Pre­ço do ci­men­to de­sa­fia obras

Em al­guns cen­tros co­mer­ci­ais e mer­ca­dos in­for­mais de Lu­an­da re­gis­ta-se pou­ca mo­vi­men­ta­ção de cli­en­tes

Jornal de Economia & Financas - - Primeira Página - An­tó­nio Eu­gé­nio

A in­clu­são da au­to-cons­tru­ção di­ri­gi­da no pro­gra­ma ha­bi­ta­ci­o­nal do Exe­cu­ti­vo é pro­va inequí­vo­ca do re­co­nhe­ci­men­to da ca­pa­ci­da­de de os ci­da­dãos cons­truí­rem as ha­bi­ta­ções pró­pri­as, com ob­jec­ti­vo de ali­vi­ar o dé­fi­ce ha­bi­ta­ci­o­nal. Des­de já, a fa­ci­li­da­de no aces­so aos ma­te­ri­ais de cons­tru­ção é fun­da­men­tal. Nes­tes úl­ti­mos di­as, os cons­tru­to­res vi­ram-se a bra­ços tu­do por­que o sa­co de ci­men­to viu en­ca­re­ci­do o seu pre­ço. O pro­du­to es­tá a ser ven­di­do a 2.330 kwan­zas nos mer­ca­dos in­for­mais de Lu­an­da, con­tra os 1.300, re­pre­sen­tan­do uma su­bi­da na or­dem dos 90 por cen­to.

Opre­ço do ci­men­to, que cons­ti­tui um dos prin­ci­pais ma­te­ri­ais de cons­tru­ção ci­vil, re­gis­ta uma acen­tu­a­da su­bi­da. Ac­tu­al­men­te, o sa­co es­tá a ser ven­di­do a 2.330 kwan­zas em vá­ri­os mer­ca­dos in­for­mais da pro­vín­cia de Lu­an­da, con­tra os an­te­ri­o­res 1.300, re­pre­sen­tan­do uma su­bi­da na or­dem dos cer­ca de 90 por cen­to.

No pas­sa­do, o sa­co de ci­men­to de 50 qui­lo­gra­ma che­gou a ser ven­di­do a 900 kwan­zas, pos­si­bi­li­tan­do mui­tas pes­so­as ob­te­rem no mer­ca­do for­mal e in­for­mal, o ma­te­ri­al ne­ces­sá­rio pa­ra a cons­tru­ção da ca­sa pró­pria ou um imó­vel qual­quer.

A re­por­ta­gem do JE per­cor­reu al­guns lo­cais de ven­da do ma­te­ri­al de cons­tru­ção ci­vil, on­de cons­ta­tou a su­bi­da dos pre­ços, prin­ci­pal­men­te o ci­men­to. Ba­ra­to tam­bém não es­tão ou­tros ma­te­ri­ais.

Por exem­plo, um con­tra­pla­ca­do de dois me­tros, ver­me­lho, che­ga a cus­tar em mé­dia 6 mil kwan­zas e a pre­ta, com as mes­mas me­di­das cus­ta oi­to mil. Um ata­do de 9 ri­pas é com­pra­do a no­ve mil kwan­zas, na ra­zão de mil por ca­da uni­da­de.

Um sa­co de 25 kg de ci­men­to cola cus­ta 1.200 kwan­zas, con­tra os 800 an­te­ri­o­res, re­pre­sen­tan­do uma su­bi­da de 40 por cen­to. Por um ro­lo de ma­lha-sol de 50 me­tros o in­te­res­sa­do pa­ga 60 mil.

No mer­ca­do “11 de No­vem­bro”, no dis­tri­to ur­ba­no de Ta­la­to­na (Lu­an­da), no­tou-se um mo­vi­men­to “fra­co” de cli­en­tes ou com­pra­do­res.

Uma ven­de­do­ra de ma­lha-sol, iden­ti­fi­ca­da por Fran­cis­ca Ki­a­la, con­ta que hou­ve uma bai­xa acen­tu­a­da na com­pra do ma­te­ri­al, as­sim co­mo os pre­ços ac­tu­ais não en­co­ra­jam ir à fon­te pa­ra a ob­ten­ção de mais mer­ca­do­ria des­ti­na­da a re­ven­da.

Con­tra­ri­a­men­te ao pas­sa­do, ex­pli­ca, o ne­gó­cio era o “El dou­ra­do”, ho­je é um pro­ble­ma que pro­vo­cou o des­pe­di­men­to de três jo­vens que tra­ba­lha­vam com ela.

O mes­mo ce­ná­rio, re­pe­te-se no mer­ca­do da ma­dei­ra, on­de po­de­mos ve­ri­fi­car que um va­rão de 8 me­tros que cus­ta­va 700 kz pas­sou pa­ra 1.500 . Um tu­bo de (30mm) su­biu pa­ra 3 mil con­tra me­ta­de do pre­ço an­te­ri­or, en­quan­to o in­fe­ri­or de (25mm) vai até 2 mil.

No mer­ca­do do Ki­ko­lo, mu­ni­cí­pio de Ca­cu­a­co, tam­bém vi­si­ta­do pe­la nos­sa re­por­ta­gem, de­pa­ra­mo-nos com um mo­vi­men­to de pes­so­as e vi­a­tu­ras em pou­ca es­ca­la. O ma­te­ri­al exis­te em gran­des quan­ti­da­des, mas o mo­vi­men­to de com­pra bai­xou.

