Te­a­tris­tas que­rem mai­or união

A in­dus­tri­a­li­za­ção e atrac­ção de in­ves­ti­men­tos pa­ra a ren­ta­bi­li­za­ção do te­a­tro le­vou ac­to­res e dra­ma­tur­gos pa­ra uma me­sa re­don­da re­a­li­za­da em Lu­an­da

Jornal de Economia & Financas - - Lazer -

Os fa­ze­do­res de te­a­tro de­fen­de­ram es­ta se­ma­na, em Lu­an­da, mai­or or­ga­ni­za­ção na clas­se, com vis­ta à atrac­ção de in­ves­ti­men­tos e a ren­ta­bi­li­za­ção das ar­tes cê­ni­cas no país.

Es­ta pre­ten­são foi de­mons­tra­da du­ran­te uma me­sa re­don­da so­bre “In­dus­tri­a­li­za­ção do te­a­tro”, re­a­li­za­da no Cen­tro Cul­tu­ral Por­tu­guês, na qual o ac­tor Val­da­no Lu­pu­za­na re­co­nhe­ceu ha­ver de­sor­ga­ni­za­ção dos gru­pos em Lu­an­da, apon­tan­do es­ta si­tu­a­ção co­mo ele­men­to de­ses­ta­bi­li­za­dor da clas­se.

O ac­tor ape­lou pa­ra mai­or união en­tre os gru­pos e o en­con­tro per­ma­nen­te pa­ra tro­ca de ex­pe­ri­ên­ci­as no sen­ti­do de ha­ver sin­to­nia na clas­se e lu­tar-se por ob­jec­ti­vos co­muns.

Por seu la­do, o ac­tor Da­vid Can­ga con­si­de­rou im­por­tan­te que os gru­pos apos­tem mais na for­ma­ção no sen­ti­do de apre­sen­ta­rem obras com mai­or qua­li­da­de.

Se­gun­do ele, só ha­ve­rá in­dus­tri­a­li­za­ção do te­a­tro quan­do ha­ver no mí­ni­mo 100 gru­pos a exi­bi­rem pe­ças que en­cham as sa­las to­das as se­ma­nas.

Pa­ra Jo­sé Lu­man­go, é pre­ci­so mai­or in­ves­ti­men­to do Mi­nis­té­rio da Cul­tu­ra na cons­tru­ção de es­pa­ços nos mu­ni­cí­pi­os pa­ra que ha­ja mai­or cres­ci­men­to do sec­tor e o in­ves­ti­men­to in­dus­tri­al.

De acor­do com Or­lan­do Do­min­gos, só ha­ve­rá mai­o­res apoio quan­do o te­a­tro mos­trar à clas­se em­pre­sa­ri­al que é uma ac­ti­vi­da­de que dá al­gum re­tor­no fi­nan­cei­ro.

“Não se po­de fa­lar de cul­tu­ra em Angola sem in­cluir o te­a­tro, sen­do es­ta uma das me­lho­res for­mas de ma­ni­fes­ta­ção cul­tu­ral e re­pre­sen­ta­ti­va em Angola”, su­bli­nhou.

O en­con­tro con­tou com ac­to­res, dra­ma­tur­gos e en­ce­na­do­res de vá­ri­os gru­pos de Lu­an­da.

SAN­TOS PE­DRO | EDIÇÕES NO­VEM­BRO

Cres­ci­men­to do sec­tor de­pen­de da or­ga­ni­za­ção dos gru­pos te­a­trais e da tro­ca de ex­pe­ri­ên­ci­as que visam ob­jec­ti­vos co­muns

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.