PRIN­CI­PAIS GATILHOS MEN­TAIS DO CON­SU­MI­DOR DA ERA MO­DER­NA

Jornal de Economia & Financas - - Gestão -

A psi­co­lo­gia é um fac­tor es­sen­ci­al e de­ter­mi­nan­te na mai­o­ria das es­tra­té­gi­as de mar­ke­ting. Is­so por­que to­das as de­ci­sões, des­de as mais sim­ples às mais com­ple­xas, são to­ma­das pri­mei­ro no inconsciente. Es­se pro­ces­so, de­pen­den­do da com­ple­xi­da­de da de­ci­são, po­de de­man­dar bas­tan­te ener­gia do cé­re­bro. Pa­ra evi­tar a fa­di­ga men­tal, adop­ta­mos al­gu­mas di­rec­tri­zes, os cha­ma­dos gatilhos men­tais. Quan­do apli­ca­dos da ma­nei­ra cor­rec­ta, são ca­pa­zes de aju­dar no en­ga­ja­men­to dos seus con­su­mi­do­res, mo­ti­van­do-os a agir. Em ou­tras pa­la­vras, po­dem ac­tu­ar co­mo in­cen­ti­va­do­res em uma de­ci­são de com­pra. Lis­ta­mos abai­xo os prin­ci­pais me­ca­nis­mos uti­li­za­dos em mar­ke­ting que po­de­rão ser úteis ao seu ne­gó­cio e co­mo apro­vei­tá­los da me­lhor ma­nei­ra. Con­fi­ra:

Ao ofe­re­cer um pro­du­to ou ser­vi­ço, é fun­da­men­tal de­mons­trar-se con­fi­an­te e se­gu­ro em re­la­ção àqui­lo que es­tá a vender;

As pes­so­as tendem a va­lo­ri­zar aqui­lo que é es­cas­so e há uma ex­pli­ca­ção: o inconsciente cos­tu­ma as­so­ci­ar que qu­an­to mais di­fí­cil for pa­ra ad­qui­rir um pro­du­to, mais ra­ro e va­li­o­so ele é;

Mui­to pa­re­ci­do com o da es­cas­sez, po­rém es­tá re­la­ci­o­na­do ao fac­tor tem­po­ral,

1. Se­gu­ran­ça: 2. Es­cas­sez: 3. Ur­gên­cia:

pois o pro­du­to ou ser­vi­ço ofe­re­ci­dos pos­su­em um pra­zo li­mi­te pa­ra se­rem ad­qui­ri­dos. É ago­ra ou nun­ca;

Por per­ten­cer­mos a uma so­ci­e­da­de, que­ren­do ou não, o inconsciente ten­de a se­guir a mai­o­ria. Os se­res hu­ma­nos sen­tem ne­ces­si­da­de de per­ten­cer a gru­pos que os iden­ti­fi­quem co­mo in­di­ví­du­os;

“Gen­ti­le­za gera gen­ti­le­za”. O ser hu­ma­no tem uma ten­dên­cia na­tu­ral a que­rer re­tri­buir al­go que lhe agre­ga va­lor de al­gu­ma for­ma. Por­tan­to, se pra­ti­car al­gum ges­to que seu cli­en­te en­ten­da ser de co­ra­ção, ele se sen­ti­rá gra­to e re­tri­bui­rá de al­gu­ma for­ma;

4. Pro­va so­ci­al: 5. Re­ci­pro­ci­da­de: 6. An­te­ci­pa­ção:

Es­se diz res­pei­to às ex­pec­ta­ti­vas em re­la­ção a al­go que es­tá por vir e, por­tan­to, é mui­to po­de­ro­so, uma vez que o fu­tu­ro é al­go in­cer­to e o ser hu­ma­no se sen­te con­for­tá­vel quan­do as pers­pec­ti­vas são po­si­ti­vas. Es­ti­mu­lar a no­vi­da­de, an­te­ci­pan­do in­for­ma­ções so­bre um lan­ça­men­to é mais um mo­do de con­quis­tar a aten­ção do pú­bli­co;

7. Ra­zão:

Mes­mo que as de­ci­sões se­jam to­ma­das pri­mei­ra­men­te no inconsciente, a men­te ten­de a pro­cu­rar sem­pre por ra­zões que jus­ti­fi­quem as ac­ções. Quan­do en­con­tra­mos es­sas mo­ti­va­ções, acre­di­ta­mos es­tar fa­zen­do o cer­to.

DR

Se­gu­ran­ça na ho­ra das ven­das é fun­da­men­tal pa­ra a con­fi­an­ça do cli­en­te

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.