Ad­mi­nis­tra­ção da in­for­ma­ção in­ter­na é re­le­van­te pa­ra o su­ces­so das em­pre­sas

O di­fe­ren­ci­al das or­ga­ni­za­ções e dos pro­fis­si­o­nais es­tá di­rec­ta­men­te li­ga­do à va­lo­ri­za­ção de con­teú­dos e os co­nhe­ci­men­tos que sur­gem dos mer­ca­dos e da bus­ca de so­lu­ções ino­va­do­ras pa­ra as cor­po­ra­ções

Jornal de Economia & Financas - - Gestão -

Ain­for­ma­ção as­su­me ac­tu­al­men­te uma im­por­tân­cia cres­cen­te, sen­do um di­fe­ren­ci­al de su­ces­so das em­pre­sas, pois o tur­bi­lhão de acon­te­ci­men­tos ex­ter­nos obri­ga as or­ga­ni­za­ções a en­fren­tar no­vas si­tu­a­ções, on­de es­ta tor­na-se fun­da­men­tal pa­ra a des­co­ber­ta e in­tro­du­ção de no­vas tec­no­lo­gi­as, bem co­mo pa­ra ex­plo­rar as opor­tu­ni­da­des de in­ves­ti­men­to.

Ela é o fa­rol ori­en­ta­dor das opor­tu­ni­da­des exis­ten­tes e si­na­li­za­do­ra das ame­a­ças a que a em­pre­sa es­tá su­jei­ta, pois ela re­duz as in­cer­te­zas du­ran­te o pro­ces­so de to­ma­da de de­ci­são e, con­se­quen­te­men­te, au­men­ta a sua qua­li­da­de.

O di­fe­ren­ci­al das em­pre­sas e dos pro­fis­si­o­nais es­tá di­rec­ta­men­te li­ga­do à va­lo­ri­za­ção que dão à in­for­ma­ção, ao co­nhe­ci­men­to e co­mo os uti­li­zam no aten­di­men­to às de­man­das do mer­ca­do e na bus­ca de so­lu­ções ino­va­do­ras, por­que es­ta au­xi­lia no pro­ces­so de­ci­só­rio. Quan­do de­vi­da­men­te es­tru­tu­ra­da é de cru­ci­al im­por­tân­cia pa­ra a em­pre­sa, pois as­so­cia os di­ver­sos sub­sis­te­mas e ca­pa­ci­ta a em­pre­sa a al­can­çar os seus ob­jec­ti­vos. Ou se­ja, os benefícios ofe­re­ci­dos pe­las de­ci­sões acer­ta­das, ba­se­a­das em in­for­ma­ções va­li­o­sas, re­pre­sen­tam o su­ces­so da em­pre­sa.

A in­for­ma­ção tor­nou-se tão im­por­tan­te que Druc­ker de­fen­de o pri­ma­do da in­for­ma­ção co­mo a ba­se e a ra­zão pa­ra um no­vo ti­po de ges­tão, em que a cur­to pra­zo se pers­pec­ti­va na tro­ca do bi­nó­mio ca­pi­tal-tra­ba­lho pe­lo bi­nó- mio in­for­ma­ção-co­nhe­ci­men­to co­mo fac­to­res de­ter­mi­nan­tes no su­ces­so em­pre­sa­ri­al. Na ac­tu­al “Era da In­for­ma­ção”, as em­pre­sas bus­cam so­lu­ções que as di­fe­ren­ci­em, que au­men­tem a sua com­pe­ti­ti­vi­da­de e pos­si­bi­li­tem as­su­mir um po­si­ci­o­na­men­to es­tra­té­gi­co, on­de de­ci­sões rá­pi­das e cor­rec­tas são fun­da­men­tais pa­ra al­can­çar bons re­sul­ta­dos.

A ges­tão mo­der­na exi­ge que a to­ma­da de de­ci­são se­ja fei­ta com o má­xi­mo de in­for­ma­ção e co­nhe­ci­men­to, que são a cha­ve da pro­du­ti­vi­da­de e da com­pe­ti­ti­vi­da­de.

