Construção em rit­mo len­to pe­los ma­te­ri­ais e cus­tos

O ac­tu­al con­tex­to ma­cro ec0­nó­mi­co es­tá a obri­gar um de­sem­pe­nho mais pro­fí­cuo para res­pon­der os de­sa­fi­os nu­ma al­tu­ra em que vá­ri­os ope­ra­do­res de­fen­dem uma re­es­tru­tu­ra­ção do sec­tor com vis­ta ao seu cres­ci­men­to

Jornal de Economia & Financas - - Capa - Adé­ri­to Ve­lo­so

Opro­ces­so de re­es­tru­tu­ra­ção em curso, no sec­tor da construção ci­vil, de­pois de ter vi­vi­do mo­men­tos me­nos bons, re­sul­tan­te do ac­tu­al con­tex­to ma­cro eco­nó­mi­co, po­de­rá con­tri­buir para que o país vol­te ao “bo­om” eco­nó­mi­co.

Ac­tu­al­men­te, o mer­ca­do apre­sen­ta inú­me­ros pro­ble­mas, com as obras em gran­de par­te pa­ra­li­sa­das, tan­to as pri­va­das, quan­to as pú­bli­cas, muito tam­bém por cul­pa do “aba­lo” que se re­gis­tou, nos úl­ti­mos me­ses, com a su­bi­da ver­ti­gi­no­sa do pre­ço do ci­men­to, um dos prin­ci­pais produtos para a construção ci­vil.

Até 2016, por exem­plo, a pro­du­ção ins­ta­la­da de oi­to mi­lhões e 30 mil to­ne­la­das/ano, a in­dús­tria ci­men­tei­ra na­ci­o­nal dis­pu­nha de um ex­ce­den­te de dois mi­lhões e trin­ta mil to­ne­la­das anu­ais, quan­ti­da­des que eram ex­por­ta­das para ou­tros mer­ca­dos, prin­ci­pal­men­te na Re­pú­bli­ca De­mo­crá­ti­ca do Con­go.

Es­tra­té­gia para o sec­tor

Na sua es­tra­té­gia, o Mi­nis­té­rio da Construção e Obras Pú­bli­cas pre­ten­de “res­ga­tar” a sua res­pon­sa­bi­li­da­de de re­gu­lar a ac­ti­vi­da­de de en­ge­nha­ria e construção em to­do o ter­ri­tó­rio na­ci­o­nal.

Para is­so foi já apro­va­do, através do De­cre­to Pre­si­den­ci­al 258/17 de 27 de Ou­tu­bro, um Pla­no In­ter­ca­lar que es­ta­be­le­ce, en­tre ou­tras ac­ções para o sec­tor, po­ten­ci­ar o La­bo­ra­tó­rio de En­ge­nha­ria de An­go­la, no sen­ti­do de cri­ar ca­pa­ci­da­des téc­ni­cas ime­di­a­tas para a cer­ti­fi­ca­ção das obras pú­bli­cas vi­san­do assegurar me­lhor o ní­vel de qua­li­da­de e se­gu­ran­ça.

Por ou­tro la­do, es­tá em for­ja trans­for­mar a Em­pre­sa Na­ci­o­nal de Es­tu­dos e Pro­jec­tos (ENEP), em Ins­ti­tu­to Na­ci­o­nal de Obras Pú­bli­cas, que se­rá in­ves­ti­do de competências e au­to­ri­da­de vi­san­do nor­ma­li­zar, re­gu­la­men­tar e su­per­vi­si­o­nar a qua­li­da­de e cri­té­ri­os dos pro­jec­tos, bem co­mo, as téc­ni­cas de exe­cu­ção das obras de construção ci­vil.

O Pla­no In­ter­ca­lar es­ta­be­le­ce tam­bém a ne­ces­si­da­de de se ca­das­trar os edi­fí­ci­os do país vi­san­do re­gis­tar o seu es­ta­do de de­gra­da­ção (em co­la­bo­ra­ção com os go­ver­nos pro­vin­ci­ais).

No âm­bi­to das es­tra­das, o pro- jec­to irá dar um gran­de destaque na des­cen­tra­li­za­ção dos ser­vi­ços de con­ser­va­ção e ma­nu­ten­ção das se­cun­dá­ri­as e a construção, con­ser­va­ção e ma­nu­ten­ção das ter­ciá­ri­as, para a res­pon­sa­bi­li­da­de das pro­vín­ci­as e mu­ni­cí­pi­os, para a sua in­ter­ven­ção se­ja opor­tu­na e dentro da re­a­li­da­de e ne­ces­si­da­de lo­cal.

