“Es­tra­té­gia eco­nó­mi­ca do país não de­ve ser con­cre­ti­za­da de for­ma am­bí­gua”

Jornal de Economia & Financas - - Primeira Página - Lito Sil­va Economista e do­cen­te uni­ver­si­tá­rio

Ao re­ce­ber o con­vi­te para te­cer al­gu­mas con­si­de­ra­ções so­bre o OGE 2018, sen­ti al­gu­ma re­lu­tân­cia em fa­zê-lo, uma vez que na al­tu­ra, o mes­mo já ha­via si­do mui­to de­ba­ti­do. Con­tu­do, pon­de­ran­do os fac­tos, ve­ri­fi­quei que po­de­ria abor­dar a ques­tão sob um pris­ma de certa for­ma di­fe­ren­te, mas igual­men­te per­ti­nen­te e ain­da não ex­plo­ra­do.

An­tes da aná­li­se pro­pri­a­men­te di­ta, jul­go per­ti­nen­te re­al­çar que o or­ça­men­to em si é sem­pre um do­cu­men­to con­ta­bi­lís­ti­co per­fei­to do pon­to de vis­ta téc­ni­co. Cla­ro que não podemos ne­gar de qual­quer mo­do as ha­bi­tu­ais as­si­me­tri­as. Con­tu­do, fun­da­men­tar a dis­cus­são nes­se pres­su­pos­to, ten­de a des­lo­car o cer­ne da abor­da­gem para as­pec­tos não es­sen­ci­ais. Pre­fi­ro, por­tan­to, fa­zer a abor­da­gem nou­tra pers­pec­ti­va, mas an­tes e para me­lhor fun­da­men­tar, ba­seio-me em dois fac­tos im­por­tan­tes: o OGE 2017 e a me­di­da de su­pres­são de sub­ven­ção aos combustíveis no fi­nal de 2016. Im­por­ta re­cor­dar que já na al­tu­ra o OGE 2017 fa­zia a pre­vi­são de um dé­fi­ce na or­dem que dos 5,8 por cen­to do PIB, re­sul­tan­do a su­pres­são do sub­sí­dio – após a apro­va­ção do OGE – co­mo uma fer­ra­men­ta de su­a­vi­za­ção do dé­fi­cit. Na al­tu­ra, pu­de ma­ni­fes­tar a mi­nha opinião so­bre o as­sun­to na MFM, cha­man­do a atenção para o fac­to de que a fer­ra­men­ta tem impacto po­si­ti­vo num cur­to pra­zo, mas de­ve ser se­cun­da­da por ou­tros me­ca­nis­mos vi­san­do pre­ve­nir ou de­be­lar uma con­se­quen­te al­ta dos preços. Ou se­ja, den­tre ou­tros efei­tos ne­fas­tos, a su­pres­são do sub­sí­dio aos combustíveis, num cur­to pra­zo, ala­van­ca a te­sou­ra­ria, mas a mé­dio-lon­go pra­zo ten­de a fun­ci­o­nar co­mo um pro­pul­sor de preços, in­du­zin­do a economia num ci­clo in­fla­ci­o­ná­rio. Com efei­to, nos pri­mór­di­os de 2017, a nos­sa economia re­gis­tou uma for­te ten­dên­cia in­fla­ci­o­ná­ria. Sen­do pre­ci­sa­men­te o mês de Ja­nei­ro, o mo­men­to do pi­co e os me­ses de Agos­to/Se­tem­bro os me­ses em que se ob­te­ve uma estabilização em baixa e is­so se­gu­ra­men­te de­vi­do a me­di­das de con­ten­ção apli­ca­das co­mo in­tui­to de mi­ni­mi­zar os efei­tos co­la­te­rais ne­ga­ti­vos sub­ja­cen­tes ao aci­o­na­men­to da fer­ra­men­ta atrás men­ci­o­na­da. Con­tu­do, apa­ren­te­men­te a me­di­da apli­ca­da ao con­tro­lo da in­fla­ção foi o con­ge­la­men­to da des­pe­sa. Is­so se por um la­do sus­te­ve a ten­dên­cia in­fla­ci­o­ná­ria. Não a eli­mi­nan­do, mas man­ten­do-a em níveis su­por­tá­veis, in­fe­liz­men­te por ou­tro la­do cri­ou ou­tro pro­ble­ma uma vez que es­tag­nou a economia. Fa­zen­do uma ana­lo­gia sim­pli­fi­ca­ti­va, era co­mo se para com­ba­ter­mos a ra­po­sa que en­trou no ga­li­nhei­ro, pu­sés­se­mos lá den­tro também um ti­gre – As­sim, a economia que já apre­sen­ta­va for­te ten­dên­cia in­fla­cio- ná­ria, en­trou em es­tag­na­ção da­da a fal­ta de va­lo­res, pois o com­bus­tí­vel e lu­bri­fi­can­te dos mer­ca­dos en­tran­do a economia num es­ta­do de es­tag­fla­ção, co­mo aliás não dei­xou de ser re­fe­ri­do na con­fe­rên­cia de imprensa da equipa eco­nó­mi­ca do Exe­cu­ti­vo an­go­la­no.

