Sis­te­ma mo­ne­tá­rio

Jornal de Economia & Financas - - Opinião - Ma­nu­e­la dos San­tos Con­ta­bi­lis­ta e do­cen­te uni­ver­si­tá­ria

Desde os tem­pos mais re­mo­tos que o ho­mem não usu­fruía dos re­sul­ta­dos oriun­dos da sua ac­ti­vi­da­de la­bo­ral exer­ci­da so­bre a na­tu­re­za. Com o de­cor­rer do tem­po, al­guns se­res hu­ma­nos se mos­tra­ram mais efi­ci­en­tes e con­se­quen­te­men­te surgiram os ex­ce­den­tes, daí a ne­ces­si­da­de do in­ter­câm­bio.

En­tre­tan­to, o apro­fun­da­men­to da di­vi­são do tra­ba­lho humano, re­sul­tou, pro­gres­si­va­men­te, na se­pa­ra­ção en­tre pro­du­ção e con­su­mo. A pro­du­ção pas­sou a des­ti­nar-se pri­mei­ra­men­te à tro­ca e à ven­da em mer­ca­do.

Com is­so cresce a fun­ção da mo­e­da, que de me­ra re­fe­rên­cia pas­sa a meio de pa­ga­men­to na efec­ti­va­ção das tro­cas e, por­tan­to, re­quer novas qua­li­da­des, ho­mo­ge­nei­da­de, di­vi­si­bi­li­da­de, fa­ci­li­da­de em trans­por­tar, com­ple­xi­da­de na fal­si­fi­ca­ção e a sua ca­rac­te­rís­ti­ca mais im­por­tan­te na vi­da eco­nó­mi­ca que é a pre­ser­va­ção do va­lor à par­tir da es­ta­ca­gem, per­mi­tin­do o seu uso no tem­po de acor­do com as ne­ces­si­da­des ou pla­nos há lon­go pra­zo .

Co­mo meio de tro­ca, a mo­e­da per­mi­te que ca­da in­di­vi­duo se es­pe­ci­a­li­ze na pro­du­ção em que for mais ca­paz, ao con­trá­rio, a tran­sac­ção iria exi­gir uma du­pla coin­ci­dên­cia de de­se­jos en­tre os in­di­ví­du­os que pre­ten­des­sem tro­car mer­ca­do­ri­as en­tre si.

Con­si­de­ran­do a sua a fun­ção de reserva de va­lor, o in­di­ví­duo que re­ce­be uma mo­e­da não te­rá a ne­ces­si­da­de de a gas­tar de ime­di­a­to, po­den­do fa­zer uma poupança para uso fu­tu­ro.

Mo­der­na­men­te, os re­cur­sos mo­ne­tá­ri­os so­bre os quais ope­ram as eco­no­mi­as com­pre­en­dem a mo­e­da ma­nu­al de papel e ou me­tá­li­ca e a mo­e­da es­cri­tu­ral re­pre­sen­ta­da pe­los de­pó­si­tos à vis­ta no sis­te­ma ban­cá­rio.

A evo­lu­ção do sis­te­ma, con­duz ao sur­gi­men­to de ope­ra­ções em que não mais se dão si­mul­ta­ne­a­men­te a ven­da de mer­ca­do­ria e o res­pec­ti­vo pa­ga­men­to em es­pé­cie.

O re­fe­ri­do des­con­for­to en­tre o flu­xo real e o flu­xo fi­nan­cei­ro, ocor­re por di­fe­ren­tes fac­to­res, a glo­ba­li­za­ção ge­ran­do a se­pa­ra­ção não ape­nas es­pa­ci­al, mas tem­po­ral, de com­pra­do­res e ven­de­do­res.

A so­lu­ção cor­ren­te­men­te adop­ta­da para es­se pro­ble­ma é o re­cur­so a ins­tru­men­tos de tro­ca, me­di­an­te os quais, cer­tos agen­tes se dis­põem a ce­der, de ime­di­a­to de­ter­mi­na­dos bens eco­nó­mi­cos, ob­ten­do desde lo­go, pro­mes­sas de tí­tu­los de tro­ca.

