“An­go­la in­ves­te pou­co na eco­no­mia azul”

En­tre­vis­ta­do ape­la às au­to­ri­da­des a tra­ça­rem po­lí­ti­cas que aju­dem a es­tan­car o pro­ble­ma ava­li­an­do me­lhor o pro­ces­so de li­cen­ci­a­men­to das em­pre­sas

Jornal de Economia & Financas - - Primeira Página - An­tó­nio Eu­gé­nio

Vla­di­mir Rus­so é um no­me de voz au­to­ri­za­da pa­ra re­tra­tar os pro­ble­mas com o am­bi­en­te em An­go­la. Ho­je nas ves­tes de di­rec­tor exe­cu­ti­vo da Fun­da­ção Kis­sa­ma pa­ra a área Am­bi­en­tal e Ad­mi­nis­tra­ção, ele que já foi di­rec­tor na­ci­o­nal, diz ha­ver um fra­co in­ves­ti­men­to nas eco­no­mi­as ver­de e azul, se­ja em An­go­la, se­ja de mo­do glo­bal por Áfri­ca. Pa­ra ele, há mui­tos fac­to­res a pe­ri­ga­rem a es­ta­bi­li­da­de das es­pé­ci­es, so­bre­tu­do da­que­las já em via de ex­tin­ção, além do aba­te in­dis­cri­mi­na­do de árvores.

IMA­GI­NE­MOS QUE UMA EM­PRE­SA PRO­DUZ PARAFUSOS TO­DOS TÊM DE SER IGUAIS

Odi­rec­tor exe­cu­ti­vo da Fun­da­ção Kis­sa­ma pa­ra a área Am­bi­en­tal e Ad­mi­nis­tra­ção, Vla­di­mir Rus­so, faz uma in­cur­são re­al e ac­tu­al da eco­no­mia ver­de e azul em An­go­la. No cen­tro da con­ver­sa es­tão o re­for­ço à fis­ca­li­za­ção pa­ra evi­tar que mui­tas em­pre­sas con­ta­mi­nem a água, a cap­tu­ra de es­pé­ci­es ma­ri­nhas em ex­tin­ção e o aba­te de ani­mais e de flo­res­tas que le­vam o Es­ta­do a per­der mi­lhões de dó­la­res. Afi­nal o que é eco­no­mia ver­de? Os prin­cí­pi­os da eco­no­mia ver­de as­sen­tam na eco­no­mia que a en­tra­da são sus­ten­tá­veis e têm re­tor­no, além dos ne­gó­ci­os que são am­bi­en­tais e se­gu­ros, cu­jas saí­das tam­bém apre­sen­tam me­nos re­sul­ta­dos ne­ga­ti­vos pa­ra o am­bi­en­te. Por exem­plo, ao in­vés de dei­tar o vi­dro de­ve ser re­ci­cla­do, até o vi­dro nor­mal­men­te é dei­ta­do fo­ra. E atra­vés de um pro­ces­so de trans­for­ma­ção são fei­tas no­vas gar­ra­fas. Po­rém, há um pro­ces­so de re­ci­cla­gem dos re­sí­du­os que nor­mal­men­te é con­si­de­ra­do co­mo li­xo e pas­sam a ser ma­té­ria-pri­ma. E no sec­tor da agri­cul­tu­ra? Ou­tro exem­plo é o de­sen­vol­vi­men­to da agri­cul­tu­ra não in­ten­si­va com pro­du­tos or­gâ­ni­cos on­de não há o uso de pes­ti­ci­das, pois há um pro­ces­so de ir­ri­ga­ção de go­ta a go­ta e uma pou­pan­ça con­si­de­rá­vel de água e os pro­du­tos quan­do sa­em trans­for­mam-se em não agro-tó­xi­cos e não vão fa­zer mal à saú­de da­que­las pes­so­as que não la­vam os ali­men­tos com cui­da­do. Fa­la-se mui­to de eco­no­mia ver­de em An­go­la. Já há es­ta prá­ti­ca en­tre nós? Não! Em An­go­la ain­da te­mos al­gu­mas idei­as. Há em­pre­sas que ten­tam se apro­xi­mar de al­guns dos prin­cí­pi­os, par­ti­cu­lar­men­te no que diz res­pei­to à ges­tão de re­cur­sos. Es­ta ges­tão de