Po­e­ta Hel­der Sim­bad des­tin­gui­do

Obra poé­ti­ca nas­ce du­ma pes­qui­sa no âm­bi­to dos es­tu­dos li­te­rá­ri­os o que ele­va o leitor a re­vi­si­tar o pas­sa­do e a ima­gi­nar ce­ná­ri­os de aca­sa­la­men­to na sel­va

Jornal de Economia & Financas - - Lazer - Gas­par Mo­co­lo

Ao­bra poé­ti­ca “Ro­sa de fo­go - eró­ti­ca afri­ca­na e evan­ge­lho”, de Ibin­da Kayam­bu, pseu­dó­ni­mo li­te­rá­rio do po­e­ta e crí­ti­co Hél­der Sim­bad, de 30 anos, me­re­ceu es­ta se­ma­na o Pré­mio Li­te­rá­rio António Jacinto 2017.

Em de­cla­ra­ções ao JE, Hél­der Sim­bad, que é li­cen­ci­a­do em Lín­guas e Ad­mi­nis­tra­ção pe­la Uni­ver­si­da­de Católica de An­go­la (UCAN), pro­fes­sor de Lín­gua Por­tu­gue­sa e Li­te­ra­tu­ra Afri­ca­na do II Ci­clo, re­ve­lou que se sen­te co­mo vencedor.

“Fe­liz por mim, e pe­lo Lit­te­ra­gris, o gru­po de que fa­ço par­te”, dis­se, nu­ma re­fe­rên­cia ao mo­vi­men­to li­te­rá­rio, se­di­a­do em Vi­a­na, e de que é o co­or­de­na­dor-ge­ral.

O po­e­ta, que já foi re­cen­te­men­te dis­tin­gui­do no Brasil, no con­cur­so in­ter­na­ci­o­nal de po­e­si­as, cró­ni­cas e con­tos, in­ti­tu­la­do “A pa­la­vra no sé­cu­lo XXI”, uma ini­ci­a­ti­va da Aca­de­mia In­ter­na­ci­o­nal de Ar­tes, Le­tras e Ci­ên­ci­as do Rio Gran­de do Sul, no Brasil, ex­pli­cou mais adi­an­te que o Pré­mio Li­te­rá­rio António Jacinto 2017 vem le­gi­ti­mar o tra­ba­lho que tem si­do de­sen­vol­vi­do pe­lo Lit­te­ra­gris.

“Es­pe­ro que abra ou­tras por­tas para efec­ti­va­ção dos nos­sos pro­jec­tos que se cons­ti­tui­rão in­du­bi­ta­vel­men­te co­mo uma mais-va­lia para a sociedade”, dis­se.

Com efei­to, o jú­ri pre­si­di­do por Óscar Gui­ma­rães e in­te­gra­do pe­los es­cri­to­res Al­bi­no Car­los e Isa­qui­el Co­ri jus­ti­fi­cam que a obra vence- do­ra re­ve­la uma for­te cultura li­te­rá­ria e que se in­se­re na me­lhor tradição da po­e­sia an­go­la­na e uti­li­za com pro­pri­e­da­de o en­ca­de­a­men­to de con­cei­tos que per­mi­tem uma aná­li­se per­fei­ta do con­teú­do de ca­da po­e­ma.

É es­sa cultura li­te­rá­ria do jo­vem po­e­ta e crí­ti­co que já lhe tem va­li­do al­gu­mas pro­pos­tas edi­to­ri­ais, se­gun­do sou­be o JE.

“O meu per­cur­so li­te­rá­rio até aqui tem atraí­do al­gu­mas in­di­vi­du­a­li­da­des, por is­so, em ter­mos de pu­bli­ca­ção, não te­rei pro­ble­mas. Te­nho du­as obras em edi­to­ras di­fe­ren­tes: uma em Portugal e outra aqui no país”, dis­se, or­gu­lho­so.

Muito para lá do tí­tu­lo obra pre­mi­a­da “Ro­sa de fo­go - eró­ti­ca afri­ca­na e evan­ge­lho”, o ero­tis­mo es­tá sem­pre pre­sen­te nos po­e­mas de Hel­der Sim­bad, ques­ti­o­na­do se não re­ceia que se­ja ro­tu­la­do co­mo po­e­ta do ero­tis­mo, ex­pli­ca que, dentro da li­te­ra­tu­ra, pro­cu­ra cul­ti­var vá­ri­os as­pec­tos, e que o ero­tis­mo é ape­nas um de­les. “A obra nas­ce du­ma pes­qui­sa no âm­bi­to dos es­tu­dos li­te­rá­ri­os.

Es­cre­via um en­saio so­bre po­e­sia tra­di­ci­o­nal e de­ci­di es­cre­ver uma obra poé­ti­ca que me le­vas­se a re­vi­si­tar o pas­sa­do e a ima­gi­nar ce­ná­ri­os de aca­sa­la­men­to na sel­va”, ex­pli­ca o au­tor, que, de­pois de pu­bli­car a obra ven­ce­do­ra, pre­vê apre­sen­tar “In­sur­rei­ção dos sig­nos”, uma obra com outra te­má­ti­ca.

O Pré­mio Li­te­rá­rio António Jacinto dá di­rei­to a um che­que no va­lor de 850 mil kwan­zas, do Banco de Poupança e Cré­di­to (BPC), ins­ti­tui­ção pa­tro­ci­na­do­ra des­ta dis­tin­ção cri­a­da em 1993, em ho­me­na­gem ao escritor an­go­la­no António Jacinto, fa­le­ci­do a 23 de Ju­nho de 1991.

DR

Hél­der Sim­bad me­re­ceu es­ta se­ma­na o pré­mio li­te­rá­rio António Jacinto

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.