Por­tan­to, o au­men­to da in­ten­si­da­de da con­cor­rên­cia e da com­ple­xi­da­de do seg­men­to em­pre­sa­ri­al faz sen­tir a ne­ces­si­da­de de ob­ter os me­lho­res re­cur­sos do que os dos seus con­cor­ren­tes, de ino­var e op­ti­mi­zar a sua uti­li­za­ção. As­sim, o aces­so à in­for­ma­ção e a ca­pa­ci­da­de de de­la ex­trair e apli­car os co­nhe­ci­men­tos é vi­tal pa­ra o au­men­to da ca­pa­ci­da­de con­cor­ren­ci­al e o de­sen­vol­vi­men­to das ac­ti­vi­da­des co­mer­ci­ais num mer­ca­do sem fron­tei­ras, pois o pro­pó­si­to bá­si­co da in­for­ma­ção é jus­ta­men­te es­se, pro­por­ci­o­nar um uso efi­caz e efi­ci­en­te dos re­cur­sos dis­po­ní­veis, ma­xi­mi­zan­do os re­sul­ta­dos ob­ti­dos e, por­tan­to, de­fi­nin­do o fu­tu­ro da or­ga­ni­za­ção.

Com o de­sen­vol­vi­men­to tec­no­ló­gi­co e a ne­ces­si­da­de da em­pre­sa bus­car o cres­ci­men­to cons­tan­te­men­te, on­de o fo­co é a bus­ca in­ces­san­te pe­la in­for­ma­ção. A or­ga­ni­za­ção pas­sou a ter a in­ter­net ou as re­des de com­pu­ta­do­res co­mo o seu mai­or ali­a­do pa­ra a so­bre­vi­vên­cia nes­te mer­ca­do com- pe­ti­ti­vo. Com o au­ge da com­pe­ti­ti­vi­da­de, a in­for­ma­ção pas­sou a ter um va­lor mai­or re­pre­sen­tan­do as­sim benefícios pa­ra a or­ga­ni­za­ção.

A in­for­ma­ção é um bem que tem al­to va­lor pa­ra a em­pre­sa, mas es­te bem só po­de­rá ser uti­li­za­do se for de­vi­da­men­te pro­te­gi­do. A in­for­ma­ção pro­te­gi­da pro­por­ci­o­na a or­ga­ni­za­ção to­mar de­ci­sões pre­ci­sas pa­ra os seus ne­gó­ci­os. Ac­tu­al­men­te, com a gran­de con­cor­rên­cia exis­ten­te no mer­ca­do, mais do que nun­ca, o mer­ca­do to­tal­men­te glo­ba­li­za­do é ne­ces­sá­rio ter uma in­for­ma­ção sem­pre man­ti­da em si­gi­lo nos mei­os em­pre­sa­ri­ais.

Ca­da em­pre­sa man­tém a sua in­for­ma­ção co­mo um meio de ga­nhar ou so­mar pon­tos pe­ran­te a uma con­cor­rên­cia que o mer­ca­do às im­põe. Es­ta in­for­ma­ção, que é um co­nhe­ci­men­to que a or­ga­ni­za­ção ad­qui­re atra­vés de um pro­ces­sa­men­to de um con­jun­to de da­dos, tam­bém é a prin­ci­pal fer­ra­men­ta ad­qui­ri­da que dis­põe de um gran­de va­lor de mer­ca­do.

Com to­da es­sa im­por­tân­cia, a vas­ta quan­ti­da­de de in­for­ma­ção fez com que as em­pre­sas se tor­nas­sem mais de­pen­den­tes do pro­ces­so tec­no­ló­gi­co, bus­can­do na in­for­má­ti­ca a de­pen­dên­cia de di­ver­sos ser­vi­ços. Es­sa cor­ri­da pa­ra cum­prir as ne­ces­si­da­des fez com que as pre­o­cu­pa­ções e os de­vi­dos cui­da­dos com uma es­tru­tu­ra de se­gu­ran­ça não fos­sem se­gui­dos, vis­to que a vul­ne­ra­bi­li­da­de, o des­co­nhe­ci­men­to ou a má prá­ti­ca de nor­mas de se­gu­ran­ça ain­da es­tão pre­sen­tes nos di­as de ho­je.

DR

Pe­ter Druc­ker de­fen­de o pri­ma­do da in­for­ma­ção co­mo a ba­se e a ra­zão pa­ra um no­vo ti­po de ges­tão mais efi­ci­en­te

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.