re­cur­sos é mais li­de­ra­da pe­la com­po­nen­te de vi­a­bi­li­da­de eco­nó­mi­ca de sus­ten­ta­bi­li­da­de. Não co­nhe­ço ne­nhu­ma em­pre­sa an­go­la­na efec­ti­va­men­te a fa­zer es­te ne­gó­cio. Al­guns vão ten­tan­do ca­mi­nhar por aí. O sec­tor dos pe­tró­le­os é um de­les e tem cui­da­do al­gu­ma par­te da ca­deia de pro­du­ção nu­ma pers­pec­ti­va de sus­ten­ta­bi­li­da­de am­bi­en­tal e de­pois há pe­que­nas em­pre­sas que vão ten­tan­do adop­tar prá­ti­cas que se­jam am­bi­en­tal­men­te sãs par­ti­cu­lar­men­te àque­las que es­tão no pro­ces­so de cer­ti­fi­ca­ção da ISO, uma norma in­ter­na­ci­o­nal de pa­dro­ni­za­ção in­ter­na­ci­o­nal que de­fi­ne um con­jun­to de nor­mas que as em­pre­sas de­ve­ri­am se­guir, se que­rem ser cer­ti­fi­ca­das pa­ra ga­ran­tir o ne­gó­cio. Ima­gi­ne­mos que uma em­pre­sa pro­duz parafusos to­dos têm de ser iguais. Pa­ra uma em­pre­sa que pro­duz ba­ta­ta, o pro­ces­so pro­du­ti­vo se­ja o mes­mo, uma vez que pro­duz lei­te ou uma em­pre­sa que for­ne­ce ser­vi­ços de qual­quer or­dem te­nha a qua­li­da­de do pro­du­to, mas tam­bém a qua­li­da­de da ges­tão am­bi­en­tal. Qu­ais os pas­sos que o Exe­cu­ti­vo de­ve dar pa­ra que a eco­no­mia ver­de se­ja um fac­to em An­go­la? Há mui­ta coi­sa a ser fei­ta a ní­vel do Exe­cu­ti­vo. Um dos as­pec­tos im­por­tan­tes é trans­for­mar a ma­triz ener­gé­ti­ca que nes­te mo­men­to tem uma for­te de­pen­dên­cia e so­bre a bi­o­mas­sa e os com­bus­tí­veis fós­seis e trans­for­má-la nu­ma ma­triz ener­gé­ti­ca lim­pa. E pa­ra ser ma­triz lim­pa te­rá de ser sus­ten­tá­vel pe­la hi­dro­e­ner­gia, ener­gia hí­dri­ca pe­las eó­li­cas e pe­los pai­néis so­la­res. E is­so, é um pro­ces­so que po­de ser da­do pa­ra trans­for­mar es­se sec­tor. Ou­tro as­pec­to im­por­tan­te tem a ver com a ges­tão de re­sí­du­os, mas nes­te mo­men­to ten­ta­mos de uma for­ma ge­ral que os re­sí­du­os que vão pa­ra o con­ten­tor de ca­sa e de­pois pa­ra o ater­ro em al­guns ca­sos li­xei­ras. So­men­te es­tes fac­to­res é que con­cor­rem pa­ra de­sen­vol­ver a eco­no­mia ? É pre­ci­so que o país te­nha um pro­gra­ma estratégico de ges­tão de re­sí­du­os só­li­dos ur­ba­nos que pre­vê fa­se­a­da­men­te a ins­ta­la­ção de ater­ros sa­ni­tá­ri­os a ní­vel de ca­pi­tais de pro­vín­ci­as e de­pois mu­ni­ci­pais. Por­tan­to, se is­so, for exe­cu­ta­do, se ha­ver uma ges­tão efec­ti­va dos bens com re­cur­so à re­ci­cla­gem, a pro­du­ção de ener­gia atra­vés da ma­té­ria or­gâ­ni­ca e uti­li­za­ção, po­de­re­mos es­tar a dar ca­mi­nho pa­ra a eco­no­mia ver­de. E is­so faz-se a lon­go pra­zo e não no lu­cro ime­di­a­to. E pa­ra o pri­va­do, é ne­ces­sá­rio in­ves­ti­men­to em ter­mos de re­cur­sos fi­nan­cei­ros, equi­pa­men­tos e for­ma­ção do pes­so­al is­to a cur­to