Ad­mi­nis­tra­ção pú­bli­ca é o ga­ran­te pa­ra trans­for­ma­ção da eco­no­mia

As ac­ções es­ta­rão mais co­or­de­na­das en­tre ins­ti­tui­ções que te­rão a in­cum­bên­cia de fa­ci­li­tar os agen­tes pri­va­dos em ver con­cre­ti­za­dos os seus pla­nos de ne­gó­ci­os

Jornal de Economia & Financas - - Capa -

Are­for­ma do pro­ce­di­men­to ad­mi­nis­tra­ti­vo vai en­vol­ver um con­jun­to de ta­re­fas, man­ten­do as prá­ti­cas ad­mi­nis­tra­ti­vas estritamente ne­ces­sá­ri­as pa­ra as­se­gu­rar a cer­te­za e a se­gu­ran­ça ju­rí­di­ca das em­pre­sas. Enu­me­ra­mos al­guns pon­tos es­sen­ci­ais, que vão re­vo­lu­ci­o­nar a ac­tu­a­ção dos en­tes pú­bli­cos. 1 - Re­for­mar os ní­veis de hi­e­rar­quia nos ser­vi­ços pú­bli­cos, as­sim co­mo os nú­me­ros de au­to­ri­za­ções ou vis­tos no pro­ce­di­men­to ad­mi­nis­tra­ti­vo, em con­so­nân­cia com me­di­das no do­mí­nio da or­ga­ni­za­ção ad­mi­nis­tra­ti­va e de ges­tão de re­cur­sos hu­ma­nos. 2 -Cri­ar um sis­te­ma de ava­li­a­ção da qua­li­da­de e da pro­du­ti­vi­da­de dos ser­vi­ços, dos res­pon­sá­veis e dos agen­tes, além da cri­a­ção de um pa­ra­dig­ma de ges­tão de re­sul­ta­dos, ou se­ja, evo­luir do ac­tu­al mo­de­lo ad­mi­nis­tra­ti­vo de con­tro­lo de pro­ce­di­men­tos pa­ra uma cul­tu­ra de ges­tão por re­sul­ta­dos. 3 - Im­ple­men­tar so­lu­ções tec­no­ló­gi­cas que vi­a­bi­li­zem um mo­de­lo de ges­tão dos ser­vi­ços pú­bli­cos virada pa­ra a ob­ten­ção de re­sul­ta­dos e não ape­nas pa­ra o con­tro­lo de pro­ce­di­men­tos pro­mo­ven­do uma ad­mi­nis­tra­ção pú­bli­ca en­tro­sa­da e ali­nha­da nos ob­jec­ti­vos, nos re­sul­ta­dos a atin­gir na uti­li­za­ção das fer­ra­men- tas, ten­do em vis­ta o au­men­to da efi­ci­ên­cia e ra­ci­o­na­li­da­de de gas­tos. 4 - Im­ple­men­tar um Sis­te­ma Fis­cal e de prestação de con­tas ade­qua­dos às ne­ces­si­da­des da ad­mi­nis­tra­ção mu­ni­ci­pal do Es­ta­do e das au­tar­qui­as lo­cais.

O PRO­GRA­MA DE GO­VER­NO 2017-2O22 PRE­VÊ ES­TI­MU­LAR A TRANS­FOR­MA­ÇÃO DA ECO­NO­MIA, DO SEC­TOR PRIVADO, DA PRO­DU­TI­VI­DA­DE E GA­RAN­TIR A COM­PE­TI­TI­VI­DA­DE

