Re­pa­tri­ar ca­pi­tais sem obri­ga­ção fis­cal

O do­cu­men­to que con­tém cinco ca­pí­tu­los foi ana­li­sa­do na quarta-fei­ra des­ta se­ma­na em reu­nião do Con­se­lho de Mi­nis­tros an­tes de ser re­me­ti­do à As­sem­bleia Na­ci­o­nal (AN) para a sua apre­ci­a­ção

Jornal de Economia & Financas - - Primeira Página -

1 - A pre­sen­te lei é apli­cá­vel às pes­so­as sin­gu­la­res re­si­den­tes na­ci­o­nais e às pes­so­as co­lec­ti­vas com se­de, ou do­mi­cí­lio no ter­ri­tó­rio na­ci­o­nal e que se­jam ti­tu­la­res de re­cur­sos fi­nan­cei­ros do­mi­ci­li­a­dos no ex­te­ri­or do País.

2- O dis­pos­to na pre­sen­te lei não é apli­cá­vel às pes­so­as sin­gu­la­res re­si­den­tes na­ci­o­nais que, à da­ta an­te­ri­or à en­tra­da em vi­gor da pre­sen­te lei, te­nham si­do con­de­na­das ju­di­ci­al­men­te ou que es­te­jam na con­di­ção de in­di­ci­a­das em inqué­ri­to po­li­ci­al ou que se­jam réus em ac­ção pe­nal ou pro­ces­so ad­mi­nis­tra­ti­vo pe­la prá­ti­ca de cri­mes que te­nham re­la­ção com os re­cur­sos ili­ci­ta­men­te de­ti­dos ou re­pa­tri­a­dos para o ex­te­ri­or, de­sig­na­da­men­te os se­guin­tes: a) ter­ro­ris­mo, in­clu­si­ve o seu fi­nan­ci­a­men­to; b) trá­fi­co de pes­so­as; c) trá­fi­co de órgãos; d) trá­fi­co ilí­ci­to de subs­tân­ci­as en­tor­pe­cen­tes ou dro­gas afins; e) con­tra­ban­do ou trá­fi­co de ar­mas, mu­ni­ções ou ma­te­ri­al des­ti­na­do à sua pro­du­ção; f) por­no­gra­fia in­fan­til, in­clu­si­ve via in­ter­net; g) se­gu­ran­ça do Es­ta­do; h) ex­tor­são me­di­an­te se­ques­tro.

3- En­ten­de-se por Re­cur­sos fi­nan­cei­ros: os de­pó­si­tos ban­cá­ri­os, à or­dem, a pra­zo ou na for­ma de

cer­ti­fi­ca­dos de de­pó­si­to ou de afor­ro; “Con­ta de de­pó­si­to ban­cá­rio”: qual­quer con­ta ban­cá­ria aberta para cons­ti­tui­ção de uma das mo­da­li­da­des de de­pó­si­to pre­vis­tas no Aviso nº 10/2016, de 18 de Ju­lho de 2016; “Be­ne­fi­ciá­rio efec­ti­vo”: as pes­so­as sin­gu­la­res pro­pri­e­tá­ri­as últimas ou de­ten­to­ras do con­tro­lo fi­nal de um cli­en­te ou as pes­so­as no in­te­res­se da qual é efec­tu­a­da uma ope­ra­ção, con­for­me dis­põe alí­nea b) do ar­ti­go 2º da Lei nº 34/11, de 12 de De­zem­bro; Re­fe­rên­ci­as a ti­tu­la­res de re­cur­sos fi­nan­cei­ros in­clu­em os seus be­ne­fi­ciá­ri­os efec­ti­vos, qu­an­do apli­cá­vel.