pra­zo. A lon­go pra­zo, as per­das que te­rão as em­pre­sas se­rão mui­to re­du­zi­das, com­pa­ran­do com o sis­te­ma ac­tu­al que mui­tas de­las uti­li­za. Co­mo es­pe­ci­a­lis­ta co­nhe­ce al­gu­mas em­pre­sas que es­tão a dar pas­sos se­gu­ros nes­ta ac­ti­vi­da­de? Lem­bro que há dois anos uma em­pre­sa fez uma es­pé­cie de con­cur­so so­bre a sus­ten­ta­bi­li­da­de am­bi­en­tal e um ques­ti­o­ná­rio a vá­ri­as em­pre­sas e em al­gu­mas de­las fo­ram pre­mi­a­das, so­bre­tu­do pa­ra o sec­tor pe­tro­lí­fe­ro, ser­vi­ços, sec­tor das te­le­co­mu­ni­ca­ções com ba­se nos cri­té­ri­os de­fi­ni­dos de sus­ten­ta­bi­li­da­de am­bi­en­tal. Po­rém, já se es­tá a dar al­gum pas­so. Não te­mos eco­no­mia ver­de? A eco­no­mia ver­de de­ve ser um prin­cí­pio a ser im­ple­men­ta­do trans­ver­sal­men­te no país e não te­mos. Fa­la-se que da­qui a 20 anos An­go­la po­de atin­gir es­sa me­ta. Qu­er co­men­tar? A eco­no­mia ver­de e a cir­cu­lar e o de­sen­vol­vi­men­to sus­ten­tá­vel es­tão as­sen­tes a um con­jun­to de prin­cí­pi­os, mui­tos des­tes não são men­su­rá­veis e mui­tos ob­jec­ti­vos. Por­tan­to, não va­mos al­can­çar 100

O ELEFANTE POR CAU­SA DO MARFIM TOR­NOU-SE NO NE­GÓ­CIO APETECÍVEL PA­RA MUI­TOS NÃO HÁ NE­NHUM PAÍS AFRI­CA­NO QUE NO SEU TO­DO CON­SE­GUIU ATIN­GIR A ECO­NO­MIA VER­DE

por cen­to, por­que há uma sé­rie de as­pec­tos que não de­pen­dem de uma de­ter­mi­na­da em­pre­sa ou Go­ver­no. Con­tu­do, es­ta­mos na di­rec­ção cer­ta. O sec­tor flo­res­tal es­tá in­clu­so na eco­no­mia ver­de e a ser de­vas­ta­do em gran­de es­ca­la? Sim. É um sec­tor crí­ti­co nes­te mo­men­to no qual há mui­tas re­cla­ma­ções, na me­di­da em que há cor­te abu­si­vo ile­gal de flo­res­tas. É pre­ci­so apli­car-se as po­lí­ti­cas que es­tão a ser pre­co­ni­za­das nes­se mo­men­to fa­ce à si­tu­a­ção ac­tu­al. De­ve ha­ver cui­da­do no li­cen­ci­a­men­to dos pro­ces­sos e apro­vei­ta­men­to do pro­du­to da ma­dei­ra e da ser­ra­du­ra, cri­an­do pro­gra­mas do qua­dro do repovoamento flo­res­tal qu­er pa­ra a in­dús­tria do pa­pel no fu­tu­ro, qu­er pa­ra a le­nha, car­vão e o sec­tor ma­dei­rei­ro do pon­to de vis­ta de sus­ten­ta­bi­li­da­de eco­nó­mi­ca. É ne­ces­sá­rio que se­jam gi­za­dos mais pla­nos, e aqui­lo que es­tá no pa­pel se­ja im­ple­men­ta­do na prá­ti­ca. É mui­to di­nhei­ro que de­via aju­dar a com­ba­ter a po­bre­za em An­go­la. Aliás, os que vi­vem nas áre­as ru­rais são po­bres. Há mui­to pre­juí­zo com o der­ru­be de árvores ? Há. An­go­la é um país em fran­co de­sen­vol­vi­men­to, e o sa­que dos re­cur­sos naturais po­de tra­zer mui­tos pro­ble­mas. A ten­dên­cia de ex­plo­ra­ção dos re­cur­sos florestais é de­sor­de­na­da. As pes­so­as e as em­pre­sas ten­ta­ram fa­zer o uso abu­si­vo dos re­cur­sos sem