Ma­lan­je ca­re­ce de fábricas para res­pon­der pro­cu­ra

Apesar da li­gei­ra di­mi­nui­ção nos pre­ços dos ma­te­ri­ais de construção o mer­ca­do lo­cal ain­da es­tá a res­sen­tir os efei­tos da crise no sec­tor

Jornal de Economia & Financas - - Capa - Luí­sa Vic­to­ri­a­no em Ma­lan­je

Os pre­ços dos prin­ci­pais ma­te­ri­ais de construção co­mer­ci­a­li­za­dos em di­ver­sos es­ta­be­le­ci­men­tos e mer­ca­dos in­for­mais na pro­vín­cia de Ma­lan­je, re­gis­ta­ram li­gei­ra di­mi­nui­ção, fac­to que ain­da con­ti­nua a di­fi­cul­tar muitos ci­da­dãos re­a­li­za­rem o so­nho da casa pró­pria.

Nu­ma re­por­ta­gem efec­tu­a­da pe­lo JE, em vá­ri­os es­ta­be­le­ci­men­tos co­mer­ci­ais e mer­ca­dos in­for­mais, apu­rou-se que o sa­co de ci­men­to re­du­ziu de 3.300 kwan­zas para 2.400, de­vi­do a re­to­ma­da da pro­du­ção das fábricas de Lu­an­da e do Cu­an­za Sul.

O pre­ço da cha­pa de zin­co de seis me­tros que cus­ta­va 7.500 kwan­zas, ago­ra custa 5.500, en­quan­to que o pre­ço de blo­co va­ria en­tre 110 a 125 kwan­zas, a bar­ra de ferro de 25/25 que era co­mer­ci­a­li­za­da a 3.500 kwan­zas, es­tá a ser ven­di­da ac­tu­al­men­te a 3 mil, ao pas­so que as can­to­nei­ras va­ri­am de 2.350 a 18 mil kwan­zas.

A car­ra­da de sar­ris­ca que cus­ta­va 75 mil kwan­za es­tá a ser ven­di­da a 70 mil, en­quan­to que uma car­ra­da de pe­dras es­tá ac­tu­al­men­te a 60 mil kwan­zas con­tra 70 mil.

Re­la­ti­va­men­te ao bal­de de tin­ta de 20 li­tros que era vendido a 10 mil kwan­zas ac­tu­al­men­te custa 6.500, ao pas­so que a cai­xa de mo­sai­co es­tá a 3.500 kwan­zas, con­tra 8.500.

O res­pon­sá­vel do ar­ma­zém de ven­da de ma­te­ri­al de construção “Ma­za­rat”, Er­nes­to Ru­fi­no, dis­se que os pre­ços pra­ti­ca­dos an­tes e de­vem-se a es­cas­sez de di­vi­sas no país.

Já o pro­pri­e­tá­rio da cai­xi­lha­ria “Dio e Silva LDA” (vi­dra­ria, pres­ta­ção de ser­vi­ço, im­por­ta­ção e ex­por­ta­ção), Di­o­go André, dis­se que o pre­ço ac­tu­al do ma­te­ri­al de construção, con­tri­buiu para a pa­ra­li­sa­ção de mui­tas obras de construção ci­vil, a ní­vel da pro­vín­cia de Ma­lan­je.

Acres­cen­tou que muito dos em­prei­tei­ros ti­ve­ram que pa­ra­li­sar as su­as obras por te­rem fi­ca­do sem poder fi­nan­cei­ro para ad­qui­rir o ma­te­ri­al, de­vi­do aos pre­ços al­tos pra­ti­ca­dos.

João Ma­nu­el ven­de ci­men­to há dois anos, no bair­ro Can­gam­bo. Re­fe­riu que o pre­ço bai­xou de 3.300 para 2. 400 kwan­zas. Se­gun­do apon­tou, apesar dis­so, o nú­me­ro de cli­en­tes bai­xou con­si­de­ra­vel­men­te.

An­tes da crise ven­dia cer­ca de 300 sa­cos por dia, mas ago­ra a ci­fra tem si­do ape­nas de 50 sa­cos.

“Que­re­mos que o Go­ver­no pos­sa fa­zer des­cer o pre­ço de ci­men­to, para per­mi­tir que os ci­da­dãos con­ti­nu­em a de­sen­vol­ver as su­as obras a ní­vel da nos­sa pro­vín­cia de Ma­lan­je”, au­gu­rou.

Ci­da­dões re­cla­mam

O ci­da­dão António Do­min­gos dis­se que mes­mo com a li­gei­ra re­du­ção dos pre­ços de ma­te­ri­al de construção, re­gis­ta­dos na pro­vín­cia de Ma­lan­je, nos úl­ti­mos di­as, muitos em­prei­tei­ros e ou­tros ci­da­dãos não con­se­gui­ram ver re­a­li­za­do o so­nho da casa pró­pria.

Re­ve­lou que o ac­tu­al pre­ço pra­ti­ca­do em vá­ri­os es­ta­be­le­ci­men­tos co­mer­ci­ais estão a “des­mo­ra­li­zar os ci­da­dãos que que­rem ver re­a­li­za­dos os seus ob­jec­ti­vos, que é o de cons­truir a sua pró­pria re­si­dên­cia”.

Afon­so Bernardo, fun­ci­o­ná­rio pú­bli­co, ad­mi­tiu que desde a su­bi­da do pre­ço do ma­te­ri­al de construção não es­tá fá­cil cons­truir, de­vi­do as con­di­ções fi­nan­cei­ras que o país vi­ve.

“Os ele­va­dos pre­ços estão a cri­ar di­ver­sos cons­tran­gi­men­tos ao ci­da­dão, adi­an­do os pro­jec­tos ha­bi­ta­ci­o­nais”, sus­ten­tou.

Por sua vez, Má­rio Moi­sés que é pro­jec­tis­ta (construção ci­vil), dis­se que os ac­tu­ais pre­ços dos ma­te­ri­ais de construção pra­ti­ca­dos, estão a cau­sar al­guns cons­tran­gi­men­tos por par­te de mui­tas em­pre­sas.

De­fen­deu a construção de mais fábricas de cha­pas de zin­co, vi­dro, tin­tas plás­ti­cas e mo­sai­co com qua­li­da­de, para aju­dar a de­be­lar a ac­tu­al crise no sec­tor.

Ce­râ­mi­ca de Ma­lan­je

A ce­râ­mi­ca, lo­ca­li­za­da no bair­ro da Ca­nâm­bua, que pro­du­zia cha­pas de zin­co e ti­jo­los en­con­tra-se en­cer­ra­da há mais de um ano, por es­cas­sez de di­vi­sas.

De acor­do com uma fon­te, os pro­pri­e­tá­ri­os da uni­da­de in­dus­tri­al fo­ram obri­ga­dos a en­cer­rar por falta de ma­té­ria-pri­ma, vis­to que gran­de par­te era ad­qui­ri­da no ex­te­ri­or do país.

A pa­ra­li­sa­ção da ce­râ­mi­ca na pro­vín­cia de Ma­lan­je criou muitos cons­tran­gi­men­tos por par­te dos tra­ba­lha­do­res, sen­do que muitos de­les são jo­vens, e ti­nham na uni­da­de a sua fon­te de sub­sis­tên­cia.

A PA­RA­LI­SA­ÇÃO DA CE­R­MI­CA NA PRO­VÍN­CIA DE MA­LAN­JE CRIOU MUITOS CONS­TRAN­GI­MEN­TOS

ILIDIO SERDEIRA | EDIÇÓES NO­VEM­BRO | MA­LAN­JE

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.