5 - Pro­mo­ver o go­ver­no in­te­li­gen­te (smart go­vern­ment) co­mo for­ma pri­vi­le­gi­a­da de prestação de ser­vi­ço aos ci­da­dãos, aos ope­ra­do­res eco­nó­mi­cos e às ins­ti­tui­ções atra­vés de con­cep­ção e im­ple­men­ta­ção de um ro­tei­ro pa­ra in­te­gra­ção de to­dos os ser­vi­ços pú­bli­cos, per­mi­tin­do a par­ti­lha de in­for­ma­ção e de re­cur­sos tec­no­ló­gi­cos (co­lo­car to­da ad­mi­nis­tra­ção pú­bli­ca em re­de e-go­ver­ment smart go­vern­ment), de mo­do a ma­xi­mi­zar a uti­li­za­ção das TIC, re­du­zir cus­tos e pro­ver me­lho­res ser­vi­ços pa­ra to­dos. 6 - Adop­tar mo­de­los fle­xí­veis e efi­ca­zes de or­ga­ni­za­ção dos ser­vi­ços pú­bli­cos lo­cais (tri­bu­nais, po­lí­cia, bom­bei­ros e con­ser­va­tó­ri­as (car­tó­ri­os no­ta­ri­ais). 7 - Re­for­mu­lar o mo­de­lo da or­ga­ni­za­ção lo­cal do Es­ta­do, usan­do co­mo cri­té­rio de de­fi­ni­ção a cri­a­ção dos ser­vi­ços fa­ce às ne­ces­si­da­des e po­ten­ci­a­li­da­des lo­cais. 8 - Re­a­va­li­ar a missão, uti­li­da­de e efi­cá­cia dos ins­ti­tu­tos pú­bli­cos e a sua ra­ci­o­na­li­za­ção. 9 - De­fi­nir e im­ple­men­tar um mo­de­lo de boa go­ver­na­ção tra- du­zi­do num re­for­ço da ca­pa­ci­da­de, qua­li­da­de, efi­cá­cia e efi­ci­ên­cia do Es­ta­do. 10 - In­cre­men­tar o pa­pel das uni­ver­si­da­des pú­bli­cas e pri­va­das ou pa­ra ins­ti­tui­ções com vo­ca­ção si­mi­lar me­di­an­te ce­le­bra­ção de con­tra­tos pro­gra­ma apoi­a­dos pe­lo Es­ta­do nas fun­ções de in­ves­ti­ga­ção ci­en­tí­fi­ca e pes­qui­sa apli­ca­da e ou­tras ac­tu­al­men­te de­sen­vol­vi­das por ins­ti­tu­tos pú­bli­cos 11 - De­fi­nir e im­ple­men­tar os pro­gra­mas di­ri­gi­dos, orientadores dos in­ves­ti­men­tos pú­bli­cos e pri­va­dos com vis­ta ao au­men­to rá­pi­do da pro­du­ção na­ci­o­nal, par­ti­cu­lar­men­te dos bens da ces­ta bá­si­ca e da­que­les que le­vem ao au­men­to das ex­por­ta­ções a cur­to pra­zo. o acom­pa­nha­men­to e ava­li­a­ção dos re­fe­ri­dos pro­gra­mas vão ser fei­tos de for­ma sim­ples, rigorosa e atem­pa­da. 12 - Re­ver e ac­tu­a­li­zar a es­tra­té­gia de De­sen­vol­vi­men­to de lon­go pra­zo “Angola 2025”, am­pli­an­do o seu ho­ri­zon­te tem­po­ral pa­ra 2050 e in­cor­po­ran­do os Ob­jec­ti­vos de De­sen­vol­vi­men­to Sus­ten­tá­vel. 13 - Im­ple­men­tar a es­tra­té­gia Na­ci­o­nal de De­sen­vol­vi­men­to da Es­ta­tís­ti­ca 2015-2025, re­a­li­zan­do, den­tre ou­tras ope­ra­ções es­ta­tís­ti­cas, o Cen­so Agro­pe­cuá­rio e de Pes­cas. 14Po­pu­la­ção- Pre­pa­rar o Cen­so Ge­ral da e Ha­bi­ta­ção de 2024, os inqué­ri­tos de De­fe­sa, Re­cei­ta e Em­pre­go e as Con­tas Na­ci­o­nais Anu­ais e Tri­mes­trais.

- Ela­bo­rar Es­tra­té­gi­as e Pla15­nos Sec­to­ri­ais de De­sen­vol­vi­men­to pa­ra os prin­ci­pais sec­to­res da eco­no­mia re­al, in­fra-es­tru­tu­ras e so­ci­ais, com ba­se nos re­sul­ta­dos do Pla­no Na­ci­o­nal de Or­de­na­men­to do Ter­ri­tó­rio Na­ci­o­nal (PNOT) de lon­go pra­zo. 16Po­pu­la­ção- Pre­pa­rar o Cen­so Ge­ral da e Ha­bi­ta­ção de 2024, os inqué­ri­tos de De­fe­sa, Re­cei­ta e Em­pre­go e as Con­tas Na­ci­o­nais Anu­ais e Tri­mes­trais.

CONTREIRAS PIPA | EDIÇÕES NO­VEM­BRO

Os pro­gra­mas di­ri­gi­dos cri­a­dos pe­lo ac­tu­al Go­ver­no vão pros­se­guir em to­do o país pa­ra ga­ran­tir o au­men­to rá­pi­do da pro­du­ção na­ci­o­nal, par­ti­cu­lar­men­te dos bens da ces­ta bá­si­ca

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.