pa­gar ta­xas e cui­dar do am­bi­en­te. Di­ga­mos que é um pro­ble­ma que a Eu­ro­pa te­ve no pas­sa­do e te­ve que es­tan­car. Fi­ze­ram is­to nas su­as co­ló­ni­as em Áfri­ca pa­ra se de­sen­vol­ver rá­pi­do, ho­je de for­ma len­ta há paí­ses a co­o­pe­ra­rem com An­go­la e no fim dão ca­bo da ri­que­za fo­ra do con­tra­to as­si­na­do, e dei­xam ain­da mais po­bres es­tes paí­ses. Co­nhe­ce al­gum país afri­ca­no que con­se­guiu bons re­sul­ta­dos com a im­plan­ta­ção da eco­no­mia ver­de? Não há ne­nhum país afri­ca­no que no seu to­do con­se­guiu atin­gir a eco­no­mia ver­de em­bo­ra ha­ja sec­to­res que es­tão a tra­ba­lhar pa­ra is­so, mas de uma for­ma ge­ral, não exis­te. Há mui­to con­luio com os que ex­plo­ram e os ha­bi­tan­tes de um de­ter­mi­na­do país. A po­lui­ção ma­ri­nha, a pes­ca in­dus­tri­al por par­te de na­vi­os de ou­tros paí­ses sem au­to­ri­za­ção é ou­tro aten­ta­do à eco­no­mia azul... Es­te é um pro­ble­ma gra­vís­si­mo. Além do sa­que dos re­cur­sos es­tão a ser de­la­pi­da­das to­das as es­pé­ci­es ma­ri­nhas, que de­pois se re­flec­te à au­sên­cia do pei­xe à nos­sa me­sa. O pi­or é que mui­tas es­pé­ci­es com o tem­po não exis­ti­rão. Há m ver­da­dei­ro sa­que das lar­vas(pei­xe em cres­ci­men­to) e es­pé­ci­es re­pro­du­ti­vas. Car­re­gam tu­do. Por exem­plo, ago­ra o ma­ris­co es­tá raro e caro por to­das es­tas ac­ções que já acon­te­cem faz tem­po. É pre­ci­so tra­var is­to com ur­gên­cia. Há tam­bém uma con­ta­mi­na­ção am­bi­en­tal no mar em gran­de es­ca­la, is­to é um gra­ve pro­ble­ma? Es­te mal so­men­te acon­te­ce por­que a fis­ca­li­za­ção é mui­to fra­ca. E mui­tas em­pre­sas vi­ra­das à pro­du­ção de fa­ri­nha de pei­xe são as mes­mas que ati­ram a fa­ri­nha, e os fis­cais fi­cam a olhar a fa­ri­nha ser ati­ra­da ao mar e a ex­ter­mi­nar o pei­xe co­mo acon­te­ceu re­cen­te­men­te no Na­mi­be. Há mui­tos ca­sos des­tes. É pre­ci­so pu­nir os in­frac­to­res com mul­tas al­tas pa­ra que mu­dem de ati­tu­de. O sec­tor pe­tro­lí­fe­ro re­du­ziu em ter­mos de po­lui­ção ma­ri­nha. Já ago­ra co­men­te um pou­co so­bre o ne­gó­cio de ani­mais sel­va­gens no âm­bi­to da con­ser­va­ção das es­pé­ci­es... Cer­ta­men­te mui­tas es­pé­ci­es es­tão a ex­tin­guir-se, pois o elefante por cau­sa do marfim tor­nou-se no ne­gó­cio ape­te­cí- vel pa­ra mui­tos, o le­o­par­do por cau­sa da pe­le é ou­tro pro­ble­ma sé­rio. Tem de ha­ver me­di­das enér­gi­cas pa­ra ter­mi­nar com es­ta prá­ti­ca, pois An­go­la per­de mi­lha­res de dó­la­res com es­te ac­to, não bas­tam cha­ma­das de aten­ção. En­tão há ne­ces­si­da­de de se es­ta­be­le­cer pra­zos pa­ra apli­ca­ção de me­di­das ou as da­tas são uma uto­pia? As au­to­ri­da­des de­vem es­ta­be­le­cer pra­zos, se­não não te­re­mos co­mo