O pre­ço da mo­no­gra­fia

Jornal de Economia & Financas - - Opinião -

Otra­ba­lho de con­clu­são do cur­so (TCC), pa­ra uns e de fim do cur­so (TFC) pa­ra ou­tros, acar­re­ta um va­lor eco­nó­mi­co mui­to gran­de pa­ra o es­tu­dan­te, o que vai se tra­du­zir no au­men­to da sua ca­pa­ci­da­de in­te­lec­tu­al.

O in­ves­ti­men­to re­a­li­za­do na cons­tru­ção des­te im­por­tan­te ins­tru­men­to de cer­ti­fi­ca­ção das ca­pa­ci­da­des de ini­ci­a­ção à in­ves­ti­ga­ção ci­en­tí­fi­ca do re­cém-for­ma­do co­me­ça com a apre­sen­ta­ção do pré-pro­jec­to, que é na ver­da­de, um con­jun­to de pá­gi­nas, on­de o as­pi­ran­te ao título de li­cen­ci­a­do pro­cu­ra es­pe­lhar a iden­ti­fi­ca­ção da ins­ti­tui­ção do en­si­no su­pe­ri­or on­de es­tá vin­cu­la­do, o te­ma pa­ra o qual se pro­põe in­ves­ti­gar, no­me e, se for uma de­fe­sa co­lec­ti­va, os de­mais in­te­gran­tes, bem co­mo o no­me do ori­en­ta­dor e co-ori­en­ta­dor ca­so ha­ja. Na ver­da­de, a sua es­tru­tu­ra di­fe­re de acor­do a área de for­ma­ção.

Às ve­zes, a inex­pe­ri­ên­cia do es­tu­dan­te é tan­ta que che­ga a re­fa­zer o pré-pro­jec­to cin­co seis ou mais ve­zes. E nes­te vai-e-vem, se con­ta­bi­li­zar­mos o in­ves­ti­men­to no tá­xi, pa­ra uns e com­bus­tí­vel pa­ra ou­tros, o pa­pel pa­ra im­pres­são, o tem­po pa­ra re­di­gir o tra­ba­lho, os ma­nu­ais con­sul­ta­dos, as con­tas são al­tas. Ain­da as­sim, va­le a pe­na apos­tar.

Pa­ra se re­a­li­zar o tra­ba­lho de ini­ci­a­ção à in­ves­ti­ga­ção ci­en­tí­fi­ca den­tro dos mar­cos da ci­ên­cia e re­du­zir as dis­cus­sões na ban­ca, pre­ci­sa­mos que se cri­em os nor­ma­ti­vos que tra­zem to­dos de­ta­lhes a ter em con­ta du­ran­te a exe­cu­ção do tra­ba­lho. Al­gu­mas ins­ti­tui­ções de en­si­no su­pe­ri­or co­mo a Me­tro­po­li­ta­na e João Pau­lo II só pa­ra ci­tar já al­can­ça­ram es­ta me­ta.

Por um la­do, as au­las de ini­ci­a­ção à me­to­do­lo­gia de in­ves­ti­ga­ção ci­en­tí­fi­ca de­vem ter co­mo fo­co os con­teú­dos de ini­ci­a­ção à me­to­do­lo­gia de in­ves­ti­ga­ção ci­en­tí­fi­ca lec­ci­o­na­dos nas ins­ti­tui­ções de en­si­no su­pe­ri­or on­de es­tão vin­cu­la­dos.

Pa­ra mim, mais do que qual­quer ou­tro con­teú­do, é pre­ci­so pri­vi­le­gi­ar o nor­ma­ti­vo da ins­ti­tui­ção, pois é o prin­ci­pal ins­tru­men­to, on­de o ju­ra­do ba­seia-se pa­ra afe­rir à qua­li­da­de da in­ves­ti­ga­ção apre­sen­ta­da pe­lo can­di­da­to.

Por ou­tro, os tra­ba­lhos que os pro­fes­so­res fo­rem ori­en­tan­do,du­ran­te o pe­río­do de li­cen­ci­a­tu­ra, de­vem ter co­mo ma­triz o nor­ma­ti­vo da ins­ti­tui­ção. O ou­tro ele­men­to não me­nos im­por­tan­te é o in­te­res­se e a ca­pa­ci­da­de in­te­lec­tu­al do pró­prio es­tu­dan­te, pe­lo que pre­ci­sa­mos de es­tu­dan­tes uni­ver­si­tá­ri­os de ju­re e de fac­to, com­pro­me­ti­dos com a cau­sa da ci­ên­cia e não me­ros “abu­tres de di­plo­mas”.

