ECONOMIA AN­GO­LA­NA ESPERA CRES­CER 1,2 POR CEN­TO EM 2018

Jornal de Economia & Financas - - Empresas - Pedro Pe­ter­son

O Ga­bi­ne­te de Es­tu­dos Eco­nó­mi­cos do Stan­dard Bank con­si­de­ra que An­go­la vai cres­cer 1,2 por cen­to este ano e que a ex­pan­são eco­nó­mi­ca não ul­tra­pas­sa­rá os 2 por cen­to “nos pró­xi­mos tem­pos”, acres­cen­tan­do que as pre­vi­sões go­ver­na­men­tais “são op­ti­mis­tas”. “O Or­ça­men­to do Go­ver­no para 2018 mos­tra que o PIB per­ma­ne­ceu em ter­ri­tó­rio po­si­ti­vo em 2016, com um cres­ci­men­to de 0,1 por cen­to , evi­tan­do a re­ces­são que to­dos con­si­de­ra­vam que tinha ocor­ri­do, tal co­mo in­di­ca­do pe­los da­dos do Ins­ti­tu­to Na­ci­o­nal de Es­ta­tís­ti­ca, que mos­tra­va uma con­trac­ção de 4,3 por cen­to até Se­tem­bro”, es­cre­vem os ana­lis­tas do ban­co com for­te pre­sen­ça em África. “A nos­sa vi­são é que a ac­ti­vi­da­de eco­nó­mi­ca vai mui­to pro­va­vel­men­te fi­car li­mi­ta­da, com o pro­du­to in­ter­no bru­to a cres­cer me­nos de 2 por cen­to nos pró­xi­mos tem­pos”, é o que diz o re­la­tó­rio en­vi­a­do aos in­ves­ti­do­res e que o JE te­ve aces­so. No do­cu­men­to, que ana­li­sa os números re­cen­tes e as pers­pec­ti­vas fu­tu­ras de evo­lu­ção da economia an­go­la­na, os ana­lis­tas di­zem que “ape­sar de uma me­lho­ria na pre­vi­são de evo­lu­ção dos preços do petróleo, a procura agre­ga­da vai pro­va­vel­men­te continuar a ser ne­ga­ti­va­men­te in­flu­en­ci­a­da pe­la ne­ces­si­da­de de man­ter uma po­lí­ti­ca mo­ne­tá­ria res­tri­ti­va para com­ba­ter a su­bi­da da in­fla­ção e aco­mo­dar as al­te­ra­ções de­se­ja­das para o mercado da mo­e­da ex­ter­na”. As li­mi­ta­ções na di­ver­si­fi­ca­ção também de­ve­rão pe­sar ne­ga­ti­va­men­te na economia, “com o sec­tor pe­tro­lí­fe­ro a continuar ex­pos­to às fra­cas con­di­ções de ope­ra­ção e as quo­tas da Or­ga­ni­za­ção dos Paí­ses Ex­por­ta­do­res de Petróleo a res­trin­gi­rem também a pro­du­ção pe­tro­lí­fe­ra”. An­go­la espera aumentar a pro­du­ção de petróleo em 6 por cen­to en­tre 2018 e 2023, para 1,6 milhões de bar­ris por dia, mas is­to, diz o Stan­dard Bank, “re­quer um im­pres­si­o­nan­te ní­vel de in­ves­ti­men­tos para acres­cen­tar 536 mil bar­ris por dia à ca­pa­ci­da­de de pro­du­ção dos cam­pos em de­clí­nio, que re­ti­ram 635 milhões à ca­pa­ci­da­de ac­tu­al”. Este ce­ná­rio, con­clu­em os ana­lis­tas, “ilus­tra a ne­ces­si­da­de de im­pri­mir mais di­ver­si­fi­ca­ção na economia, o que pa­re­ce ser uma gran­de prioridade para o no­vo Go­ver­no”, mas o país “está a ver que é difícil di­mi­nuir a de­pen­dên­cia do petróleo, cu­jas ex­por­ta­ções con­ti­nu­am a va­ler mais de 90 por cen­to do total”.

CONTREIRAS PIPA | EDIÇÕES NO­VEM­BRO

Ape­sar do cres­ci­men­to len­to, as pre­vi­sões do Go­ver­no são op­ti­mis­tas

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.