Cen­so ge­ral agro-pe­cuá­rio vai ar­ran­car bre­ve­men­te

A am­bi­ci­o­sa ini­ci­a­ti­va é do Mi­nis­té­rio da Agri­cul­tu­ra e Flo­res­tas e po­de­rá ser uma mais-va­lia para a to­ma­da de de­ci­sões per­ti­nen­tes

Jornal de Economia & Financas - - Pecuária - Arão Mar­tins no Lu­ban­go Mar­cos A. Nhun­ga Mi­nis­tro da Agri­cul­tu­ra

Omi­nis­tro da Agri­cul­tu­ra e Flo­res­tas, Mar­cos Ale­xan­dre Nhun­ga, anun­ci­ou, re­cen­te­men­te, na ci­da­de do Lu­ban­go, na pro­vín­cia da Huí­la, a re­a­li­za­ção do Cen­so Ge­ral Agro-pe­cuá­rio até fi­nais do ter­cei­ro trimestre do ano em cur­so.

Se­gun­do des­ta­cou o go­ver­nan­te, o cen­so bo­vi­no é prioridade por­que vai pos­si­bi­li­tar e fa­ci­li­tar pla­ni­fi­car me­lhor a in­ter­ven­ção do Exe­cu­ti­vo, atra­vés do Mi­nis­té­rio da Agri­cul­tu­ra e Flo­res­tas, no sec­tor agro-pe­cuá­rio.

O go­ver­nan­te so­li­ci­tou a participação efec­ti­va dos em­pre­sá­ri­os no pro­ces­so que tem iní­cio ain­da no de­cor­rer do ter­cei­ro trimestre do ano em cur­so (2018), em to­do país.

“Pre­ci­sa­mos ter da­dos no­vos que vão nos per­mi­tir pla­ni­fi­car me­lhor o nos­so tra­ba­lho em con­jun­to. Queremos pe­dir o engajamento dos em­pre­sá­ri­os, para que, qu­an­do hou­ver cen­so, to­dos es­te­jam imbuídos nes­se tra­ba­lho que vai ser­vir para to­dos, tal co­mo ser­viu o cen­so ge­ral da po­pu­la­ção e ha­bi­ta­ção”, de­fen­deu.

Mar­cos Ale­xan­dre Nhun­ga dis­se que à se­me­lhan­ça do que acon­te­ceu com o cen­so da po­pu­la­ção e ha­bi­ta­ção, a agro-pe­cuá­ria vai ser fun­da­men­tal para a to­ma­da de de­ci­sões per­ti­nen­tes

QUEREMOS PE­DIR O ENGAJAMENTO DOS EM­PRE­SÁ­RI­OS, PARA QUE, QU­AN­DO HOU­VER CEN­SO, TO­DOS ES­TE­JAM IMBUÍDOS NES­SE TRA­BA­LHO QUE VAI SER­VIR PARA TO­DOS

que vi­sam pro­por­ci­o­nar de­sen­vol­vi­men­to no sec­tor.

“Há mui­tos da­dos que não do­mi­ná­va­mos, mas o cen­so veio mostrar que há mui­tas coi­sas fei­tas, e que es­ta­vam lon­ge do con­tro­lo das ins­tân­ci­as com­pe­ten­tes”, re­fe­riu, acres­cen­tan­do que “queremos tra­zer da­dos que to­dos não do­mi­nam, o que vai pos­si­bi­li­tar e fa­ci­li­tar pla­ni­fi­car me­lhor a in­ter­ven­ção do Mi­nis­té­rio no sec­tor agro-pe­cuá­rio e flo­res­tal”.

Pro­du­to de qua­li­da­de

Mar­cos Ale­xan­dre Nhun­ga anun­ci­ou que se­rá cri­a­da na pro­vín­cia da Huí­la, na re­gião do Nor­te, um con­fi­na­men­to, mas que ain­da ca­re­ce de dis­cus­são com os cri­a­do­res.

“Acha­mos que os nos­sos em­pre­sá­ri­os ligados à pe­cuá­ria têm que co­me­çar, também, a se es­pe­ci­a­li­zar em várias áre­as, tal co­mo na re­cria e na en­gor­da, para que se pos­sa, no fu­tu­ro co­me­çar a ter uma car­ne e um pro­du­to de me­lhor qua­li­da­de”, sa­li­en­tou.

O mes­mo irá acon­te­cer a ní­vel da re­gião do Pla­nal­to de Ca­ma­ba­te­la.

O efec­ti­vo bo­vi­no an­go­la­no está es­ti­ma­do em 3.850.000 ca­be­ças, on­de a re­gião Sul se des­ta­ca com o mai­or número, cons­ti­tui uma ba­se só­li­da para o de­sen­vol­vi­men­to so­ci­o­e­co­nó­mi­co do país.

O po­ten­ci­al an­go­la­no faz com que ocu­pe um lu­gar pre­pon­de­ran­te na re­gião Aus­tral de África, na qual re­pre­sen­ta o quar­to lu­gar em ter­mos de efec­ti­vo bo­vi­no.

ARIMATEIA BAP­TIS­TA | EDIÇÕES NO­VEM­BRO | LU­BAN­GO

Até De­zem­bro do ano pas­sa­do An­go­la pos­suía cer­ca de 3.850.000 ca­be­ças de ga­do com a Huí­la a li­de­rar a lis­ta

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.