4- O re­pa­tri­a­men­to de re­cur­sos fi­nan­cei­ros se­rá con­si­de­ra­do: vo­lun­tá­rio, qu­an­do efec­tu­a­do du­ran­te o pe­río­do de 180 dias a con­tar da da­ta da en­tra­da em vi­gor da pre­sen­te lei, apli­can­do-se nes­se ca­so os pro­ce­di­men­tos e efei­tos re­fe­ri­dos no Ca­pí­tu­lo II. Co­er­ci­vo, qu­an­do não efec­tu­a­do no pra­zo es­ta­be­le­ci­do no número an­te­ri­or e qu­an­do os re­cur­sos fi­nan­cei­ros são pro­ve­ni­en­tes de ope­ra­ções com­pro­va­da­men­te ilí­ci­tas, apli­can­do-se nes­se ca­so os pro­ce­di­men­tos do Ca­pí­tu­lo III da pre­sen­te lei

5 - O pro­ce­di­men­to para o re­pa­tri­a­men­to dos re­cur­sos fi­nan­cei­ros cor­re os seus trâ­mi­tes jun­to das ins­ti­tui­ções ban­cá­ri­as do­mi­ci­li­a­das no ter­ri­tó­rio na­ci­o­nal sob su­per­vi­são do Ban­co Na­ci­o­nal de An­go­la

6 - As pes­so­as sin­gu­la­res e co­lec­ti­vas que pre­ten­dem re­pa­tri­ar os seus re­cur­sos fi­nan­cei­ros ao abri­go da alí­nea a) do ar­ti­go 4º e con­se­quen­te­men­te be­ne­fi­ci­ar dos efei­tos pre­vis­tos no ar­ti­go 8º,de­vem: trans­fe­ri-los para uma con­ta de de­pó­si­to ban­cá­rio aberta em seu no­me, jun­to de uma ins­ti­tui­ção fi­nan­cei­ra ban­cá­ria do­mi­ci­li­a­da em ter­ri­tó­rio na­ci­o­nal, ou; apli­cá-los em ins­tru­men­tos fi­nan­cei­ros que ve­nham a ser es­pe­ci­fi­ca­men­te cri­a­dos para o efei­to nos ter­mos pre­vis­tos no ar­ti­go 16º da pre­sen­te lei

7- Os ti­tu­la­res dos re­cur­sos fi­nan­cei­ros trans­fe­ri­dos ou apli­ca­dos nos ter­mos do número an­te­ri­or es­tão dis­pen­sa­dos de de­cla­rar a sua ori­gem.

8 - É ve­da­da a di­vul­ga­ção ou uti­li­za­ção in­de­vi­da das in­for­ma­ções re­la­ti­vas a qual­quer re­pa­tri­a­ção de re­cur­sos fi­nan­cei­ros efec­tu­a­da nos ter­mos do Ca­pí­tu­lo II da pre­sen­te

lei em qual­quer for­ma­to ou para qual­quer fi­na­li­da­de

9 - Para efei­tos do dis­pos­to no número an­te­ri­or, é as­se­gu­ra­do às en­ti­da­des que re­pa­tri­am os seus re­cur­sos fi­nan­cei­ros ao abri­go da alí­nea a)do ar­ti­go 4º, o si­gi­lo ban­cá­rio e fis­cal so­bre as in­for­ma­ções pres­ta­das e os va­lo­res re­pa­tri­a­dos, nos ter­mos pre­vis­tos na Lei de Ba­ses das Ins­ti­tui­ções Fi­nan­cei­ras e nor­mas ou re­gu­la­men­tos com­ple­men­ta­res apli­cá­veis, bem co­mo no Có­di­go Ge­ral Tri­bu­tá­rio e le­gis­la­ção fis­cal com­ple­men­tar.

10 - Sem pre­juí­zo de ou­tras san­ções apli­cá­veis, a vi­o­la­ção do de­ver de se­gre­do pre­vis­to no número an­te­ri­or é pu­ní­vel nos ter­mos do Có­di­go Pe­nal.

11 - O re­pa­tri­a­men­to vo­lun­tá­rio dos re­cur­sos efec­tu­a­do nos ter­mos pre­vis­tos na alí­nea a) do ar­ti­go 4º da pre­sen­te lei, pro­duz os se­guin­tes efei­tos: ex­tin­ção das obri­ga­ções fis­cais pas­sa­das re­la­ci­o­na­das com os re­cur­sos fi­nan­cei­ros re­pa­tri­a­dos, sem pre­juí­zo da even­tu­al tri­bu­ta­ção de­cor­ren­te da ve­ri­fi­ca­ção de fac­tos tri­bu­tá­ri­os fu­tu­ros; ex­clu­são de toda e qual­quer res­pon­sa­bi­li­da­de por even­tu­ais in­frac­ções fis­cais, cam­bi­ais e cri­mi­nais re­la­ci­o­na­das com os re­fe­ri­dos re­cur­sos.