cum­prir,bas­ta­re­cor­dar­que­to­da­sas gran­des­ci­mei­ra­ses­ta­be­le­cem­da­tas, ma­se­mal­guns­ca­so­so­sin­ter­ve­ni­en­tes não cum­prem. As da­tas ser­vem co­mo “ba­ró­me­tro” pa­ra que as pes­so­as en­vol­vi­das fa­çam um es­for­ço em cum­prir. Im­pli­ca que com os oce­a­nos, ma­res e ri­os cons­ti­tu­em fon­tes de ri­que­zas do mun­do? Ge­ram bi­liões de dó­la­res em bens e ser­vi­ços, além de cri­a­rem em­pre­gos . Há es­ti­ma­ti­vas de que em 2020 as ac­ti­vi­da­des ma­rí­ti­mas pos­sam atin­gir um avul­ta­do va­lor fi­nan­cei­ro. E as es­ti­ma­ti­vas da Agên­cia In­ter­na­ci­o­nal de Ener­gia apon­tam pa­ra um po­ten­ci­al ener­gé­ti­co re­no­vá­vel, oriun­do dos oce­a­nos de 400 por cen­to re­la­ti­va­men­te à ac­tu­al de­man­da glo­bal de ener­gia. Es­tas pers­pe­ti­vas in­di­cam que o po­ten­ci­al azul afri­ca­no es­tá fo­ra. A “Eco­no­mia azul” do con­ti­nen­te afri­ca­no é com­pos­ta por ma­rés e oce­a­nos, de águas sub­ter­râ­ne­as, de ri­os e de vas­tos la­gos dos qu­ais os Gran­des La­gos re­pre­sen­tam cer­ca de 27 por cen­to de água fres­ca à su­per­fí­cie, a mai­or per­cen­ta­gem a ní­vel mun­di­al. Dos 54 Es­ta­dos afri­ca­nos, 38 são cos­tei­ros e mais de 90 por cen­to das im­por­ta­ções e ex­por­ta­ções são efe­tu­a­das por via ma­rí­ti­ma. Jun­tan­do-se às ac­ti­vi­da­des por­tuá­ri­as um dos aces­sos mais es­tra­té­gi­cos pa­ra o co­mér­cio in­ter­na­ci­o­nal em Áfri­ca. As zo­nas ma­rí­ti­mas sob a ju­ris­di­ção do con­ti­nen­te to­ta­li­zam cer­ca de 13 mi­lhões de qui­ló­me­tros qua­dra­dos, área su­baquá­ti­ca equi­va­len­te a dois ter­ços da su­per­fí­cie ter­res­tre afri­ca­na. Se ex­plo­ra­do e bem ge­ri­do, vai ala­van­car as for­tu­nas do con­ti­nen­te. Nes­te mo­men­to qual é o pro­vei­to que An­go­la ti­ra na eco­no­mia aquá­ti­ca? Vão mas pa­ra a pes­ca, aqua­cul­tu­ra, tu­ris­mo, trans­por­tes, por­tos, ener­gia e ex­plo­ra­ção mi­nei­ra cos­tei­ra. As­so­ci­am-se aos re­cur­sos bió­ti­cos que per­mi­tem uma ex­pan­são nos sec­to­res da pes­ca, aqua­cul­tu­ra e a ma­ri­cul­tu­ra, e um in­ves­ti­men­to na in­dús­tria far­ma­cêu­ti­ca, quí­mi­ca e cos­mé­ti­ca. Fa­le um pou­co do nos­so con­ti­nen­te em re­la­ção ao apro­vei­ta­men­to da “eco­no­mia azul”? A Áfri­ca ao in­vés de ser o for­ne­ce­dor ha­bi­tu­al de ma­té­ria-pri­ma bru­ta es­tá em po­si­ção de partir pa­ra uma in­dus­tri­a­li­za­ção as­sen­te em re­cur­sos e de se tor­nar o cen­tro do co­mér­cio mun­di­al dos pro­du­tos de mui­to va­lor. Vá­ri­os paí­ses afri­ca­nos já es­tão a con­ce­ber es­tra­té­gi­as que des­ta­quem a eco­no­mia azul nos pla­nos na­ci­o­nais de de­sen­vol­vi­men­to, mas nes­te mo­men­to a eco­no­mia azul em Áfri­ca é fra­ca.

DOMBELE BERNARDO | EDI­ÇÕES NO­VEM­BRO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.