Vol­te­mos en­tão ao OGE 2018 e à sua aná­li­se. Aten­te­mos ao fac­to de que a pre­vi­são de 52,38 por cen­to de do­ta­ção de valor para su­por­te à dí­vi­da pú­bli­ca po­de sig­ni­fi­car a in­ten­ção de es­ti­mu­lar a economia até en­tão es­tag­na­da. E em­bo­ra os ana­lis­tas que já ti­ve­ram a opor­tu­ni­da­de de abor­dar a ques­tão de­fen­dam a te­se de au­di­tar a dí­vi­da – por in­fe­ri­rem que mui­to des­se valor poder cor­res­pon­der à con­tra­ta­ção ir­re­gu­lar – o que da­do o nos­so his­to­ri­al de con­tra­ta­ção pú­bli­ca é com­pre­en­sí­vel. No en­tan­to, pre­fi­ro dei­xar mo­men­ta­ne­a­men­te es­sa ques­tão co­mo “con­tas de ou­tro ro­sá­rio” e cin­gir-me ao as­pec­to can­den­te do mo­men­to. A economia ne­ces­si­ta efec­ti­va­men­te de um es­tí­mu­lo para de­be­lar a cri­se. Por ou­tro la­do, e liberalização cam­bi­al, sig­ni­fi­ca mais uma vez o re­cur­so da fer­ra­men­ta mo­ne­tá­rio fi­nan­cei­ra para por um la­do ge­rar valor ne­ces­sá­rio para col­ma­tar o dé­fi­ce or­ça­men­tal, por ou­tro la­do para es­ti­mu­lar os mer­ca­dos – aqui cha­ma-se a atenção para o cui­da­do que se de­ve ter da­do o fac­to de as ex­por­ta­ções se­rem lar­ga­men­te de­fi­ci­tá­ri­as em re­la­ção às im­por­ta­ções, o que po­de­rá re­sul­tar num ce­ná­rio de mé­dio que a es­ta­bi­li­da­de do mercado cam­bi­al se­ja fei­to à cus­ta das reservas lí­qui­das na­ci­o­nais – en­tre­tan­to re­co­nhe­ce-se que, es­sa fer­ra­men­ta se ade­qua per­fei­ta­men­te co­mo pa­le­a­ti­vo de cur­to, pra­zo. E é exac­ta­men­te nes­te pon­to, on­de re­si­de o pro­ble­ma; es­sa me­di­da, tem si­do re­pe­ti­da­men­te apli­ca­da com li­gei­ras va­ri­a­ções de for­ma­to, mas sen­do es­sen­ci­al­men­te a mes­ma coi­sa, is­to é: Fer­ra­men­ta mo­ne­tá­rio-fi­nan­cei­ra para col­ma­tar o dé­fi­cit, estabilização cam­bi­al com for­te in­ter­ven­ção do ban­co central e con­tro­lo da in­fla­ção com re­cur­so ao con­ge­la­men­to da des­pe­sa pú­bli­ca – ob­ser­vem o OGE 2017, 16 e an­te­ri­o­res – e em to­dos es­ses cenários, o go­ver­no lan­ça sem­pre um pro­gra­ma de re­di­men­si­o­na­men­to, de re­es­tru­tu­ra­ção ou de qual­quer ou­tra ín­do­le a ní­vel eco­nó­mi­co. É cla­ro que a apli­ca­ção da me­di­da pa­le­a­ti­va de cur­to pra­zo exi­ge a adop­ção de me­di­das es­tru­tu­ran­tes de re­a­jus­te ma­cro­e­co­nó­mi­co de me­dio/lon­go pra­zo e para o ca­so do ac­tu­al OGE, pe­se em­bo­ra se te­nha pro­pa­la­do um pro­gra­ma de re­a­jus­te, ve­ri­fi­ca­mos que este mais uma vez te­ceu li­nhas ge­rais, sem ser mui­to es­pe­cí­fi­co e é aqui on­de re­si­de toda a mi­nha apre­en­são, uma vez que mais uma vez – mes­mo com um elen­co no­vo – o exe­cu­ti­vo, adop­tou um pro­ce­di­men­to que tem si­do ha­bi­tu­al ao lon­go dos nos­sos pe­no­sos 42 anos co­mo na­ção in­de­pen­den­te; os pro­gra­mas têm si­do apre­sen­ta­dos, e de­pois não se apre­sen­ta o pro­ces­so de mo­ni­to­ra­men­to, o ba­lan­ço de se­gui­men­to e sim­ples­men­te de­sa­pa­re­cem dos ra­da­res de per­cep­ção da so­ci­e­da­de.

