For­ma­li­zar o in­for­mal

Jornal de Economia & Financas - - Opinião -

O sec­tor in­for­mal cons­ti­tui nos di­as que correm uma das prin­ci­pais fon­tes de sus­ten­to de mui­tas fa­mí­li­as. As es­ta­tís­ti­cas apon­tam que es­te sec­tor al­ber­ga qua­se 40 por cen­to da po­pu­la­ção do país, e ga­nha con­sis­tên­cia em fun­ção da al­ta ta­xa de de­sem­pre­go no mer­ca­do de tra­ba­lho cau­sa­da pe­las cri­ses eco­nó­mi­cas e fi­nan­cei­ras, te­ci­do em­pre­sa­ri­al in­ci­pi­en­te e das ca­rac­te­rís­ti­cas da pró­pria eco­no­mia.

Por ou­tro la­do, a ins­ta­bi­li­da­de eco­nó­mi­ca que o país vi­veu nas úl­ti­mas décadas pro­vo­cou o êxo­do mui­to gran­de da po­pu­la­ção ru­ral pa­ra as ci­da­des. Es­te au­men­to da po­pu­la­ção não foi acom­pa­nha­do, cer­ta­men­te, por igual rit­mo de cres­ci­men­to de em­pre­gos, dan­do ori­gem a uma su­per­po­vo­a­ção nas ci­da­des.

O fe­nó­me­no in­for­mal, ape­sar de ser uma prá­ti­ca que os Go­ver­nos na­ci­o­nais, prin­ci­pal­men­te os da Áfri­ca Sub­saha­ri­a­na, têm pro­cu­ra­do re­du­zir em vir­tu­de das con­sequên­ci­as ne­ga­ti­vas que acar­re­ta (amon­to­a­dos de li­xo nos lo­cais de ven­da, ob­jec­tos es­pa­lha­dos nas vi­as pú­bli­cas, más con­di­ções hi­gié­ni­cas dos pro­du­tos co­mer­ci­a­li­za­dos), con­tri­buin­do pa­ra o ren­di­men­to de mui­tas fa­mí­li­as, ra­zão pe­la qual as ad­mi­nis­tra­ções na­ci­o­nais têm pro­cu­ra­do for­mas de in­se­ri-lo no sis­te­ma tri­bu­tá­rio, até por­que ela funciona co­mo um “amor­te­ce­dor” do sis­te­ma eco­nó­mi­co aju­dan­do os Go­ver­nos na su­pe­ra­ção do pro­ble­ma do de­sem­pre­go.

Jul­ga­mos nós que a ba­ta­lha con­tra o sec­tor in­for­mal só se po­de­rá ven­cer quan­do os mer­ca­dos fo­rem su­fi­ci­en­te­men­te ca­pa­zes de ab­sor­ver a for­ça de tra­ba­lho em des­per­dí­cio, ou se­ja, quan­do os re­cur­sos hu­ma­nos fo­rem na sua mai­o­ria apro­vei­ta­dos, is­to é, com o sur­gi­men­to de mais uni­da­des em­pre­sa­ri­ais, for­ma­ção de qua­dros qua­li­fi­ca­dos e de um con­tro­lo efi­ci­en­te das ta­xas mi­gra­tó­ri­as.

Por ou­tro la­do, de­ve-se dar mai­or aten­ção à ac­ti­vi­da­de agrí­co­la pa­ra que o sec­tor in­dus­tri­al se­ja efi­ci­en­te, pois é da agri­cul­tu­ra que pro­vém a ma­té­ria-pri­ma de que a in­dús­tria pre­ci­sa pa­ra o seu fun­ci­o­na­men­to e con­se­quen­te­men­te ab­sor­ve a mai­or for­ça de tra­ba­lho.

Em An­go­la, as au­to­ri­da­des eco­nó­mi­cas têm pro­cu­ra­do for­mas de con­ver­ter o sec­tor in­for­mal pa­ra o for­mal, com o con­tro­lo dos mer­ca­dos pa­ra­le­los alo­jan­do os ven­de­do­res das ru­as pa­ra os lo­cais pró­pri­os de ven­da e com me­lho­res con­di­ções so­ci­ais.

O Mi­nis­té­rio das Fi­nan­ças, mais con­cre­ta­men­te da Ad­mi­nis­tra­ção Ge­ral Tri­bu­tá­ria (AGT) em­pe­nha-se, nos úl­ti­mos tem­pos, em cam­pa­nhas de sen­si­bi­li­za­ção nos mer­ca­dos, lo­jas e ou­tros es­ta­be­le­ci­men­tos co­mer­ci­ais no sen­ti­do de le­ga­li­za­rem as ac­ti­vi­da­des do sec­tor in­for­mal.

O ob­jec­ti­vo é alar­gar a ba­se tri­bu­tá­ria pa­ra mai­or ar­re­ca­da­ção de re­cei­tas fis­cais aos co­fres do Es­ta­do. Aliás, com a des­ci­da do pre­ço do bar­ril do pe­tró­leo no mer­ca­do mun­di­al, mui­tos Go­ver­nos na­ci­o­nais pro­cu­ram for­mas de ajus­tar os seus or­ça­men­tos de mo­do a que as re­cei­tas pro­ve­ni­en­tes do sec­tor não pe­tro­lí­fe­ro se­jam de fac­to va­lo­ri­za­das.

A BA­TA­LHA CON­TRA O SEC­TOR IN­FOR­MAL SÓ SE­RÁ VENCIDA SE OS MER­CA­DOS FO­REM SU­FI­CI­EN­TE­MEN­TE CA­PA­ZES DE AB­SOR­VER A FOR­ÇA DE TRA­BA­LHO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.