12 - Os efei­tos pre­vis­tos no número an­te­ri­or ve­ri­fi­cam-se, ain­da que à da­ta da re­pa­tri­a­ção dos re­cur­sos fi­nan­cei­ros, já te­nha ti­do iní­cio pro­ce­di­men­to pe­nal, trans­gres­si­o­nal ou con­tra­ven­ci­o­nal so­bre os mesmos re­cur­sos.

13 - Para efei­tos do dis­pos­to no número an­te­ri­or, a ex­tin­ção dos res­pec­ti­vos pro­ce­di­men­tos ou pro­ces­sos fi­ca de­pen­den­te da trans­fe­rên­cia efec­ti­va dos re­cur­sos fi­nan­cei­ros para con­ta de de­pó­si­to ban­cá­rio jun­to de uma ins­ti­tui­ção fi­nan­cei­ra ban­cá­ria do­mi­ci­li­a­da no País.

14 - Es­tão igual­men­te abran­gi­das pe­los efei­tos pre­vis­tos no pre­sen­te ar­ti­go as pes­so­as sin­gu­la­res e co­lec­ti­vas­que àda­ta da pu­bli­ca­ção da pre­sen­te lei já te­nham re­pa­tri­a­do os seus re­cur­sos fi­nan­cei­ros para uma con­ta de de­pó­si­to ban­cá­rio man­ti­da jun­to de ins­ti­tui­ção fi­nan­cei­ra do­mi­ci­li­a­da no País.

15 - As in­for­ma­ções e do­cu­men­tos re­la­ti­vos à ope­ra­ção de trans­fe­rên­cia

dos re­cur­sos fi­nan­cei­ros efec­tu­a­da nos ter­mos des­te Ca­pí­tu­lo II, não po­dem ser uti­li­za­dos co­mo in­dí­cio ou ele­men­to para efei­tos de qual­quer pro­ce­di­men­to fis­cal, cam­bi­al, pe­nal ou con­tra­ven­ci­o­nal.

16 - Con­si­de­ra-se cum­pri­do o re­qui­si­to de re­pa­tri­a­ção pre­vis­to na alí­nea a) do ar­ti­go 4ºda pre­sen­te lei, qu­an­do: não se­ja pos­sí­vel, por ra­zões de or­dem le­gal ou ad­mi­nis­tra­ti­va, o re­pa­tri­a­men­to dos re­cur­sos fi­nan­cei­ros; e o ti­tu­lar dos re­cur­sos fi­nan­cei­ros en­tre­ga ao Ban­co Na­ci­o­nal de An­go­la, no pra­zo de re­pa­tri­a­men­to vo­lun­tá­rio, uma de­cla­ra­ção emi­ti­da pe­la ins­ti­tui­ção de do­mi­ci­li­a­ção dos re­fe­ri­dos re­cur­sos ou ou­tra en­ti­da­de le­gal com competência para tal, con­for­me o ca­so, a con­fir­mar e jus­ti­fi­car a im­pos­si­bi­li­da­de le­gal ou ad­mi­nis­tra­ti­va de re­pa­tri­a­men­to do re­fe­ri­do valor, e o pra­zo pre­vis­to de du­ra­ção do im­pe­di­men­to.

17 - O re­pa­tri­a­men­to de­ve ser efec­tu­a­do lo­go que se ve­ri­fi­que a ces­sa­ção do fac­to im­pe­di­ti­vo. Sem pre­juí­zo do dis­pos­to no número an­te­ri­or, com­pe­te ao Ban­co Na­ci­o­nal de An­go­la es­ta­be­le­cer as ins­tru­ções jul­ga­das ne­ces­sá­ri­as, ten­do em vis­ta o re­fe­ri­do re­pa­tri­a­men­to.

18 - Os re­cur­sos fi­nan­cei­ros pro­ve­ni­en­tes de ope­ra­ções com­pro­va­da­men­te ilí­ci­tas que não te­nham si­do re­pa­tri­a­dos no pra­zo re­fe­ri­do na alí­nea a) do ar­ti­go 4º da pre­sen­te lei es­tão su­jei­tos ao re­pa­tri­a­men­to co­er­ci­vo.