Re­gres­san­do ao cer­ne des­te ar­ti­go, que é- o OGE 2018 – que tem que ser ine­vi­ta­vel­men­te agre­ga­do ao pro­gra­ma de re­es­tru­tu­ra­ção, sal­ta à vis­ta que para a ma­te­ri­a­li­za­ção dos fins per­se­gui­dos, várias me­di­das de ca­rác­ter po­lí­ti­co têm que ser adop­ta­das, tais co­mo:

1. Ema­gre­ci­men­to do es­ta­do, de mo­do a re­du­zir a des­pe­sa de ges­tão pú­bli­ca. E aqui im­por­ta re­fe­rir que em­bo­ra se­ja im­por­tan­te, não bas­ta fa­zer a re­du­ção nas es­tru­tu­ras e or­ga­nis­mos da administração do Es­ta­do, Este de­ve mes­mo se des­fa­zer de to­do o pa­tri­mó­nio ti­do co­mo não es­tra­té­gi­co;

2. Na sequên­cia do pro­ces­so de ali­e­na­ção de pro­pri­e­da­de e da cap­ta­ção de investimento pri­va­do – re­co­nhe­cen­do que es­se investimento vi­rá em gran­de par­te do es­tran­gei­ro – o Es­ta­do de­ve apri­mo­rar os me­ca­nis­mos de de­fe­sa do em­pre­go e do em­pre­sa­ri­a­do na­ci­o­nal, sob pe­na de pôr em cau­sa a so­be­ra­nia e/ou im­por­tar de­sem­pre­go, com a cap­ta­ção de investimento es­tran­gei­ro – é cla­ro que no ca­pí­tu­lo da de­fe­sa da na­ci­o­na­li­da­de, de­ve­rão ser cri­a­dos me­ca­nis­mos de in­cen­ti­vo a imi­gra­ção de qua­li­da­de.

3. De­vem ser apri­mo­ra­dos os me­ca­nis­mos de su­per­vi­são e con­tro­lo das ac­ções do exe­cu­ti­vo, bem co­mo das me­di­das de res­pon­sa­bi­li­za­ção efec­ti­va.

4. Pro­vir para que a lei se­ja apli­ca­da de for­ma es­cru­pu­lo­sa, ce­ga e in­fle­xí­vel.

5. Re­cor­rer à fer­ra­men­ta fis­cal para o com­ba­te ao en­ri­que­ci­men­to ilí­ci­to.

6. Apri­mo­ra­men­to dos mé­to­dos de fo­men­to em­pre­sa­ri­al, pri­vi­le­gi­an­do o sec­tor pro­du­ti­vo.

Es­ses pon­tos aqui aflo­ra­dos, de­vem jun­tar-se aos do pro­gra­ma de re­a­jus­ta­men­to, acres­cen­do-se também o com­pro­mis­so de adop­ta­rem-se os de­vi­dos me­ca­nis­mos de mo­ni­to­ri­za­ção da im­ple­men­ta­ção, bem co­mo de apre­sen­ta­ção pon­tu­al da evo­lu­ção do pro­ces­so.

