As re­for­mas do no­vo Go­ver­no

Par­ti­do ven­ce­dor das úl­ti­mas elei­ções ge­rais re­a­li­za­das a 23 de Agos­to vai de­fi­nir um mo­de­lo de go­ver­na­ção eco­nó­mi­ca ba­se­a­do no prin­cí­pio de in­clu­são e da trans­pa­rên­cia

Jornal de Economia & Financas - - Primeira Página - Ma­teus Ca­vum­bo (tex­tos de ca­pa)

OMPLA, par­ti­do ven­ce­dor das elei­ções ge­rais de 23 de Agos­to úl­ti­mo, vai tra­ba­lhar nu­ma vi­são es­tra­té­gi­ca con­cer­ta­da com a sociedade ci­vil e o sec­tor em­pre­sa­ri­al pa­ra que o Es­ta­do as­se­gu­re o pa­pel cru­ci­al de agen­te re­gu­la­dor e co­or­de­na­dor de to­do o pro­ces­so de de­sen­vol­vi­men­to do país.

A no­va go­ver­na­ção pre­ten­de que o Es­ta­do de­ve ter uma pre­sen­ça na eco­no­mia e na sociedade mais qua­li­ta­ti­va, o que im­pli­ca a re­du­ção da sua pre­sen­ça em al­guns do­mí­ni­os da vi­da eco­nó­mi­ca e so­ci­al do país. Es­te fac­to pres­su­põe a exis­tên­cia de um Es­ta­do for­te por­que o mes­mo as­sen­ta­rá num mo­de­lo ba­se­a­do na boa go­ver­na­ção, o que se tra­duz em pro­ces­sos de to­ma­da de de­ci­sões e fiscalização que per­mi­tam a ges­tão dos re­cur­sos com ba­se nos prin­cí­pi­os de mo­ral e da éti­ca, de mo­do a res­pon­der com efi­ci­ên­cia e efi­cá­cia às ne­ces­si­da­des co­lec­ti­vas.

O com­ba­te ao su­bor­no cen­tra­li­zou os dis­cur­sos do can­di­da­to do MPLA, João Ma­nu­el Gon­çal­ves Lou­ren­ço, que der­ro­tou nas ur­nas os ou­tros con­cor­ren­tes ao úl­ti­mo plei­to.

A re­for­ma da ad­mi­nis­tra­ção pú­bli­ca, o com­ba­te ao ami­guis­mo e ao su­bor­no, a ele­va­ção do ní­vel de de­sen­vol­vi­men­to em to­das as pro­vín­ci­as, cons­tam do pla­no.

Pro­jec­tos a con­cre­ti­zar

João Lou­ren­ço no Zai­re ha­via pro­me­ti­do, ca­so fos­se elei­to, pros­se­guir com os in­ves­ti­men­tos es­tru­tu­ran­tes, co­mo o pro­jec­to LNG (Gás Na­tu­ral Li­que­fei­to) e o ci­clo com­bi­na­do do Soyo, li­ga­do ao for­ne­ci­men­to de ener­gia eléc­tri­ca, que de­ve­rá ser­vir aos pro­jec­tos de de­sen­vol­vi­men­to em cur­so na re­gião.

Ga­ran­tiu que, além do Zai­re, de­ve­rá ser pres­ta­da aten­ção ao au­men­to da pro­du­ção e dis­tri­bui­ção de água po­tá­vel pa­ra as po­pu­la­ções e a in­dús­tria, pre­ve­nin­do do­en­ças me­di­an­te a me­lho­ria da qua­li­da­de do pre­ci­o­so lí­qui­do.

Pro­me­teu igual­men­te a cons­tru­ção de um ae­ro­por­to e de es­tra­das à di­men­são da pro­vín­cia.

João Lou­ren­ço afir­mou que a ac­ção es­ta­rá virada pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to do país, nos seg­men­tos da edu­ca­ção, saú­de e for­ma­ção de qua­dro nos mais variados do­mí­ni­os.

De­fen­deu a re­for­ma do Es­ta­do e da jus­ti­ça, bem co­mo uma boa go­ver­na­ção, ten­do as­se­gu­ra­do com­ba­ter os gran­des ma­les co­mo a ga­so­sa (su­bor­no) e a cu­nha, ape­lan­do às ví­ti­mas a de­nun­ci­ar tais prá­ti­cas pa­ra aca­bar com o ami­guis­mo e a ex­tor­são dos ci­da­dãos, ví­ci­os que afec­tam ne­ga­ti­va­men­te a imagem e a efi­ci­ên­cia dos ser­vi­ços pú­bli­cos.

