Cor­re­tor fa­ci­li­ta pro­ces­so de in­dem­ni­za­ção com vi­a­bi­li­za­ção de pro­ces­sos em pou­cas ho­ras

O mer­ca­do an­go­la­no con­tro­la até ao mo­men­to um to­tal de 18 cor­re­to­ras de se­gu­ro ape­sar des­te nú­me­ro ser con­si­de­ra­do in­su­fi­ci­en­te e pro­va de ni­cho de ne­gó­ci­os

Jornal de Economia & Financas - - Finanças -

A cor­re­to­ra de se­gu­ros “Be­nig­no” con­se­gue em me­nos de 12 ho­ras re­sol­ver pa­ra os seus cli­en­tes o pro­ces­so bu­ro­crá­ti­co de in­dem­ni­za­ção dos si­nis­tra­dos com mai­or fa­ci­li­da­de. A re­fe­ri­da fa­ci­li­da­de é re­sul­tan­te da re­la­ção pri­vi­le­gi­a­da e de um gran­de po­der ne­go­ci­al das se­gu­ra­do­ras com os cor­re­to­res de se­gu­ros.

Se­gun­do cor­re­tor de se­gu­ros e ad­mi­nis­tra­dor da Be­nig­no Se­gu­ros, Pau­lo Ca­lun­ga, que con­ce­deu uma en­tre­vis­ta ao JE, a Be­nig­no Se­gu­ros é uma em­pre­sa de me­di­a­ção de se­gu­ros, ana­lis­ta de ris­cos e con­sul­to­ri­as e ac­tua em to­dos os pa­co­tes dis­po­ni­bi­li­za­dos pe­las 25 se­gu­ra­do­ras exis­ten­tes no país.

“O que nós fa­ze­mos é fa­ci­li­tar a vi­da do cli­en­te. O cli­en­te em vez de ir di­rec­ta­men­te à se­gu­ra­do­ra, vai ter com um cor­re­tor que es­te por sua vez agi­li­za to­do o pro­ces­so e a apó­li­ce en­con­tra o cli­en­te aon­de es­ti­ver”, in­for­mou o ad­mi­nis­tra­dor da Be­nig­no, que re­al­ça que ac­tu­al­men­te o con­su­mi­dor an­go­la­no ain­da não tem co­nhe- ci­men­to des­te di­rei­to ou ser­vi­ço.

O “pré­mio co­mer­ci­al” no­me de­sig­na­do pe­lo le­gis­la­dor de se­gu­ros, já es­tá in­cluí­do no pa­co­te do pro­du­to so­li­ci­ta­do pe­lo cli­en­te. Na ver­da­de, o to­ma­dor do se­gu­ro mes­mo sem um cor­re­tor es­tá a pa­gar a co­mis­são de cor­rec­tor. “por is­so, os nos­sos ser­vi­ços são pres­ta­dos a cus­to ze­ro”, in­for­mou.

Es­ta co­mis­são, se­gun­do o Ad­mi­nis­tra­dor, é de­fi­ni­da pe­la ARSEG(Agên­cia An­go­la­na de Re­gu­la­ção e Su­per­vi­são de Se­gu­ros). Po­rém, da­da a di­nâ­mi­ca do pró­prio sis­te­ma a per­cen­ta­gem de­pen­den­do da se­gu­ra­do­ra va­ria de 17 a 22 por cen­to.

“A título de exem­plo, a Glo­bal Se­gu­ros era a em­pre­sa que mais pa­ga­va em se­gu­ro de au­to­mó­vel, com 17, 5 por cen­to e ago­ra a Mas­ter Se­gu­ros su­pe­rou com 22.

Ac­tu­an­do há mais de um ano, a em­pre­sa tem até ao mo­men­to mais de 10o cli­en­tes.

CONTREIRAS PIPA | EDIÇÕES NO­VEM­BRO

Pau­lo Ca­lun­ga da Be­nig­no Se­gu­ros fa­lou so­bre ní­veis de res­pos­ta aos si­nis­tros

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.