As mo­e­das di­fe­rem dos tí­tu­los de cré­di­to na me­di­da em que es­tes úl­ti­mos têm o seu ven­ci­men­to, pré-es­ta­be­le­ci­do quan­to a da­ta e, ain­da, sub­me­ti­do ao real cum­pri­men­to, pe­lo de­ve­dor, não po­den­do por­tan­to pre­en­cher as fun­ções de meio de pa­ga­men­to.

Por­tan­to temos ago­ra os dois ins­tru­men­tos que acom­pa­nham a to­ta­li­da­de das tro­cas que se efec­ti­vam no sis­te­ma em fun­ci­o­na­men­to, os mei­os de pa­ga­men­to e os tí­tu­los de cré­di­to.

Por ou­tro la­do, diz-se que os ban­cos não ul­tra­pas­sam a fun­ção pas­si­va de cus­tó­dia de valores e mo­e­da. Su­ces­si­va­men­te, ve­ri­fi­ca­ram-se dois fe­nó­me­nos que aca­ba­ram por in­se­rir as instituições ban­cá­ri­as nas ac­ti­vi­da­des pro­du­ti­vas do sis­te­ma eco­nó­mi­co.

Os do­cu­men­tos de com­pro­va­ção de de­pó­si­tos pas­sam a ser uti­li­za­dos nas tran­sac­ções co­mer­ci­ais em subs­ti­tui­ção ao em­pre­go de valores mo­ne­tá­ri­os.

Os to­ma­do­res de de­pó­si­to aper­ce­be­ram-se que a co­mu­ni­da­de não lhes exi­gia mais do que uma frac­ção da­qui­lo que pro­te­gi­am e por­tan­to, po­de­ri­am apli­car em ope­ra­ções co­mer­ci­ais, in­dus­tri­ais e ou­tras, gran­de par­te do que lhes ha­via si­do con­fi­a­do.

Os mei­os de pa­ga­men­to em cir­cu­la­ção pas­sa­ram a ser su­pe­ri­o­res às re­ser­vas de ou­ro exis­ten­tes. A par­tir de 1920, o pa­drão-ou­ro foi aban­do­na­do por to­dos os paí­ses.

Desde en­tão o que ga­ran­te a mo­e­da e a faz ser acei­te por to­dos é a lei, po­rém, cos­tu­ma-se de­no­mi­nar es­te papel-mo­e­da de mo­e­da de curso for­ça­do.

Em con­sequên­cia ve­mos que a ba­se é cons­ti­tuí­da de mo­e­da ma­nu­al, o sis­te­ma de ban­cos co­mer­ci­ais ex­pan­de o mon­tan­te glo­bal de mei­os de pa­ga­men­to da co­mu­ni­da­de, me­di­an­te a cri­a­ção da mo­e­da es­cri­tu­ral.

Co­mo so­men­te uma par­ce­la de de­pó­si­to é re­que­ri­da para pa­ga­men­to pois gran­de par­te é fei­ta por che­ques, o banco po­de fa­zer pro­mes­sas de pa­gar aci­ma do que ele dis­põe con­si­go em de­pó­si­to ou reserva e des­ta for­ma, cri­ar mo­e­da ou meio de pa­ga­men­to, apesar de não poder emi­tir papel-mo­e­da ou cu­nhar mo­e­da me­tá­li­ca.

AS MO­E­DAS DI­FE­REM DOS TÍ­TU­LOS DE CRÉ­DI­TO NA ME­DI­DA EM QUE ES­TES ÚL­TI­MOS TÊM O SEU VEN­CI­MEN­TO, PRÉ-ES­TA­BE­LE­CI­DO QUAN­TO A DA­TA

AR­QUI­VO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.