19 - Fin­do o pe­río­do es­ta­be­le­ci­do no nº 2 do ar­ti­go 4º da pre­sen­te lei, os órgãos com­pe­ten­tes do Es­ta­do de­vem de­sen­ca­de­ar os pro­ce­di­men­tos e me­ca­nis­mos le­gais, ju­di­ci­ais e ad­mi­nis­tra­ti­vos ca­bí­veis ao ca­so, ten­do em vis­ta a re­cu­pe­ra­ção dos re­cur­sos fi­nan­cei­ros man­ti­dos no ex­te­ri­or do país, não re­pa­tri­a­dos vo­lun­ta­ri­a­men­te nos ter­mos da pre­sen­te lei, de­cor­ren­tes de ope­ra­ções ilí­ci­tas.

20 - Com­pe­te ao Ti­tu­lar do Poder Exe­cu­ti­vo cri­ar ou atri­buir a uma es­tru­tu­ra or­gâ­ni­ca es­pe­cí­fi­caa mis­são de iden­ti­fi­ca­ção e re­cu­pe­ra­ção de re­cur­sos fi­nan­cei­ros re­me­ti­dos ou man­ti­dos no ex­te­ri­or do País, em vi­o­la­ção da le­gis­la­ção apli­cá­vel.

21 - Para o efei­to, de­vem ser as­se­gu­ra­dos me­ca­nis­mos cé­le­res e efi­ca­zes de in­ter­câm­bio de in­for­ma­ções ju­di­ci­ais e fi­nan­cei­ras

atra­vés da ce­le­bra­ção de acor­dos bi­la­te­rais ou mul­ti­la­te­rais com paí­ses ter­cei­ros que se jul­ga­rem con­ve­ni­en­tes para o efei­to.

22 - Para efei­tos do dis­pos­to na pre­sen­te lei, os re­cur­sos fi­nan­cei­ros re­pa­tri­a­dos con­ser­vam, no mo­men­to e após a sua trans­fe­rên­cia, a uni­da­de mo­ne­tá­ria de ori­gem.

23 - 23-As con­tas de de­pó­si­to ban­cá­rio em mo­e­da es­tran­gei­ra re­sul­tan­tes do re­pa­tri­a­men­to de re­cur­sos fi­nan­cei­ros po­dem ser mo­vi­men­ta­das nos ter­mos da Lei nº 5/97, de 27 de Ju­nho – Lei Cam­bi­al e nor­mas ou re­gu­la­men­tos com­ple­men­ta­res apli­cá­veis.

24 - Com­pe­te ao Ti­tu­lar do Poder Exe­cu­ti­vo cri­ar, de acor­do com a Cons­ti­tui­ção e a Lei, ins­tru­men­tos fi­nan­cei­ros com­ple­men­ta­res para o re­pa­tri­a­men­to de re­cur­sos fi­nan­cei­ros de­ti­dos no ex­te­ri­or do País, as­sim co­mo de­fi­nir os prin­cí­pi­os re­gu­la­men­ta­res e os pro­ce­di­men­tos ne­ces­sá­ri­os à boa exe­cu­ção do pre­sen­te re­gi­me le­gal.

25 - As en­ti­da­des que re­pa­tri­a­ram os seus fun­dos ao abri­go do Ca­pí­tu­lo II da pre­sen­te Lei de­vem man­ter em ar­qui­vo, pe­lo pe­río­do de 10 anos, có­pia dos do­cu­men­tos com­pro­va­ti­vos dos re­fe­ri­dos re­pa­tri­a­men­tos

26 - A pre­sen­te Lei en­tra em vi­gor no dia se­guin­te ao da sua pu­bli­ca­ção.

A EX­PE­RI­ÊN­CIA FOI COLHIDA EM OU­TROS ORDENAMENTOS JURÍDICOS DA RE­GIÃO E DE OU­TRAS PAR­TES DO MUN­DO NO­ME­A­DA­MEN­TE, ES­TA­DOS DA CPLP, DA UNIÃO EU­RO­PEIA, NIGÉRIA, BRA­SIL, ARGENTINA, MÉXICO, TURQUIA E ES­TA­DOS UNI­DOS DA AMÉRICA

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.