Im­por­tân­cia do mix de pro­du­tos

A cor­rec­ta im­ple­men­ta­ção e con­tro­lo des­te mo­de­lo po­de ter um im­pac­to di­rec­to na ad­mi­nis­tra­ção lo­gís­ti­ca do Stock in­ter­no e no mar­ke­ting pra­ti­ca­do na em­pre­sa

Jornal de Economia & Financas - - Gestão -

A cor­rec­ta mon­ta­gem do mix de pro­du­tos de uma em­pre­sa de va­re­jo im­pac­ta di­rec­ta­men­te as­pec­tos co­mo lo­gís­ti­ca, ges­tão de ven­das, mar­ke­ting e con­tro­lo de Stock. Mui­tas ve­zes, a es­co­lha dos pro­du­tos e ser­vi­ços que es­tam à dis­po­si­ção dos cli­en­tes se dá por meio do mé­to­do de ten­ta­ti­va e er­ro, cal­ca­da num em­pi­ris­mo in­com­pa­tí­vel com as mo­der­nas prá­ti­cas de ges­tão. Não bas­ta ape­nas ana­li­sar os nú­me­ros ab­so­lu­tos de ven­da, mas tam­bém sa­ber in­ter­pre­tar de for­ma ade­qua­da as in­for­ma­ções.

A de­fi­ni­ção do mix de pro­du­tos le­va em con­si­de­ra­ção di­ver­sos fac­to­res, tais co­mo: o ra­mo de ac­ti­vi­da­de, o ti­po de pro­du­to ou ser­vi­ço ofe­re­ci­do, o por­te da em­pre­sa, o ca­pi­tal dis­po­ní­vel, o per­fil do mercado con­su­mi­dor, a re­gião aten­di­da e a sa­zo­na­li­da­de, en­tre ou­tros. Mon­tar um port­fó­lio de itens que aten­da às ne­ces­si­da­des da cli­en­te­la re­quer pla­ne­a­men­to e faz par­te do pla­no de ne­gó­ci­os da em­pre­sa.

A di­ver­si­fi­ca­ção dei­xou de ser uma op­ção em ter­mos de es­tra­té­gia e se trans­for­mou em ne­ces­si­da­de de so­bre­vi­vên­cia de um mercado ca­rac­te­ri­za­do pe­la con­cor­rên­cia acir­ra­da. Os pro­du­tos prin­ci­pais ge­ram trá­fe­go; os de­mais, ren­da. O mix de pro­du­tos não fun­ci­o­na ape­nas co­mo atra­ti­vo pa­ra os cli­en­tes. Ele de­sem­pe­nha pa­pel fun­da­men­tal na com­pen­sa­ção de pos­sí­veis per­das de ren­ta­bi­li­da­de. Mer­ca­do­ri­as com mai­or saí­da mui­tas ve­zes são ofe­re­ci­das com des­con­tos. Es­sa re­du­ção na mar­gem de lu­cro é con­tra­ba­lan­ça­da com os ga­nhos em ou­tros itens. Des­sa for­ma, a em­pre­sa con­quis­ta o con­su­mi­dor, ele­van­do o va­lor do tí­que­te mé­dio.

Qu­an­to mai­or for a va­ri­e­da­de de pro­du­tos dis­po­ní­veis, mais fá­cil se tor­na pa­ra o em­pre­sá­rio a ava­li­a­ção da acei­ta­ção de lan­ça­men­tos ou de no­vas mar­cas em seu port­fó­lio. Por ou­tro la­do, uma ofer­ta de pro­du­tos exa­ge­ra­da po­de oca­si­o­nar gran­des pre­juí­zos com es­to­que pa­ra­do e pro­du­tos per­di­dos ou da­ni­fi­ca­do. Qu­es­tões co­mo pre­ço, mar­ca e quan­ti­da­des ade­qua­das ao po­ten­ci­al de ven­da da lo­ja aju­dam a de­fi­nir qual a me­lhor es­tra­té­gia pa­ra a mon­ta­gem do mix.

DR

Va­ri­e­da­de de pro­du­to aju­da a cri­ar um grau de atra­ti­bi­li­da­de mai­or nas ven­das

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.