Em su­ma, o OGE 2018 sen­do uma con­sequên­cia di­rec­ta do OGE 2016 e in­di­rec­ta dos exer­cí­ci­os an­te­ri­o­res. Ten­do ain­da em con­si­de­ra­ção o fac­to do con­tex­to em que o mes­mo foi ela­bo­ra­do – on­de para com­ba­ter a ra­po­sa, al­guém co­lo­cou um ti­gre no ga­li­nhei­ro – o mes­mo não tinha mui­ta mar­gem para ser es­tru­tu­ral­men­te di­fe­ren­te do que é (em­bo­ra pu­des­se sê-lo), vis­to que es­sa é uma das for­mas cor­rec­tas de ten­tar al­te­rar o ac­tu­al ce­ná­rio de es­tag­fla­ção com re­la­ti­va es­ta­bi­li­da­de. Con­tu­do, ain­da nos pro­nun­ci­an­do pe­la ana­lo­gia do “ti­gre no ga­li­nhei­ro”; de­pois de ter­mos lá den­tro, uma ra­po­sa, ga­li­nhas, um ti­gre e mui­to san­gue, te­mos que fa­zer qual­quer coi­sa. Mas a gran­de cer­te­za mes­mo é que não te­mos mais mar­gem para fa­lhan­ços; se não fi­zer­mos na­da, o ti­gre co­me to­do o mun­do. Se abri­mos a porta sem es­tra­té­gia, o ti­gre sai e nos co­me, se en­tra­mos no ga­li­nhei­ro, o ti­gre nos agar­ra e nos co­me. Por­tan­to, nes­se mo­men­to em que as úni­cas fer­ra­men­tas que te­mos são a nos­sa in­te­li­gên­cia e o poder de abrir e fe­char a porta, te­mos que adop­tar a es­tra­té­gia certa, sé­ria e con­sis­ten­te. Ora, este é exac­ta­men­te o pon­to em que se en­con­tra eco­no­mi­ca­men­te o nos­so país.

O ce­ná­rio determinado pe­lo con­tex­to ac­tu­al, exi­ge que a es­tra­té­gia - que ain­da não nos foi apresentada - mais do que as li­nhas ge­rais apre­sen­ta­das no pro­pa­la­do pro­gra­ma de re­a­jus­ta­men­to, se­ja assertiva, realística e con­sis­ten­te. O OGE até po­de ser o que nos foi apre­sen­ta­do, com to­dos os seus de­se­qui­lí­bri­os e pon­tos cin­zen­tos. Mas a es­tra­té­gia de im­ple­men­ta­ção sub­ja­cen­te ao mes­mo, não po­de nem ser am­bí­gua, nem va­ga, nem in­con­sis­ten­te, por­que in­fe­liz­men­te já há mui­to es­go­ta­mos a nos­sa ca­pa­ci­da­de de er­rar, e o es­ta­do caó­ti­co da nos­sa economia, já co­me­ça a pôr em cau­sa ques­tões fun­da­men­tais co­mo a nos­sa so­be­ra­nia por ou­tras pa­la­vras e re­cor­ren­do mais uma vez à ana­lo­gia da fan­ta­sia, se o dis­cur­so pom­po­so, as prá­ti­cas po­li­ti­ca­men­te cor­rec­tas, mas eco­no­mi­ca­men­te in­viá­veis, bem que podemos pre­pa­rar-nos para ser­mos “co­mi­dos pe­lo ti­gre”.

O CE­NÁ­RIO DETERMINADO PE­LO CON­TEX­TO AC­TU­AL EXI­GE QUE A ES­TRA­TÉ­GIA, QUE AIN­DA NÃO NOS FOI APRESENTADA, SE­JA ASSERTIVA, REALÍSTICA E CON­SIS­TEN­TE

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.