CON­TAS COM REFINAÇÃO SUGEREM AVA­LI­A­ÇÃO DE VÁ­RI­OS CENÁRIOS

Jornal de Economia & Financas - - Destaque -

Com o valor da ex­por­ta­ção do petróleo, An­go­la po­de im­por­tar to­dos os produtos de que pre­ci­sa e ain­da tem um sal­do po­si­ti­vo, sem agra­var a dí­vi­da ex­ter­na, com o fi­nan­ci­a­men­to para a cons­tru­ção aos va­lo­res que ho­je são re­fe­ren­ci­a­dos. Sa­be-se, no en­tan­to, que um investimento co­mo este é de gran­de in­te­res­se para empresas cons­tru­to­ras, de en­ge­nha­ria, de equi­pa­men­tos, de fis­ca­li­za­ção de obras, de cer­ti­fi­ca­ção e for­ma­ção ou de logística. Os es­pe­ci­a­lis­tas ad­mi­tem que o in­te­res­se para o país se­rá ter combustíveis ao me­nor cus­to, e is­so só é pos­sí­vel se continuar-se a im­por­tar os produtos e a dar atenção aos preços de im­por­ta­ção. Po­de-se, para is­so, ope­rar de di­ver­sas for­mas en­tre as quais: t 7FOEFS P QFUSØMFP B VNB em­pre­sa em tro­ca de produtos re­fi­na­dos; t 1BHBS B VNB SFGJOBSJB OP ex­te­ri­or para re­fi­nar o nos­so petróleo, re­pa­tri­an­do os produtos que pre­ci­sa­mos e ven­den­do no mercado in­ter­na­ci­o­nal o ex­ce­den­te. Mui­tas das re­fi­na­ri­as eu­ro­pei­as são de­ti­das por empresas de di­ver­sos paí­ses, pois po­dem ser atrac­ti­vas e res­pon­der a es­tra­té­gi­as des­sas empresas com­pra­do­ras. A tí­tu­lo de re­fe­rên­cia, Lago de Carvalho diz que, nos úl­ti­mos anos, al­gu­mas re­fi­na­ri­as na Eu­ro­pa, com pe­troquí­mi­ca e ca­pa­ci­da­de su­pe­ri­or à pro­pos­ta para An­go­la, fo­ram tran­sac­ci­o­na­das a va­lo­res na ca­sa dos dois mil milhões de dó­la­res. Ele lem­bra que as re­fi­na­ri­as vi­vem com mar­gens mui­to li­mi­ta­das, que va­ri­am en­tre 0,5 e os 5 dó­la­res por barril pro­ces­sa­do, po­den­do

O IN­TE­RES­SE PARA O PAÍS SE­RÁ TER COMBUSTÍVEIS AO ME­NOR CUS­TO, E IS­SO SÓ É POS­SÍ­VEL SE CONTINUAR-SE A IM­POR­TAR OS PRODUTOS E A DAR ATENÇÃO AOS PREÇOS DE IM­POR­TA­ÇÃO

chegar a USD 10 em pe­río­dos cur­tos e mui­to bons. Con­si­de­ran­do que, com bas­tan­te op­ti­mis­mo, pa­gar­se-a à Re­fi­na­ria do Lo­bi­to USD 10 por barril/dia para pro­ces­sar o petróleo, ela vai ob­ter uma re­cei­ta bru­ta de USD 700 milhões/ano ou 2 milhões/dia. Es­ti­ma-se que só o reembolso dos ca­pi­tais in­ves­ti­dos cus­ta­rá USD 1.000 milhões se re­em­bol­sa­do a dez anos, ao qual se jun­tam os ju­ros des­se ca­pi­tal e to­dos os custos de ope­ra­ção. O aces­so à ac­ti­vi­da­de de dis­tri­bui­ção dos combustíveis em An­go­la é li­vre des­de 2009. O ob­jec­ti­vo com a adop­ção da me­di­da, nes­ta al­tu­ra, foi es­ti­mu­lar e ga­ran­tir a co­ber­tu­ra na­ci­o­nal da dis­tri­bui­ção de combustíveis e es­ta­be­le­cer um sis­te­ma de ta­ri­fas mais trans­pa­ren­te.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.