Re­a­li­za­ções con­se­gui­das

Jornal de Economia & Financas - - Opinião -

É co­mum di­zer-se que o ní­vel de de­sen­vol­vi­men­to e cres­ci­men­to de um país po­de ser me­di­do pe­la quan­ti­da­de e qua­li­da­de das su­as in­fra-es­tru­tu­ras. Es­tra­das, ca­mi­nhos-de-fer­ro, re­de viá­ria, in­fra-es­tru­tu­ras so­ci­ais en­tre ou­tras são de fac­to um ba­ró­me­tro pa­ra afe­rir quão de­sen­vol­vi­do é um de­ter­mi­na­do país.

Em An­go­la, uma das gran­des apos­tas do Exe­cu­ti­vo re­si­de exac­ta­men­te na cons­tru­ção e me­lho­ra­men­to das alu­di­das in­fra-es­tru­tu­ras. O pla­no de de­sen­vol­vi­men­to do sec­tor da Cons­tru­ção faz pro­va des­sa in­ten­ção e von­ta­de. Tan­to é as­sim que nos úl­ti­mos anos o país viu ser exe­cu­ta­do to­do um con­jun­to de obras que vi­e­ram con­fe­rir mai­or dig­ni­da­de e con­for­to aos an­go­la­nos das mais va­ri­a­das pro­vín­ci­as. Es­co­las, hos­pi­tais, es­tra­das, pon­tes, bar­ra­gens, es­ta­ções e li­nhas fer­ro­viá­ri­as, ter­mi­nais ae­ro­náu­ti­cos, são en­tre ou­tras al­gu­mas das re­a­li­za­ções con­se­gui­das. O ca­mi­nho é lon­go e mui­tas ou­tras ac­ções se­rão com cer­te­za le­va­das a ca­bo pe­lo Exe­cu­ti­vo an­go­la­no com a pres­ti­mo­sa par­ti­ci­pa­ção do sec­tor em­pre­sa­ri­al pri­va­do.

A cri­se eco­nó­mi­ca que o país vi­ve pro­vo­ca­da pe­la que­da abrup­ta do pre­ço do pe­tró­leo nos mer­ca­dos mun­di­ais, re­du­ziu a ca­pa­ci­da­de de in­ves­ti­men­to do Go­ver­no. Vá­ri­os pro­jec­tos so­fre­ram pa­ra­li­sa­ção fru­to des­sa re­du­ção da ca­pa­ci­da­de. En­tre­tan­to es­for­ços es­tão a ser en­vi­da­dos no sen­ti­do de ra­pi­da­men­te se in­ver­ter o qua­dro e dar se­gui­men­to aos pro­jec­tos que vi­sam a me­lho­ria das con­di­ções de ha­bi­ta­bi­li­da­de, lo­co­mo­ção e con­for­to dos ci­da­dãos.

En­tre­tan­to o país re­gis­tou com de­sa­gra­do ac­tos de de­so­nes­ti­da­de pra­ti­ca­dos por par­cei­ros se­lec­ci­o­na­dos pa­ra a exe­cu­ção de de­ter­mi­na­das obras, con­subs­tan­ci­a­dos na não ob­ser­vân­cia dos re­qui­si­tos e con­di­ções pré-es­ta­be­le­ci­das em re­la­ção à qua­li­da­de e du­ra­bi­li­da­de dos pro­jec­tos exe­cu­ta­dos. Aten­to ao fac­to e ci­en­te da ne­ces­si­da­de de se in­ver­ter o qua­dro, con­fe­rin­do des­sa for­ma mai­or cre­di­bi­li­da­de e con­fi­a­bi­li­da­de aos or­ga­nis­mos de­ci­so­res, o pe­lou­ro do sec­tor da cons­tru­ção adop­tou uma sé­rie de me­di­das que vão per­mi­tir uma fiscalização e acom­pa­nha­men­to mais pró­xi­mo e efi­caz aos exe­cu­to­res das em­prei­ta­das a exe­cu­tar. A po­pu­la­ção é cha­ma­da a de­nun­ci­ar prá­ti­cas sus­cep­tí­veis de se­rem vis­tas co­mo inap­tas e de fe­rir nor­mas e pro­ce­di­men­tos.

Na for­te in­ten­ção de exer­cer uma go­ver­na­ção de pro­xi­mi­da­de, o exe­cu­ti­vo vai re­a­li­zar de for­ma re­gu­lar en­con­tros que con­ta­rão com a par­ti­ci­pa­ção de agen­tes da so­ci­e­da­de ci­vil, em­prei­tei­ros, en­ge­nhei­ros, es­pe­ci­a­lis­tas, en­tre ou­tros, pa­ra em con­jun­to di­ag­nos­ti­car o sec­tor, en­con­trar ca­mi­nhos e de­fi­nir ac­ções que aten­dam o bem co­mum.

Ou­tra gran­de pre­o­cu­pa­ção diz res­pei­to aos ma­te­ri­ais de cons­tru­ção. O em­pre­sa­ri­a­do é cha­ma­do a in­ves­tir no sec­tor, com a ins­ta­la­ção de in­dús­tri­as vol­ta­das à fa­bri­ca­ção de ma­te­ri­ais que sir­vam a cons­tru­ção ci­vil e obras pú­bli­cas. Ce­râ­mi­cas, ci­men­tei­ras, si­de­rur­gi­as, car­pin­ta­ri­as en­tre ou­tras, são in­dús­tri­as ne­ces­sá­ri­as e im­por­tan­tes que con­cor­re­rão pa­ra a re­du­ção dos cus­tos de cons­tru­ção e es­tí­mu­lo aos in­ves­ti­do­res imo­bi­liá­ri­os, im­por­tan­tes fac­to­res pa­ra o gran­de sal­to que se pre­ten­de no sec­tor.

O EM­PRE­SA­RI­A­DO É CHA­MA­DO A IN­VES­TIR NO SEC­TOR, COM A INS­TA­LA­ÇÃO DE IN­DÚS­TRI­AS VOL­TA­DAS À FA­BRI­CA­ÇÃO DE MA­TE­RI­AIS QUE SIR­VAM A CONS­TRU­ÇÃO CI­VIL E OBRAS PÚ­BLI­CAS.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.