“Pre­o­cu­pa-me a fal­ta de su­per­vi­são da ban­ca co­mer­ci­al em An­go­la ”

Jornal de Economia & Financas - - Primeira Página -

Acon­jun­tu­ra eco­nó­mi­ca ac­tu­al con­duz os agen­tes eco­nó­mi­cos a re­do­bra­rem os seus es­for­ços e sa­cri­fí­ci­os para que con­jun­ta­men­te com o Es­ta­do se­ja pos­sí­vel ca­na­li­zar for­ças e re­cur­sos para os ca­nais flu­en­tes e trans­pa­ren­tes que pos­si­bi­li­tem a equi­da­de na alo­ca­ção dos re­cur­sos, por este mo­ti­vo é im­por­tan­te apre­sen­tar nes­te fórum al­gu­mas pre­o­cu­pa­ções.Re­gres­san­do ao cer­ne des­te ar­ti­go, que - o OGE 2018 – que tem que ser ine­vi­ta­vel­men­te agre­ga­do ao pro­gra­ma de re­es­tru­tu­ra­ção, sal­ta à vis­ta que para a ma­te­ri­a­li­za­ção dos fins per­se­gui­dos, várias me­di­das de ca­rác­ter po­lí­ti­co têm que ser adop­ta­das, tais co­mo:

Des­de a cri­se pe­tro­lí­fe­ra, que se tor­nou fi­nan­cei­ra, que se tor­nou cam­bi­al e por fim se tor­nou in­fla­ci­o­ná­ria, te­mos mui­to aber­ta­men­te cri­ti­ca­do a ban­ca co­mer­ci­al por ter pra­ti­ca­men­te aban­do­na­do a fun­ção de ban­ca co­mer­ci­al para se tor­nar em me­ras ca­sas de câm­bio, dei­xan­do a con­ces­são de cré­di­to à economia para ou­tras núp­ci­as.

Con­tu­do, há mui­to tempo que também ob­ser­va­mos que o Ban­co Na­ci­o­nal de An­go­la em­bar­cou na mes­ma on­da e ho­je sur­fa­mos to­dos na on­da dos lei­lões e nas ban­das cam­bi­ais, pois en­ten­de­mos que o BNA está a per­der-se ou está a dei­xar para ou­tras núp­ci­as a su­per­vi­são da ban­ca co­mer­ci­al e do mercado fi­nan­cei­ro co­mo um to­do.

Não queremos em­bar­car na crítica fácil que de­fen­dia que o no­vo go­ver­na­dor do BNA seria “sen­sí­vel” de­mais para com os seus “brothers” da ban­ca co­mer­ci­al, por ele mes­mo ter si­do cri­a­do e mol­da­do pe­la ban­ca co­mer­ci­al e as­sim iria fe­char os olhos às su­as fa­lhas e omis­sões ou fa­ci­li­tar o aces­so às di­vi­sas, que são ho­je o fi­let­mig­non do mercado fi­nan­cei­ro na­ci­o­nal.

Não em­bar­ca­mos nem in­cen­ti­va­mos, mas es­ta­mos aten­tos, até por­que vi­bra­mos qu­an­do o se­nhor go­ver­na­dor dis­se que iri­am acabar as ven­das di­rec­tas, pois tinha si­do o mal mai­or da an­te­ri­or go­ver­na­ção do BNA. Con­tu­do, no ins­tru­ti­vo do BNA 01/2018 de 19 de Ja­nei­ro, fi­ca­mos a sa­ber que as ven­das di­rec­tas vol­ta­ram.

E vol­ta­ram não só para o Es­ta­do, por­que para o Es­ta­do en­ten­de-se, com as de­vi­das pre­cau­ções, pois os nos­sos ges­to­res pú­bli­cos nun­ca se mos­tra­ram santos ima­cu­la­dos, mas também para pri­va­dos, o que pa­re­ce um re­gres­so ao pas­sa­do, co­mo nos mos­tra o pa­rá­gra­fo abai­xo.

No pon­to 1, alí­nea 1.3. o ins­tru­ti­vo diz que “Para ope­ra­ções pri­va­das o BNA po­de, com­ple­men­tar­men­te, re­a­li­zar ven­das di­rec- tas aos ban­cos co­mer­ci­ais em fun­ção da procura de­cla­ra­da nos ma­pas de ne­ces­si­da­des de ca­da ban­co nes­te seg­men­to”.