Pla­ne­a­men­to

Uma das me­di­das a con­cre­ti­zar é des­bu­ro­cra­ti­za­ção e sim­pli­fi­ca­ção dos cir­cui­tos de de­ci­são e dos ins­tru­men­tos de pla­ne­a­men­to e de pro­gra­ma­ção, as­sim co­mo o de­sen­vol­vi­men­to de uma cul­tu­ra de prestação de con­tas e res­pon­sa­bi­li­za­ção dos prin­cí­pi­os éti­cos, mo­rais e de boa ges­tão da coi­sa pú­bli­ca. Além dis­so, de­ve-se ope­ra­ci­o­na­li­zar um mo­de­lo de ca­pa­ci­ta­ção e de­sen­vol­vi­men­to dos re­cur­sos hu­ma­nos do Es­ta­do, que vi­sa pre­pa­rar a ad­mi­nis­tra­ção pú­bli­ca pa­ra a uni­ver­sa­li­za­ção de um mo­de­lo e cul­tu­ra de ges­tão ba­se­a­da na qua­li­da­de e nos re­sul­ta­dos. Es­te mo­de­lo de­ve­rá ain­da ga­ran­tir a pro­mo­ção e a pro­gres­são na car­rei­ra com ba­se no mé­ri­to, de­ven­do pa­ra tal im­ple­men­tar ins­tru­men­tos de ava­li­a­ção de de­sem­pe­nho e as­se­gu­rar a ac­tu­a­ção dos fun­ci­o­ná­ri­os e agen­tes ad­mi­nis­tra­ti­vos fun­da­da nos prin­cí­pi­os da éti­ca e mo­ral ad­mi­nis­tra­ti­va.

Cri­mes eco­nó­mi­cos

Uma das for­mas pa­ra con­so­li­dar o Es­ta­do é in­ten­si­fi­car o com­ba­te ao cri­me eco­nó­mi­co e a cor­rup­ção, pe­lo que de­ve pas­sar pe­lo apro­fun­da­men­to do qua­dro ju­rí­di­co de res­pon­sa­bi­li­za­ção, tan­to de na­tu­re­za pe­nal co­mo ci­vil e rein­te­gra­ti­va e ain­da to­mar as me­di­das dis­ci­pli­na­res ne­ces­sá­ri­as, de mo­do a de­sin­cen­ti­var, pros­se­guir e pu­nir os ac­tos de cor­rup­ção que le­sem o Es­ta­do e os su­pe­ri­o­res in­te­res­ses do país. O par­ti­do ven­ce­dor ga­ran­tiu que vai re­for­çar os mei­os hu­ma­nos, téc­ni­cos e tec­no­ló­gi­cos ao dis­por das ins­ti­tui­ções e en­ti­da­des de com­ba­te ao cri­me eco­nó­mi­co e cor­rup­ção.

Con­tu­do, pre­vê a cri­a­ção na Pro­cu­ra­do­ria da Re­pú­bli­ca e nos ser­vi­ços de in­ves­ti­ga­ção cri­mi­nal e ins­pec­ção eco­nó­mi­ca, um cor­po es­pe­ci­a­li­za­do, do­ta­do de for­ma­ção es­pe­ci­a­li­za­da e mei­os le­gais, téc­ni­cos e hu­ma­nos, de com­ba­te de to­dos os ma­les pú­bli­cos.

A NOS­SA AC­ÇÃO ES­TA­RÁ VIRADA PA­RA O DE­SEN­VOL­VI­MEN­TO DO PAÍS, NOS SEG­MEN­TOS DA EDU­CA­ÇÃO, SAÚ­DE E FOR­MA­ÇÃO DE QUA­DROS NOS MAIS VARIADOS DO­MÍ­NI­OS

SAN­TOS PE­DRO | EDIÇÕES NO­VEM­BRO

MOTA AMBRÓSIO | EDIÇÕES NO­VEM­BRO

João Lou­ren­ço, pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca elei­to, diz-se pron­to pa­ra res­pon­der aos gran­des de­sa­fi­os da Na­ção e pe­lo fac­to me­re­ceu a con­fi­an­ça dos elei­to­res

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.