O ou­tro fac­tor con­si­de­ra­do de­ter­mi­nan­te pa­ra um tra­ba­lho de fim do cur­so e com su­ces­so é o ori­en­ta­dor. Na ver­da­de, o ori­en­ta­dor cons­ti­tui o prin­ci­pal fio con­du­tor da in­ves­ti­ga­ção. Pois é ele que de­fi­ne os li­vros que se­rão uti­li­za­dos du­ran­te a in­ves­ti­ga­ção, a es­tru­tu­ra do tra­ba­lho de fim do cur­so, bem co­mo a me­to­do­lo­gia, as téc­ni­cas de pes­qui­sa e os di­fe­ren­tes ins­tru­men­tos ne­ces­sá­ri­os pa­ra o su­ces­so da in­ves­ti­ga­ção ci­en­tí­fi­ca.

Ao ori­en­ta­dor ou “tu­tor” que em ale­mão sig­ni­fi­ca (o pai do dou­tor) são exi­gi­das com­pe­tên­ci­as com­pro­va­das em in­ves­ti­ga­ção ci­en­tí­fi­ca, ha­bi­li­da­des em in­di­car os ins­tru­men­tos ade­qua­dos à in­ves­ti­ga­ção, dis­po­ni­bi­li­da­de e dis­po­si­ção pa­ra ori­en­tar os tra­ba­lhos de fim de cur­so de li­cen­ci­a­tu­ra.

A sua elaboração exi­ge do ori­en­ta­dor e ori­en­tan­do do­mí­nio do nor­ma­ti­vo da ins­ti­tui­ção pa­ra o qual es­tão vin­cu­la­dos, a cons­tru­ção de uma es­tru­tu­ra que re­flec­te o que os en­ten­di­dos na ma­té­ria já es­cre­ve­ram so­bre o as­sun­to, o que tec­ni­ca­men­te se de­sig­na por re­fe­ren­ci­al teó­ri­co, a des­cri­ção ge­o­grá­fi­ca do cam­po da in­ves­ti­ga­ção e, por úl­ti­mo, a apre­sen­ta­ção dos re­sul­ta­dos da pes­qui­sa, pa­ra o ra­mo das ci­ên­ci­as so­ci­ais.

Du­ran­te a in­ves­ti­ga­ção ci­en­tí­fi­ca, o es­tu­dan­te in­ves­te na aqui­si­ção de no­vos li­vros que vão agu­çar a sua ca­pa­ci­da­de in­te­lec­tu­al, a im­pres­são de vá­ri­os exem­pla­res que se­rão cor­ri­gi­dos até atin­gir a qua­li­da­de ne­ces­sá­ria, tes­tar os ques­ti­o­ná­ri­os e inqué­ri­tos que, de uma ou de ou­tra for­ma, im­pli­cam cus­tos.

Os pa­ga­men­tos aos orientadores cons­ti­tu­em, igual­men­te, a ou­tra par­te de en­car­gos ine­ren­tes ao pro­ces­so de elaboração, exe­cu­ção e apre­sen­ta­ção de um tra­ba­lho de fim do cur­so.

Da­dos pos­tos a cir­cu­lar nos bas­ti­do­res in­di­cam que os pre­ços pa­ra de­po­si­tar um tra­ba­lho de fim do cur­so na se­cre­ta­ria di­fe­rem de ins­ti­tui­ção pa­ra ins­ti­tui­ção.

OS PA­GA­MEN­TOS AOS ORIENTADORES CONS­TI­TU­EM IGUAL­MEN­TE A OU­TRA PAR­TE DE EN­CAR­GOS INE­REN­TES AO PRO­CES­SO DE ELABORAÇÃO, EXE­CU­ÇÃO E APRE­SEN­TA­ÇÃO DE UM TRA­BA­LHO DE FIM DE CUR­SO

MOTA AMBRÓSIO | EDIÇÕES NO­VEM­BRO

An­dré Si­bi jor­na­lis­ta do Jor­nal de Eco­no­mia & Fi­nan­ças

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.