As li­nhas de for­ça do sec­tor da Construção con­tam ain­da com al­guns ei­xos fun­da­men­tais, no­me­a­da­men­te a sua re­es­tru­tu­ra­ção, reforço das ca­pa­ci­da­des ins­ti­tu­ci­o­nais, re­gu­la­ção do sec­tor das Obras Pú­bli­cas, co­o­pe­ra­ção ins­ti­tu­ci­o­nal e go­ver­na­ção par­ti­ci­pa­ti­va.

O pla­no de re­es­tru­tu­ra­ção do sec­tor da Construção e Obras Pú­bli­cas con­tem­pla a eli­mi­na­ção do ex­ces­so de bu­ro­cra­cia nos ór­gãos e ser­vi­ços tu­te­la­dos com vis­ta a tor­nar mais cé­le­re e efi­ci­en­te o aten­di­men­to do ci­da­dão, dos em­pre­sá­ri­os e ou­tros usuá­ri­os dos ser­vi­ços do sec­tor, con­tri­buin­do para o au­men­to da pro­du­ti­vi­da­de dos ser­vi­ços.

Em co­la­bo­ra­ção com a in­dús­tria na­ci­o­nal, des­ta­ca um do­cu­men­to do Mi­nis­té­rio da Construção que o JE teve aces­so, de­ve-se in­cen­ti­var a pro­du­ção de ma­te­ri­ais de construção de origem na­ci­o­nal vi­san­do a re­du­ção de im­por­ta­ções e dos cus­tos de construção.

“Dinamização da in­dús­tria na­ci­o­nal de pro­du­ção de ma­te­ri­ais de construção, re­du­ção de cus­tos e sus­ten­ta­bi­li­da­de da exe­cu­ção dos pro­jec­tos de construção ci­vil e obras pú­bli­cas e fo­men­to do em­pre­go no sec­tor”, su­bli­nha.

Re­for­çar a economia

No qua­dro da im­ple­men­ta­ção do Pla­no Na­ci­o­nal de De­sen­vol­vi­men­to, à mé­dio, cur­to e lon­go pra­zo “An­go­la-2025”, foi gi­za­do e apro­va­do um cro­no­gra­ma de ac­ções que têm co­mo pri­o­ri­da­de con­ti­nu­ar a pro­pi­ci­ar ao país de in­fra-es­tru­tu­ras que se ade­quam ao de­sen­vol­vi­men­to so­ci­o­e­co­nó­mi­co, re­cor­ren­do tam­bém aos in­ves­ti­men­tos pri­va­dos.

O sec­tor da Construção pre­vê con­ti­nu­ar a ter um pe­so sig­ni­fi- ca­ti­vo no pro­du­to in­ter­no bru­to, sen­do que, por exem­plo, em 2014, cor­res­pon­deu a 9,4 por cen­to do PIB to­tal do país.

Da­dos in­di­cam que de 1992 até 2015, fo­ram apli­ca­dos in­ves­ti­men­tos no sec­tor, na or­dem de 2,5 mil mi­lhões de dó­la­res ame­ri­ca­nos e es­ti­ma-se que es­te­jam a tra­ba­lhar no sec­tor cer­ca de 1.000.000 de pes­so­as em ge­ral, nas obras pú­bli­cas e pri­va­das, en­qua­dra­dos nas pe­que­nas, mi­cro em­pre­sas bem co­mo do sec­tor in­for­mal. Des­tes tra­ba­lha­do­res cer­ca de 99 por cen­to são an­go­la­nos.

Re­de de es­tra­das

Sen­do os “va­sos san­guí­ne­os da economia”, as es­tra­das têm me­re­ci­do uma aten­ção especial por par­te do Go­ver­no an­go­la­no, sen­do que cer­ca de 76 mil qui­ló­me­tros de ex­ten­são que com­põe a re­de na­ci­o­nal, sen­do es­tra­das pri­má­ri­as as­fal­ta­das num to­tal de 12.300, cer­ca de 27.200 da re­de se­cun­dá­ria e 36.500 cor­res­pon­dem a re­de ter­ciá­ria, se­gun­do da­dos avan­ça­dos em 2015.

MARIA AUGUSTA | EDI­ÇÕES NO­VEM­BRO

Me­lho­rar a qua­li­da­de das obras e assegurar a res­pec­ti­va cer­ti­fi­ca­ção vai garantir mais se­gu­ran­ça e du­ra­bi­li­da­de

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.