Re­pro­du­ção de se­men­tes as­se­gu­ra boa co­lhei­ta

Em­pre­sa agro-ali­men­tar “Jar­dins da Yo­ba” apos­ta na pro­du­ção de várias espécies nu­ma al­tu­ra em que o mi­nis­tro Mar­cos Nhun­ga anun­cia no­vo di­na­mis­mo para o sec­tor

Jornal de Economia & Financas - - Agro-indústria - Arão Mar­tins e Estanislau Cos­ta

Are­pro­du­ção de se­men­tes de ba­ta­ta re­na, mi­lho e ci­tri­nos na­ci­o­nais para es­ti­mu­lar o cul­ti­vo em várias zo­nas agrí­co­las ga­nha fô­le­go, com as ac­ções le­va­das a ca­bo pe­la em­pre­sa agrá­ria “Jar­dins da Yo­ba”, lo­ca­li­za­da no mu­ni­cí­pio da Chi­bia, na pro­vín­cia da Huí­la.

A em­pre­sa está a ex­plo­rar mais de 600 hec­ta­res de ter­ra, ten­do in­cluí­do há três anos, a pro­du­ção de se­men­tes de ce­bo­la, fei­jão, as­sim co­mo a cri­a­ção de ga­do bo­vi­no, ca­pri­no e suí­no.

O só­cio-ge­ren­te Paulo Ama­ral anun­ci­ou que fo­ram já in­ves­ti­dos mais de 15 milhões dó­la­res no pro­jec­to de alar­ga­men­to de es­pa­ços, des­ma­ta­ção, pre­pa­ra­ção de so­los, aqui­si­ção de equi­pa­men­tos di­ver­sos, re­cru­ta­men­to e for­ma­ção do pes­so­al.

“Foi uma mais-va­lia a aqui­si­ção de pivôs que nos per­mi­tem regular a re­ga das plan­tas”, dis­se.

Mos­trou-se pre­o­cu­pa­do com a re­pro­du­ção de se­men­tes na­ci­o­nais, ten­do con­si­de­ra­do o au­men­to da ac­ti­vi­da­de agrí­co­la à es­ca­la in­dus­tri­al de mo­do a atin­jar a au­to-su­fi­ci­ên­cia de al­guns ali­men­tos.

“A qua­li­da­de da se­men­te é fun­da­men­tal para uma boa sa­fra, e com al­gu­mas a ofe­re­ce­rem con­di­ções para pro­du­zir du­as ou três ve­zes”, dis­se, des­cre­ven­do que a maioria das se­men­tes con­ti­nua a ser im­por­ta­da.

“Es­ta­mos em con­di­ções para so­lu­ci­o­nar as pre­o­cu­pa­ções dos pro­du­to­res qu­an­to ao for­ne­ci­men­to de se­men­tes”, afir­mou, ten­do de­fen­di­do que se alar­gue para vá­ri­os pon­tos do país, de mo­do a se im­por­tar ape­nas o ne­ces­sá­rio.

O agri­cul­tor ga­ran­tiu que a em­pre­sa está em con­di­ções de fa­zer par­te das empresas for­ne­ce­do­ras de se­men­tes aos agri­cul­to­res e mi­ni­mi­zar a ca­rên­cia que em certos ca­sos faz-se sen­tir, prin­ci­pal­men­te, nas épo­cas do ar­ran­que das cam­pa­nhas agrí­co­las.

Paulo Ama­ral anun­ci­ou que vão co­lher até fi­nais do cor­ren­te mês, mais de 1.000 to­ne­la­das de se­men­tes de ba­ta­ta re­na e 400 to­ne­la­das de ce­bo­la.

Es­tão igual­men­te a pro­ces­sar aci­ma de 30 to­ne­la­das de se­men­tes de mi­lho para res­pon­der às so­li­ci­ta­ções dos pro­du­to­res nes­ta épo­ca de cul­ti­vo.

O res­pon­sá­vel anun­ci­ou que na pre­sen­te cam­pa­nha agrí­co­la vão pro­du­zir 150 hec­ta­res de se­men­tes de mi­lho e es­tão pre­pa­ra­dos cer­ca de 125 hec­ta­res para a co­lhei­ta de se­men­tes de ba­ta­ta re­na.