Por exem­plo, Ka­tia Ra­quel, ven­de aces­só­ri­os pa­ra ca­sa de ba­nho, uma tor­nei­ra de mis­tu­ra cus­ta 10 mil kwan­zas, uma sa­ni­ta de bai­xa qua­li­da­de é ven­di­da a mais de 20 mil, mais 6 mil em re­la­ção a 5 me­ses atrás.

Do ou­tro la­do da bar­ra­ca es­tá um jo­vem co­nhe­ci­do por Lay, que ven­de elec­tro­bom­bas. O pre­ço de­pen­de da po­ten­cia de ca­da, on­de uma­de­seis­ca­va­los­cus­ta65­mil­com ou­tras a cus­ta­rem aci­ma de 100.

A nos­sa ron­da abran­geu tam­bém as lo­jas que co­mer­ci­a­li­zam ma­te­ri­al, san­cas, tin­tas, lâm­pa­das, fi­os pa­ra ins­ta­la­ção eléc­tri­ca.

Os pre­ços são ele­va­dos nas re­fe­ri­das ca­sas. Fa­dic Moham­de, pro­pri­e­tá­rio de uma de­las não con­se­gue jus­ti­fi­car o mo­ti­vo da su­bi­da.

In­ves­ti­men­tos

Uma fon­te li­ga­da a Pro­du­ção do Ci­men­to re­ve­lou que, as fá­bri­cas não al­te­ra­ram os pre­ços pra­ti­ca­dos do pro­du­to que vão de 525 à 600 kwan­zas. As ne­ces­si­da­des do mer­ca­do em ter­mos de ci­men­to es­tão ava­li­a­das em 4 mi­lhões de toneladas/ano.

Nu­ma al­tu­ra em que a subs­ti­tui­ção das im­por­ta­ções pe­la pro­du­ção na­ci­o­nal mo­bi­li­za os agen­tes pú­bli­cos e pri­va­dos que in­ter­vêm nos mais di­ver­sos sec­to­res da eco­no­mia, o Exe­cu­ti­vo an­go­la­no, atra­vés do Mi­nis­té­rio da In­dús­tria, ga­ran­tiu, re­cen­te­men­te, que há no­vos in­ves­ti­men­tos no sec­tor, que vão per­mi­tir ele­var a ca­pa­ci­da­de ins­ta­la­da de pro­du­ção de clin­quer de 4,8 mi­lhões de toneladas pa­ra 7,9 mi­lhões anu­ais.

Pa­ra ter­mi­nar de­fi­ni­ti­va­men­te a im­por­ta­ção de clin­quer no país, a pro­du­ção con­ta­rá com a con­cor­rên­cia da Ci­men­fort In­dus­tri­al e da No­va Cimangola. As du­as uni­da­des fa­bris pro­du­zi­rão cer­ca de 3,1 mi­lhões de toneladas anu­ais de clin­quer, che­gan­do aos 4,8 mi­lhões de toneladas pro­du­zi­das ac­tu­al­men­te.

Cons­ta que das cin­co uni­da­des fa­bris em fun­ci­o­na­men­to no país, ape­nas du­as pro­du­zem clin­quer. A fá­bri­ca de ci­men­to do Cuanza Sul, com ca­pa­ci­da­de pa­ra 1.330.000 toneladas de clin­quer por ano e da Chi­na In­ter­na­ci­o­nal Fund (CIF), que pro­duz 3,6.

UM SA­CO DE CI­MEN­TO DE 50 QUI­LO­GRA­MAS ES­TÁ SER VEN­DI­DO A 2.330 KWAN­ZAS

Pro­du­ção

Im­por­ta re­cor­dar que o De­cre­to Con­jun­to nº 15/14, de 15 de Ja­nei­ro, proí be a im­por­ta­ção de ci­men­to em Angola, com ex­cep­ções pa­ra três pro­vín­ci­as fron­tei­ri­ças (Ca­bin­da, Cu­ne­ne e Cu­an­do Cu­ban­go), ca­da uma com uma quo­ta de im­por­ta­ção de 150 mil toneladas.

O do­cu­men­to, pror­ro­ga­do re­cen­te­men­te pe­los mi­nis­tros da Eco­no­mia, In­dús­tria, Co­mér­cio e Cons­tru­ção, jus­ti­fi­ca a de­ci­são com os avul­ta­dos in­ves­ti­men­tos no sec­tor, fei­tos nos úl­ti­mos anos. O de­cre­to re­al­ça que a ca­pa­ci­da­de de pro­du­ção de ci­men­to ins­ta­la­da em Angola ron­da os oi­to mi­lhões de toneladas.

DR

VIGAS DA PURIFICAÇÃO | EDIÇÕES NO­VEM­BRO

Da­dos do Mi­nis­té­rio da In­dús­tria in­di­cam que a ca­pa­ci­da­de de pro­du­ção de ci­men­to ins­ta­la­da no mer­ca­do na­ci­o­nal ron­da os oi­to mi­lhões de toneladas

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.