Ban­das cam­bi­ais

Jornal de Economia & Financas - - Opinião - An­dra­de A. Ambrósio Ges­tor e ana­lis­ta eco­nó­mi­co

De­ve­mos olhar pa­ra as di­vi­sas, co­mo se de um re­fri­ge­ran­te tra­tas­se. O seu pre­ço é in­flu­en­ci­a­do pe­lo cus­to de im­por­ta­ção ou pro­du­ção e pe­la de­man­da agre­ga­da. As­sim sen­do, quan­do es­tes pres­su­pos­tos es­tão em ci­ma, o efei­to é in­co­men­su­ra­vel­men­te pro­gres­si­vo. Lo­go, o bol­so do con­su­mi­dor é que pa­ga. Ou se­ja, na si­tu­a­ção de a ci­fra da ofer­ta não sa­tis­fa­zer as ne­ces­si­da­des da pro­cu­ra agre­ga­da em al­ta, pois o pre­ço do pro­du­to ga­nha ra­zão de dis­pa­rar. E, is­so di­fi­cil­men­te ou qua­se nun­ca, se re­sol­ve com as me­di­das ad­mi­nis­tra­ti­vas, pre­ços con­tro­la­dos, ins­pec­ções e me­di­das pu­ni­ti­vas, en­fim. É o fe­nó­me­no nor­mal do mer­ca­do, on­de a so­lu­ção, não re­si­de nos ga­bi­ne­tes.

Pros­se­guin­do, mui­tas vo­zes en­ten­di­das so­bre a ma­té­ria, ale­gam que “sim”, es­sa é a al­tu­ra cer­ta da apli­ca­ção des­te re­gi­me cam­bi­al; ou­tras, tal co­mo eu, não obs­tan­te de­mons­tra­rem al­gu­ma simpatia em re­la­ção ao re­gi­me de “ban­das cam­bi­ais”, de­fen­dem que es­te es­tá­gio não se mos­tra ide­al pa­ra a sua apli­ca­ção, a jul­gar pe­la exi­gui­da­de de di­vi­sas de que o país dis­põe. Já os mais cép­ti­cos vão mais lon­ge, não que­rem sa­ber de “ban­das” coi­sa ne­nhu­ma. Se­gun­do di­zem, ago­ra é co­mo dan­tes, não es­ta­mos ta­lha­dos a es­te re­gi­me de câm­bi­os.

Os lei­lões re­pre­sen­tam ris­cos acres­ci­dos sob pe­na de co­nhe­cer­mos mais di­fi­cul­da­des em mi­ti­gar as in­su­fi­ci­ên­ci­as ma­cro­e­co­nó­mi­cas, des­cri­tas nas en­tre­li­nhas da pre­sen­te pe­ça. Pre­ci­sa­mos de en­ten­der que, pa­ra nós, as po­lí­ti­cas ma­cro­e­co­nó­mi­cas mais im­por­tan­tes das ou­tras e que de­ve­mos de­fen­dê-las com unhas e den­tes, cus­te o que cus­tar, são aque­les que vi­sam, além de en­xu­gar o cus­to de pro­du­ção na­ci­o­nal, ga­ran­tam mai­or qua­li­da­de às des­pe­sas pú­bli­cas - ne­ces­si­tan­do em cer­ta me­di­da, de al­gu­mas me­di­das aus­te­ri­ti­vas – fa­çam di­mi­nuir o nos­so dé­fi­ce or­ça­men­tal, e que dê oxi­gé­nio às re­ser­vas in­ter­na­ci­o­nais lí­qui­das.

