Lu­an­da es­tu­da pla­no de ter­cei­ri­zar mer­ca­do

O mo­de­lo que o go­ver­no pro­vin­ci­al pre­vê im­ple­men­tar bre­ve­men­te vi­sa me­lho­rar a ges­tão dos mer­ca­dos e fei­ras pa­ra aten­der com dig­ni­da­de os con­su­mi­do­res

Jornal de Economia & Financas - - Destaque - Pe­dro Pe­ter­son

Ogo­ver­no pro­vin­ci­al de Lu­an­da es­tá a es­tu­dar a me­lhor for­ma de terceirização dos mer­ca­dos cons­truí­dos pe­lo Es­ta­do, há mais qua­tro anos pa­ra me­lhor con­tri­buir no Or­ça­men­to Ge­ral do Es­ta­do.

Se­gun­do apu­rou o JE jun­to da di­rec­ção do Ga­bi­ne­te Pro­vin­ci­al do Co­mér­cio e In­dús­tria, tra­ta-se de terceirização e não pri­va­ti­za­ção, in­di­can­do que as ad­mi­nis­tra­ções não têm con­se­gui­do en­con­trar me­ca­nis­mos pa­ra man­ter os mer­ca­dos con­ser­va­dos, por fal­ta de di­nhei­ro.

Na con­cep­ção do pro­jec­to, a ideia era fa­zer re­cei­tas com as ta­xas que ca­da ven­de­dor pa­ga­ria di­a­ri­a­men­te (100 kwan­zas), des­ti­na­das pa­ra a ma­nu­ten­ção das in­fra-es­tru­tu­ras e pa­ra a re­cu­pe­ra­ção do in­ves­ti­men­to.

En­tre­tan­to, fa­ce à qua­se ine­xis­tên­cia de ven­de­do­res em al­guns mer­ca­do, co­mo o da Es­ta­la­gem e da Fa­pa, ape­nas pa­ra ci­tar (am­bos em Vi­a­na), os mer­ca­dos têm com­pli­ca­do a vi­da dos ad­mi­nis­tra­do­res.

Por es­sa ra­zão, pros­se­gue a fon­te, é que o no­vo go­ver­na­dor de Lu­an­da, Adri­a­no Men­des de Car­va­lho, cri­ou uma co­mis­são pa­ra es­tu­dar as me­lho­res for­mas de terceirização, com o ob­jec­ti­vo de fa­zer re­cei­tas e man­ter os que tra­ba­lham nos mer­ca­dos.

Ao que pre­ten­de se efec­ti­var, com ba­se no con­tra­to de terceirização en­tre as ad­mi­nis­tra­ções mu­ni­ci­pais e os ges­to­res pri­va­dos, 30 por cen­to das re­cei­tas de­vem re­ver­ter aos co­fres do Es­ta­do e 70 por cen­to pa­ra o pri­va­do que de­ve man­ter o fun­ci­o­na­men­to nor­mal dos mer­ca­dos.

Por is­so, no mer­ca­do do Ki­ko­lo, em Ca­cu­a­co já se fa­la da terceirização do mer­ca­do e al­guns tra­ba­lha­do­res afec­tos a ad­mi­nis­tra­ção do mer­ca­do te­mem pe­lo des­pe­di­men­to.

Quan­to ren­dem?

Na­qui­lo que o JE apu­rou, por exem­plo o mer­ca­do do Ki­co­lo con­tro­la 6.800 ven­de­do­res e ar­re­ca­da cer­ca de 680 mil kwan­zas di­a­ri­a­men­te, des­se va­lor, se­gun­do uma fon­te da ad­mi­nis­tra­ção do mer­ca­do, 25 por cen­to é pa­ra os co­fres do Es­ta­do e o res­tan­te fi­ca pa­ra as des­pe­sas de ma­nu­ten­ção do mer­ca­do.

No en­tan­to, se o mer­ca­do do Ki­ko­lo com 6.800 ven­de­do­res ren­de di­a­ri­a­men­te 680 mil kwan­zas, quan­to fac­tu­ra o do Km 30 que con­tro­lo mais de 3 mil ven­de­do­res?

As­sim, se­gun­do apu­rou o JE, o mer­ca­do dos Kwan­zas con­tro­la cer­ca de 5.400 ven­de­do­res, o do Asa Bran­ca 4.500, Ma­bun­da 400, Ar­te­sa­na­to 329 ven­de­do­res.

Nu­ma das en­tre­vis­tas con­ce­di­das à im­pren­sa pe­lo an­ti­go go­ver­na­dor de Lu­an­da, Hi­gi­no Car­nei­ro, quan­do qu­es­ti­o­na­do so­bre as re­cei­tas saí­das do mer­ca­do do 30, nes­ta fa­se de di­ver­si­fi­ca­ção da eco­no­mia, o go­ver­na­dor ar­gu­men­tou que os ren­di­men­tos pro­ve­ni­en­tes do 30 são in­ci­pi­en­tes, por is­so o que se pre­ten­de é a sua qua­li­da­de.

Se­gun­do o go­ver­nan­te, o 30 é um mer­ca­do abas­te­ce­dor de Lu­an­da e po­de ser me­lhor tra­ta­do, aco­mo­dan­do me­lhor as pes­so­as, me­lho­ran­do a qua­li­da­de do pró­prio mer­ca­do, o sis­te­ma viá­rio, o es­ta­ci­o­na­men­to clas­si­fi­can­do-o por área, co­lo­can­do água, ener­gia eléc­tri­ca, re­for­çan­do a se­gu­ran­ça e um con­tro­lo mai­or das pes­so­as que cir­cu­lam no lo­cal.

No en­tan­to, há mer­ca­dos que além da co­bran­ça ta­xa diá­ria de 100, tem ou­tros ser­vi­ços co­mo de par­que­a­men­to de vi­a­tu­ras e de con­ge­la­ção de fres­cos,

O GO­VER­NO DE LU­AN­DA CRI­OU UMA CO­MIS­SÃO PA­RA ES­TU­DAR A ME­LHOR FOR­MA DE TERCEIRIZAÇÃO DOS MER­CA­DOS DE FA­ZER RE­CEI­TAS

co­mo os do Asa Bran­ca e Ki­ko­lo e Kwan­zas.

No mer­ca­do do Ki­ko­lo e do Km 30 por exem­plo, há uma equi­pa de jo­vens, au­to­ri­za­dos ou não pe­la ad­mi­nis­tra­ção do mer­ca­do, que se de­di­ca a co­bran­ça de va­lo­res aos os jo­vens que an­dam com os car­ros de mão pa­ra le­var os pro­du­tos dos com­pra­do­res das ban­ca­das pa­ra as vi­a­tu­ras.

To­dos es­ses ser­vi­ços ren­dem re­cei­tas que se­gu­ra­men­te, que se fos­sem en­ca­mi­nha­dos aos co­fres do Es­ta­do ser­vi­ria pa­ra co­brir al­gum dé­fi­ce.

EDI­ÇÕES NO­VEM­BRO

Mai­or ar­re­ca­da­ção de re­cei­tas pro­ve­ni­en­te do sec­tor in­for­mal pas­sa por uma or­ga­ni­za­ção dos ser­vi­ços ad­mi­nis­tra­ti­vos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.