Trans­por­ta­do­ras ava­li­am cus­tos operacionais

Os ope­ra­do­res dos trans­por­tes co­lec­ti­vos ur­ba­nos pro­pu­se­ram ao Mi­nis­té­rio das Fi­nan­ças um au­men­to das ta­ri­fas uma me­di­da que es­tá na me­sa da no­va ad­mi­nis­tra­ção da TCUL que tam­bém fa­rá di­ag­nós­ti­co da situação da em­pre­sa

Jornal de Economia & Financas - - Empresas -

Os ope­ra­do­res dos trans­por­tes co­lec­ti­vos ur­ba­nos pro­pu­se­ram ao Mi­nis­té­rio das Fi­nan­ças um au­men­to das ta­ri­fas para 150 kwan­zas por corrida, para po­de­rem fa­zer fa­ce aos ele­va­dos cus­tos operacionais, sou­be o JE de fon­te do sec­tor.

A ser apro­va­da es­sa ta­ri­fa re­pre­sen­ta­ria 50 kwan­zas mais que a co­bra­da pe­los ope­ra­do­res do mer­ca­do de Lu­an­da, even­tu­al­men­te o mais di­nâ­mi­co do país, onde os per­cur­sos de au­to­car­ro cus­tam cem kwan­zas.

O ar­ti­go lem­bra que o úl­ti­mo au­men­to das ta­ri­fas dos trans­por­tes pú­bli­cos foi fei­to pe­lo Mi­nis­té­rio das Fi­nan­ças em Maio de 2005, qu­an­do cus­to do bi­lhe­te de pas­sa­gem pa­go pe­lo pas­sa­gei­ro pas­sou de 25 para 30 kwan­zas, um au­men­to de 17 por cen­to.

O va­lor da ta­ri­fa é, na ver­da­de, de 90 kwan­zas, com o pas­sa­gei­ro para pa­gar uma per­cen­ta­gem de 34 por cen­to à en­tra­da do au­to­car­ro e o Es­ta­do a sub­si­di­ar a corrida em 66 por cen­to.

Em 2016, po­rém, as em­pre­sas de trans­por­tes co­lec­ti­vos ur­ba­nos de­ci­di­ram co­brar 50 kwan­zas aos pas­sa­gei­ros para mi­ni­mi­zar as di­fi­cul­da­des que en­con­tram para pa­gar salários, com­bus­tí­vel, ma­nu­ten­ção e to­dos ou­tros cus­tos di­rec­ta­men­te li­ga­dos à ope­ra­ci­o­na­li­za­ção dos au­to­car­ros.

Es­sa é uma das ques­tões na me­sa do no­vo Con­se­lho de Ad­mi­nis­tra­ção da TCUL, em­pre­sa res­pon­sá­vel pe­lo trans­por­te diá­rio de mais de 100 mil pas­sa­gei­ros, e subs­ti­tui o an­te­ri­or, li­de­ra­do por Freitas Ne­to, cu­ja saí­da acontece qu­an­do os mais de 1.900 tra­ba­lha­do­res ame­a­ça­vam ar­ran­car, com uma gre­ve por tem­po in­de­ter­mi­na­do.

Fa­ce à no­va situação da em­pre­sa, a co­mis­são sin­di­cal to­mou a decisão de sus­pen­der a gre­ve, que rei­vin­di­ca dois me­ses de atra­so sa­la­ri­al, sub­sí­di­os de ali­men­ta­ção em falta há cer­ca de dois anos e o não cum­pri­men­to dos tur­nos e das qua­li­fi­ca­ções pro­fis­si­o­nais, in­cluin­do ava­li­a­ções e con­ta­gem de tem­po para a re­for­ma.

Se­gun­do o co­or­de­na­dor da co­mis­são sin­di­cal de tra­ba­lha­do­res da Tcul, Oc­tá­vio Francisco, de­pois de apre­sen­ta­da hoje a no­va ad­mi­nis­tra­ção da em­pre­sa, os tra­ba­lha­do­res vão apre­sen­tar os pro­ble­mas que se ve­ri­fi­cam ac­tu­al­men­te.

O no­vo Con­se­lho de Ad­mi­nis­tra­ção da TCUL li­de­ra­do por Abel António Cos­me é ain­da in­te­gra­do por Énio Re­na­to de Ma­ga­lhães Cos­ta, di­re­tor da Área Téc­ni­ca, Pe­dro Pe­rei­ra, di­re­tor da Área Fi­nan­cei­ra, e Her­mí­nia Se­bas­tião Ma­teus Mac Mahon e Avelino Da­la, am­bos ad­mi­nis­tra­do­res não exe­cu­ti­vos.

En­tre­tan­to, o di­ag­nós­ti­co do es­ta­do téc­ni­co dos mei­os de trans­por­tes e a me­lho­ria das con­di­ções de tra­ba­lho dos funcionários, bem co­mo o pa­ga­men­to dos salários em atra­so cons­ti­tu­em as prin­ci­pais pri­o­ri­da­des do no­vo Con­se­lho de Ad­mi­nis­tra­ção da em­pre­sa.

JOÃO GOMES | EDI­ÇÕES NO­VEM­BRO

No­vo pre­si­den­te do Con­se­lho de Ad­mi­nis­tra­ção da Tcul, Abel António Cos­me

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.