Ven­da am­bu­lan­te no Cui­to ren­de mais de 18 mi­lhões

A ad­mi­nis­tra­ção co­mu­nal as­se­gu­ra que ape­sar do va­lor ar­re­ca­da­do ain­da re­gis­ta-se mui­ta fu­ga ao fis­co pois mui­tos ven­de­do­res co­mer­ci­a­li­zam em lo­cais não in­di­ca­dos

Jornal de Economia & Financas - - Destaque - Del­fi­na Vic­to­ri­no no cui­to

Vin­te e três mer­ca­dos in­for­mais e dois for­mais es­tão con­tro­la­dos pe­la ad­mi­nis­tra­ção mu­ni­ci­pal do Cui­to, Bié, se­gun­do a ad­mi­nis­tra­do­ra mu­ni­ci­pal ad­jun­ta pa­ra Área So­ci­al e Eco­nó­mi­ca, Ângela Ucu­ei­an­ga.

A ges­to­ra sa­li­en­tou que os mer­ca­dos in­for­mais es­tão a sur­gir na pro­vín­cia com a cri­a­ção de pe­que­nos fo­cos de co­mer­ci­an­tes a pro­cu­ra de cli­en­te­la.

Os mer­ca­dos mu­ni­ci­pais do Cui­to e do Chis­sin­do, são os úni­cos cri­a­dos e cons­truí­dos pe­lo go­ver­no lo­cal com ob­jec­ti­vo de me­lho­rar as con­di­ções de ven­da dos pro­du­tos, dis­se.

Se­gun­do a ad­mi­nis­tra­do­ra, os 23 mer­ca­dos ren­de­ram em 2017, cer­ca de 18 mi­lhões 623 mil 773 kwan­zas, no mu­ni­cí­pio do Cui­to, pro­ve­ni­en­te de vá­ri­os ser­vi­ços, ex­pli­cou a ad­mi­nis­tra­do­ra-mu­ni­ci­pal ad­jun­ta.

Ângela Ucu­ei­an­ga, re­co­nhe­ceu ser um va­lor ín­fi­mo ten­do em con­ta o vo­lu­me da ac­ti­vi­da­de eco­nó­mi­ca e a ex­pan­são diá­ria do mu­ni­cí­pio.

Dez fis­cais fa­zem o con­tro­lo de 750 ven­de­do­res no mai­or mer­ca­do pa­ra­le­lo do Chis­sin­do, lo­ca­li­za­do na pe­ri­fe­ria do mu­ni­cí­pio.

Ângela Ucu­ei­an­ga, as­se­gu­rou ain­da ser im­pos­sí­vel pre­ci­sar os da­dos men­sais ar­re­ca­da­dos por ca­da mer­ca­do ten­do em con­ta a de­sis­tên­cia de mui­tos ven­de­do­res nes­te lo­cais.

A res­pon­sa­vel acres­cen­tou, que a com­par­ti­ci­pa­ção dos ven­de­do­res dos mer­ca­dos pa­ra­le­los, os ates­ta­dos de re­si­dên­cia e a le­ga­li­za­ção de ter­re­nos, são ser­vi­ços que aju­dam a ad­mi­nis­tra­ção na ar­re­ca­da­ção de re­cei­tas.

Em re­la­ção à fu­ga ao fis­co, Ângela Ucu­ei­an­ga, sa­li­en­tou que es­tá a ser fei­to um tra­ba­lho de sen­si­bi­li­za­ção pa­ra de­sen­co­ra­jar a prá­ti­ca com ob­jec­ti­vo de or­ga­ni­zar os ven­de­do­res em lo­cais apro­pri­a­dos.

Os ven­de­do­res que exer­cem a ati­vi­da­de eco­nó­mi­ca em qual­quer lo­cal da ar­té­ria ur­ba­na ou pe­ri­fé­ri­ca do mu­ni­cí­pio, não par­ti­ci­pam na con­tri­bui­ção de va­lo­res pa­ra a lim­pe­za, lem­brou.

“Di­a­ri­a­men­te os ven­de­do­res dos mer­ca­dos do Chis­sin­do e mu­ni­ci­pal pa­gam uma ta­xa que ser­ve pa­ra a lim­pe­za e a se­gu­ran­ça dos seus pro­du­tos”, in­for­mou.

A ad­mi­nis­tra­do­ra mu­ni­ci­pal ad­jun­ta, acen­tu­ou que a re­co­lha dos aglo­me­ra­dos fo­cos de li­xo, são re­a­li­za­das e pa­gas à em­pre­sa que efec­tua a lim­pe­za com a con­tri­bui­ção das ta­xas de com­par­ti­ci­pa­ção.

Ven­de­do­res que­rem mais hi­gi­e­ne

O“JE” fez uma ron­da no mai­or mer­ca­do pa­ra­le­lo do Chis­sin­do, ar­re­do­res da pe­ri­fe­ria da ci­da­de do Cui­to e cons­ta­tou a de­gra­da­ção da via que dá aces­so ao seu in­te­ri­or e a exis­tên­cia de amon­to­a­dos de li­xo.

Ma­ri­a­no Ki­zen­go de 36 anos de ida­de, ven­de­dor de bi­ju­te­ri­as e apli­ca­ções de ca­be­los bra­si­lei­ros, dis­se que “te­nho du­as ban­ca­das e a ca­da ven­de­dor é da­do ape­nas um me­tro pa­ra a ven­da dos seus pro­du­tos. Pa­go di­a­ri­a­men­te 200 kwan­zas co­bra­dos pe­los fis­cais”, dis­se.

An­tó­nia Lus­saty, de 28 anos de ida­de ven­de­do­ra de le­gu­mes lem­brou que men­sal­men­te pa­gam mil kwan­zas pa­ra a se­gu­ran­ça do mer­ca­do além dos cem pa­gos di­a­ri­a­men­te aos fis­cais.

De acor­do com a ven­de­dei­ra, o pa­ga­men­to de 1000 kwan­zas pa­ra os se­gu­ran­ças foi fei­to de mú­tuo acor­do en­tre os ven­de­do­res e a ad­mi­nis­tra­ção do mer­ca­do.

“Nós pa­ga­mos a se­gu­ran­ça do mer­ca­do por­que con­cor­da­mos com a pro­pos­ta da­da pe­la ad­mi­nis­tra­ção na pro­tec­ção dos nos­sos pro­du­tos e te­mos vis­to a me­lho­ria dos ser­vi­ços”, as­se­gu­rou.

Pa­ra Ja­o­quim Al­ber­to, ven­de­dor de cal­ça­dos e rou­pas, a se­gu­ran­ça au­men­tou e o nú­me­ro de rou­bos re­du­ziu de for­ma sa­tis­fa­tó­ria.

“Por is­so, acei­ta­mos pa­gar mil kwan­zas de di­fe­ren­ça pa­ra man­ter os nos­sos pro­du­tos em or­dem”, de­cla­rou.

EDI­ÇÕES NO­VEM­BRO

Ape­sar do pa­ga­men­to das ta­xas, mui­tas qui­tan­dei­ras ain­da ven­dem em lo­cais sem as mí­ni­mas con­di­ções um fac­tor qu­er tam­bém re­ti­ra ren­da ao Go­ver­no

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.