Cla­ra­men­te, sal­vo in­ter­pre­ta­ção mais acer­ta­da, es­ta­mos pe­ran­te um re­gres­so ao pas­sa­do em que a ven­da de di­vi­sas pas­sa­rá ao la­do da jus­te­za do mercado e vai de­pen­der uni­ca­men­te da von­ta­de do se­nhor go­ver­na­dor, e con­ve­nha­mos, to­dos nós acha­mos que des­de Agos­to de 2017 tí­nha­mos mor­to e en­ter­ra­do es­tes fan­tas­mas.

Por ou­tro la­do, mas não me­nos im­por­tan­te, es­ta­mos pre­o­cu­pa­dos por­que pa­re­ce que o se­nhor go­ver­na­do do BNA, só quer sa­ber dos lei­lões, a vi­da do BNA pas­sou a ser ana­li­sa­da de lei­lão em lei­lão, mas sa­be­mos que um ban­co central é mui­to mais do que is­so, e mais, com a par­ti­cu­la­ri­da­de do nos­so ban­co central ter fun­ções que os ou­tros lá fo­ra não têm.

Es­ta­mos pre­o­cu­pa­dos com a fal­ta de su­per­vi­são da ban­ca co­mer­ci­al, na me­di­da em que exis­te o sen­ti­men­to de que os ban­cos con­ti­nu­am a fa­zer o que que­rem dos cli­en­tes sem que o Es­ta­do os pro­te­ja, e aqui o Es­ta­do de­ve­ria ser o BNA. Exis­te o sen­ti­men­to cla­ro de que al­guns PCA´s dos ban­cos con­ti­nu­am a passar a sua im­pu­ni­da­de so­bre to­dos os ou­tros mor­tais.

Fo­mos con­fron­ta­dos com denúncias que afir­mam que o PCA do Ban­co BIC ca­na­li­zou di­vi­sas que são alo­ca­das pe­lo BNA para su­prir ne­ces­si­da­des re­ais dos seus cli­en­tes, para pa­ga­men­tos das su­as empresas e dos seus fa­mi­li­a­res fo­ra de An­go­la. Is­so, a ser ver­da­de, es­ta­re­mos pe­ran­te uma tre­men­da fa­lha de su­per­vi­são do BNA.

Primeiro exi­gi­mos uma in­ves­ti­ga­ção e um ca­bal es­cla­re­ci­men­to e, por ou­tro la­do, queremos sa­ber do se­nhor go­ver­na­dor se, com tan­tos ins­tru­ti­vos que têm fei­tos sair ape­sar de qua­se to­dos ligados às ven­das de di­vi­sas, é pos­sí­vel acon­te­cer esta si­tu­a­ção sem que o BNA te­nha co­nhe­ci­men­to.

Queremos também sa­ber qu­an­do se pa­gam em di­vi­sas os for­ne­ce­do­res ex­ter­nos, é pos­sí­vel sa­ber quem são os ac­ci­o­nis­tas des­tas empresas es­tran­gei­ras, bem co­mo qu­an­do os ban­cos co­mer­ci­ais en­vi­am as ne­ces­si­da­des dos seus cli­en­tes (empresas na­ci­o­nais) para com­pra de di­vi­sas, se não é pos­sí­vel sa­ber quem são os ac­ci­o­nis­tas des­tas empresas?

Pre­ci­sa­mos de ver se o se­nhor go­ver­na­dor tem pu­nho so­bre os seus ex-co­le­gas da ban­ca co­mer­ci­al, por­que so­bre ca­sas de câm­bio (as pe­que­nas) já vi­mos que sim, pre­ci­sa­mos en­ten­der se o BNA tem co­ra­gem de man­dar investigar/au­di­tar/aca­re­ar as ope­ra­ções com es­tran­gei­ros dos ban­cos co­mer­ci­ais e en­con­trar os de­li­tos que to­dos co­nhe­cem, vi­vem e sen­tem na pe­le.