Por­quan­to, re­a­li­zar lei­lões em épo­cas de dé­fi­ce or­ça­men­tal re­cor­ren­tes dí­vi­das pú­bli­cas de ro­er as unhas e de pou­cas di­vi­sas dis­po­ní­veis e co­mer­ci­a­li­zá­veis, e co­mo se não bas­tas­se, di­an­te de um OGE 2018 que pre­vê uma do­ze avul­ta­da de ver­bas pa­ra pa­gar par­te dos nos­sos qui­lá­pis, é uma odis­seia. Olhe­mos só pa­ra as con­sequên­ci­as mais pro­vá­veis: nos lei­lões, os ban­cos co­mer­ci­ais li­qui­da­men­te mais for­tes po­de­rão di­tar os pre­ços cam­bi­ais, en­go­lin­do os ou­tros e ar­re­ba­tan­do, qua­se sem­pre, to­do bo­lo ou pe­lo me­nos, a mai­or par­te des­te, ser­vi­do à me­sa.Por is­so, al­guns mais fra­cos te­rão mes­mo de aguar­dar e ou de­pen­der das ne­go­ci­a­ções no mer­ca­do for­mal se­cun­dá­rio – in­ter­ban­cá­rio, de­si­de­ra­to que, a meu ver, cons­ti­tui uma es­pé­cie de dis­cri­mi­na­ção fi­nan­cei­ra. O tec­to má­xi­mo da ban­da cam­bi­al po­de ser al­can­ça­do e até mes­mo, ul­tra­pas­sa­do, daí, pa­ra equi­li­brar a coi­sa, o Banco Na­ci­o­nal de An­go­la pre­ci­sa­rá de com­prar kwan­zas, dan­do em tro­ca, di­vi­sas. E, se não dis­por de di­vi­sas su­fi­ci­en­tes pa­ra tal, sen­do cer­to que, o pe­tró­leo, que nos dá di­vi­sas, vê o seu pre­ço ain­da na in­cer­te­za?

Co­mo o sis­te­ma fi­nan­cei­ro e po­li­ci­al não con­se­guem mi­ti­gar ou pe­lo me­nos en­cur­tar o mer­ca­do in­for­mal de câm­bi­os, e fa­ce a pro­cu­ra agre­ga­da em rit­mo sem­pre, além das ca­pa­ci­da­des, os pre­ços dos cam­bi­ais, nos mer­ca­dos, qu­er for­mal, qu­er pa­ra­le­lo, vão con­ti­nu­ar a co­nhe­cer di­fe­ren­ças enor­mes, até por­que na rua, o mer­ca­do é atractivo, ren­de mais!

A mu­dan­ça de re­gi­me cam­bi­al de fi­xo, pa­ra a de “ban­das cam­bi­ais”, em­bo­ra não jus­ti­fi­que ain­da a su­bi­da de pre­ços dos pro­du­tos, so­bre­tu­do de pri­mei­ra ne­ces­si­da­de, vin­do lá de fo­ra, (di­go ain­da, por­que es­tes pro­du­tos fo­ram ad­qui­ri­dos e ar­ma­ze­na­dos ao pre­ço do pas­sa­do, os lei­lões, nem se­quer vi­go­ra­vam, e por is­so mes­mo, tra­ta-se por en­quan­to de es­pe­cu­la­ção. De­pois, qui­çá sim, te­rá jus­ti­fi­ca­ção eco­no­mi­ca­men­te acei­te) que já se ve­ri­fi­ca, qu­er no sec­tor for­mal, qu­er no pa­ra­le­lo, in­fe­liz­men­te trou­xe aos ope­ra­do­res co­mer­ci­ais a ac­ção pre­ven­ti­va e de má fé, a in­se­gu­ran­ça e a gu­la des­me­di­da de ame­a­lhar lu­cros mai­o­res, e com es­ta li­qui­dez, po­de­rem res­pon­der às pro­vá­veis – fu­tu­ras - su­bi­da das im­por­ta­ções dos pro­du­tos que co­mer­ci­a­li­zam.

OS PRE­ÇOS DOS CAM­BI­AIS, NOS MER­CA­DOS, QU­ER FOR­MAL, QU­ER PA­RA­LE­LO, VÃO CON­TI­NU­AR A CO­NHE­CER DI­FE­REN­ÇAS ENOR­MES, ATÉ POR­QUE NA RUA, O MER­CA­DO É ATRACTIVO, REN­DE MAIS!

ARQUIVO JE

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.