Por­tu­gal con­ti­nua vul­ne­rá­vel

A agên­cia de no­ta­ção fi­nan­cei­ra Mo­ody’s aler­tou que a pro­pos­ta do OGE/2018 po­de di­fi­cul­tar a consolidação fu­tu­ra de­vi­do aos com­pro­mis­sos das despesas

Jornal de Economia & Financas - - Mundo -

A agên­cia de no­ta­ção fi­nan­cei­ra Mo­ody’s con­si­de­ra que Por­tu­gal con­ti­nua a ser mais sen­sí­vel às al­te­ra­ções dos mer­ca­dos do que os seus pa­res eu­ro­peus, em­bo­ra os re­em­bol­sos an­te­ci­pa­dos ao FMI te­nham me­lho­ra­do a re­si­li­ên­cia da dí­vi­da por­tu­gue­sa.

“As po­lí­ti­cas ac­ti­vas de ges­tão da dí­vi­da to­ma­das pe­lo Go­ver­no me­lho­ra­ram a re­si­li­ên­cia do per­fil da dí­vi­da por­tu­gue­sa às mu­dan­ças do mercado”, diz a Mo­ody’s, que é a única das três prin­ci­pais agências de ra­ting a man­ter Por­tu­gal nu­ma no­ta de ‘li­xo’, nu­ma aná­li­se di­vul­ga­da ho­je.

No en­tan­to, e por­que o peso da dí­vi­da per­ma­ne­ce “mui­to ele­va­do em re­la­ção aos seus pa­res”, em tor­no dos 127 por cen­to do PIB em 2017, se­gun­do espera o exe­cu­ti­vo, a Mo­ody’s afir­ma que os ju­ros das obri­ga­ções por­tu­gue­sas de­vem per­ma­ne­cer “mais sen­sí­veis a al­te­ra­ções no sen­ti­men­to dos in­ves­ti­do­res” do que acontece com a maioria dos paí­ses pe­ri­fé­ri­cos da Eu­ro­pa.

Na no­ta, a agên­cia refere-se ao pa­ga­men­to an­te­ci­pa­do de 831 milhões de eu­ros da tran­che mais ca­ra do em­prés­ti­mo do Fun­do Mo­ne­tá­rio In­ter­na­ci­o­nal (FMI). Com este reembolso, que ocor­reu em Ja­nei­ro, Por­tu­gal pa­gou já 83 por cen­to do total do em­prés­ti­mo ao FMI.

“Mais im­por­tan­te, da­do que o mon­tan­te por pa­gar (4.500 milhões de eu­ros) está ago­ra abai­xo da quo­ta de Por­tu­gal no FMI, o cus­to do ser­vi­ço da dí­vi­da res­tan­te vai cair para 1 por cen­to dos an­te­ri­o­res 4 por cen­to”, des­ta­ca a Mo­ody’s.

A agên­cia de ra­ting re­cor­da que este pa­ga­men­to se­gue a es­tra­té­gia do Go­ver­no por­tu­guês de re­fi­nan­ci­ar gra­du­al­men­te a “re­la­ti­va-

AS PERS­PEC­TI­VAS DE CRES­CI­MEN­TO FA­VO­RÁ­VEIS VÃO SU­POR­TAR UMA TEN­DÊN­CIA DE RE­DU­ÇÃO DA DÍ­VI­DA

men­te ca­ra” dí­vi­da do pro­gra­ma de ajus­ta­men­to por “fi­nan­ci­a­men­to de mercado mais ba­ra­to” e que, em re­sul­ta­do, o cus­to mé­dio da dí­vi­da des­ceu de um pi­co de 4,1 por cen­to em 2011 para 3 em 2017.

Na pro­pos­ta do OGE2018, o Go­ver­no in­cluiu me­di­das de alí­vio no IRS (re­vi­sões dos es­ca­lões e au­men­to do mí­ni­mo de exis­tên­cia), que têm impacto em 2018 e 2019, al­tu­ra em que o imposto fi­nal é apu­ra­do.

A Mo­ody’s apon­ta que, a mé­dio e lon­go pra­zo, “is­so po­de aumentar a pressão so­bre as con­tas do Go­ver­no, es­pe­ci­al­men­te se o cres­ci­men­to ti­ver me­nor ex­pres­são” do que o es­pe­ra­do.

Ain­da as­sim, res­sal­va que “as pers­pec­ti­vas de cres­ci­men­to fa­vo­rá­veis e as bai­xas despesas com ju­ros vão su­por­tar uma ten­dên­cia de re­du­ção da dí­vi­da no ho­ri­zon­te das pre­vi­sões”.

DR

Si­nais de cres­ci­men­to con­tí­nuo co­me­çam a ani­mar o mercado eu­ro­peu

DR

Ape­sar dos in­di­ca­do­res fa­vo­rá­veis, o peso da dí­vi­da per­ma­ne­ce mui­to ele­va­do

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.