Ob­jec­ti­va­men­te se­nhor Go­ver­na­dor, o seu de­sa­fio não é e nun­ca se­rá es­ta­bi­li­zar o mercado cam­bi­al com ban­das cam­bi­ais e ou­tras ar­ti­ma­nhas, até por­que to­dos te­mos ple­na noção de que nun­ca con­se­gui­rá fa­zer se não hou­ver en­tra­da de mo­e­da es­tran­gei­ra que com­pen­se a procura ac­tu­al.

O seu gran­de de­sa­fio é co­lo­car os ban­cos co­mer­ci­ais em or­dem, co­lo­cá-los a tra­ba­lhar para os seus cli­en­tes e não para si mes­mo e prin­ci­pal­men­te, obri­gá-los de fac­to (e não com ins­tru­ti­vos) a con­ce­der cré­di­tos à economia, coi­sa que dei­xa­ram de fa­zer há mui­to tempo qu­an­do en­ten­de­ram que as di­vi­sas eram o ne­gó­cio da China.

Na ver­da­de, é de um ver­da- dei­ro su­per­vi­sor que o mercado pre­ci­sa, e não de um gran­de kínguilo central ofi­ci­al, que ape­nas se pre­o­cu­pa com o mo­men­to da ven­da das di­vi­sas, dis­co­ran­do o res­to do pro­ces­so, pois é nes­te res­to que está o pro­ble­ma, por­que os ban­cos co­mer­ci­ais sem­pre con­se­guem ca­na­li­zar as di­vi­sas para o destino fi­nal que lhes con­vém.

Não acha­mos que com me­di­das de cos­mé­ti­ca co­mo a re­du­ção das aju­das fa­mi­li­a­res para quem tem fa­mí­lia no ex­te­ri­or para 500 eu­ros que irá re­sol­ver o pro­ble­ma, se qui­ser res­guar­dar as Reservas In­ter­na­ci­o­nais Lí­qui­das (RIL), não se­rá por aí até por­que o se­nhor Go­ver­na­dor sa­be que per­cen­ta­gem ín­fi­ma di­rec­ci­o­na para a aju­da fa­mi­li­ar nos seus lei­lões ou nas re­tor­na­das ven­das di­rec­tas.

Por ou­tro la­do, também não acha­mos que di­zer que vai exigir a de­vo­lu­ção das di­vi­sas aos ban­cos que não en­vi­a­ram qu­an­do de­ve­ri­am, irá re­sol­ver o pro­ble­ma, im­por­tan­te é en­ten­der por­que que os ban­cos não a co­mer­ci­a­li­zam e co­mo os ban­cos con­se­guem des­vi­ar as di­vi­sas do fim a que se pro­põe, pois aí sim, es­tar-se-ia a ata­car a cau­sa e não o efei­to.

Se­nhor go­ver­na­dor se qui­ser pou­par as RIL, e ser mais jus­to na dis­tri­bui­ção das par­cas di­vi­sas, deverá su­ge­rir a cri­a­ção de uma “task for­ce” go­ver­na­men­tal pres­tar mais atenção aos gran­des im­por­ta­do­res e aos seus for­ne­ce­do­res es­tran­gei­ros, por­que es­tes sim, con­cer­tam os preços e so­bre­va­lo­ri­zam as fac­tu­ras (num au­tên­ti­co trans­fer­pri­cing), re­ti­ran­do as di­vi­sas da ro­ta jus­ta e nor­mal e prin­ci­pal­men­te fa­zen­do re­gres­sar os fan­tas­mas que uns são pe­que­nos para sem­pre e ou­tros gran­des para a vi­da toda.

QUEREMOS UM BNA QUE SE­JA O VER­DA­DEI­RO SU­PER­VI­SOR QUE O MERCADO PRE­CI­SA, E NÃO DE UM GRAN­DE KÍNGUILO CENTRAL OFI­CI­AL, QUE APE­NAS SE PRE­O­CU­PA COM O MO­MEN­TO DA VEN­DA DE DI­VI­SAS

VIGAS DA PURIFICAÇÃO | EDIÇÕES NO­VEM­BRO

O gran­de de­sa­fio do go­ver­na­dor Jo­sé Mas­sa­no é co­lo­car os ban­cos co­mer­ci­ais em or­dem, co­lo­cá-los a tra­ba­lhar para os seus cli­en­tes e não para si mes­mo

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.