so­bre­tu­do a jo­vens pa­ra a sua in­te­gra­ção no mer­ca­do de tra­ba­lho.

Se­gun­do o Jor­nal de An­go­la, é por in­ter­mé­dio do Sis­te­ma Na­ci­o­nal de For­ma­ção Pro­fis­si­o­nal, um me­ca­nis­mo in­se­ri­do no pro­gra­ma de mo­der­ni­za­ção e de­sen­vol­vi­men­to do país, que se pro­cu­ra es­ti­mu­lar a cri­a­ção de em­pre­gos e con­cre­ti­zar o so­nho de mui­tas fa­mí­li­as.

O Ins­ti­tu­to Na­ci­o­nal de Em­pre­go e For­ma­ção Pro­fis­si­o­nal (INEFOP) con­ta ac­tu­al­men­te com es­tru­tu­ras des­cen­tra­li­za­das em 18 ser­vi­ços pro­vin­ci­ais, 31 cen­tros de for­ma­ção pro­fis­si­o­nal, 14 cen­tros In­te­gra­dos de Em­pre­go e For­ma­ção Pro­fis­si­o­nal, 35 cen­tros mó­veis, 61 pa­vi­lhões de for­ma­ção em Ar­tes e Ofí­ci­os.

O Inefop, além dos cen­tros pú­bli­cos, tem igual­men­te re­gis­ta­das 35 instituições de ou­tros or­ga­nis­mos e 459 cen­tros pri­va­dos.

Des­de 2013 até ao I tri­mes­tre de 2017, a re­de de cen­tros de for­ma­ção au­men­tou em 17 por cen­to, pas­san­do de 541 pa­ra 635.

No pe­río­do aci­ma re­fe­ri­do, fo­ram ins­cri­tos um to­tal de 376.346 for­man­dos dos quais 259.107 do se­xo mas­cu­li­no e 117.339 do se­xo fe­mi­ni­no, em 137 es­pe­ci­a­li­da­des dis­po­ní­veis.

O ní­vel de apro­vei­ta­men­to dos for­man­dos foi de 82 por cen­to, en­quan­to a ta­xa de par­ti­ci­pa­ção das mu­lhe­res nos cur­sos foi de 32 por cen­to.

KINDALA MA­NU­EL | EDIÇÕES NOVEMBRO

Os jo­vens for­ma­dos pe­los vá­ri­os pro­gra­mas do Exe­cu­ti­vo angolano es­tão a fa­zer par­te do mer­ca­do for­mal da eco­no­mia e têm ga­ran­ti­do o de­sen­vol­vi­men­to

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.