“Não te­mos ra­zões de queixa qu­an­to à água por­que es­ta­mos a uti­li­zar pivôs que ir­ri­gam cer­ca de 150 hec­ta­res”, re­ve­lou.

So­li­ci­tou às au­to­ri­da­des com­pe­ten­tes mai­or apoio ao sec­tor agro-pe­cuá­rio, com re­al­ce para a sub­ven­ção dos combustíveis e lu­bri­fi­can­tes, além da dis­po­ni­bil­za­ção de mais equi­pa­men­tos me­ca­ni­za­dos, cri­a­ção de in­cen­ti­vos que sir­vam de pro­tec­to­res e es­ti­mu­la­do­res da pro­du­ção na­ci­o­nal.

“O Es­ta­do de­ve cri­ar me­ca­nis­mos para a re­du­ção da im­por­ta­ção de certos produtos do cam­po, co­mo por exem­plo, a ba­ta­ta re­na, hor­to­fru­tí­co­las, mi­lho e ou­tros ali­men­tos ne­ces­sá­ri­os à ces­ta bá­si­ca”, pre­ci­sou.

No­vos de­sa­fi­os

Fun­da­da em 2014, a em­pre­sa, con­ta com uma mo­a­gei­ra in­dus­tri­al, além de se de­di­car a agro-pe­cuá­ria, pro­duz também ovos em quan­ti­da­des in­dus­tri­ais, e já pro­jec­tou alar­gar a sua a ac­ti­vi­da­de, dan­do ago­ra a atenção à pro­du­ção de mel.

Na pri­mei­ra fa­se, a em­pre­sa, pre­ten­de atin­gir 4.500 to­ne­la­das de mel. Para o efei­to fo­ram ins­ta­la­das aci­ma de 150 col­mei­as cu­ja pro­du­ção de­pois de pu­ri­fi­ca­das se­rá co­mer­ci­a­li­za­da nos su­per­mer­ca­dos na­ci­o­nais.

“Con­ta­mos com um equi­pa­men­to mo­der­no para que a pro­du­ção se­ja fei­ta em gran­de es­ca­la e, pos­te­ri­or­men­te, se pos­sa pro­ces­sar, em­ba­lar e es­co­ar para vá­ri­os pon­tos do país”, dis­se, de­pois de in­for­mo­ar que na fa­se ini­ci­al a em­pre­sa co­lheu 300 li­tros de mel.

Mis­tu­ra­do­ras de fer­ti­li­zan­tes

Até fi­nais do II trimestre do ano em cur­so, An­go­la po­de­rá con­tar com du­as uni­da­des mis­tu­ra­do­ras de fer­ti­li­zan­tes, o que vai re­du­zir sig­ni­fi­ca­ti­va­men­te os preços des­ta ma­té­ria-pri­ma, anun­ci­ou, re­cen­te­men­te, no Lu­ban­go (Huí­la), o mi­nis­tro da Agri­cul­tu­ra e Flo­res­tas, Mar­cos Ale­xan­dre Nhun­ga.

O go­ver­nan­te as­se­gu­rou que o Exe­cu­ti­vo está en­ga­ja­do nas ac­ções que vi­sam a re­du­ção dos preços, além do tra­ba­lho que se está a fa­zer de ava­li­a­ção da­qui­lo que são as po­ten­ci­a­li­da­des das pro­vín­ci­as do Zai­re e Ca­bin­da, para se ex­plo­rar a pro­du­ção de fer­ti­li­zan­tes.

Também está a se tra­ba­lhar com al­guns paí­ses para se re­sol­ver a pro­ble­má­ti­ca li­ga­da às li­nhas de mon­ta­gem de trac­to­res e de sis­te­mas de re­ga.

O ES­TA­DO DE­VE CRI­AR ME­CA­NIS­MOS PARA A RE­DU­ÇÃO DA IM­POR­TA­ÇÃO DE CERTOS PRODUTOS DO CAM­PO

VIGAS DA PURIFICAÇÃO | EDIÇÕES NO­VEM­BRO | HUÍ­LA

Para a pre­sen­te cam­pa­nha agrí­co­la a fa­zen­da pre­pa­rou uma ex­ten­são de 125 hec­ta­res para a co­lhei­ta de se­men­tes de ba­ta­ta re­na para aju­dar os cam­po­ne­ses

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.