“Cré­di­to Pro­jo­vem de­ve ser fis­ca­li­za­do”

As soluções em prol dos jo­vens nes­sa fa­se de crise eco­nó­mi­ca e fi­nan­cei­ra que An­go­la vi­ve pas­sam por medidas es­tru­tu­rais e fun­ci­o­nais co­mo a re­for­ma do Es­ta­do e ri­gor nas políticas pú­bli­cas

Jornal de Economia & Financas - - Primeira Página - Ma­teus Ca­vum­bo

O ac­ti­vis­ta ju­ve­nil, que se lan­çou pa­ra es­te cam­po aos 11 anos, anun­ci­ou que se ab­di­ca­rá das ac­tu­ais ta­re­fas pa­ra abraçar a do­cên­cia. Além des­se fac­to, em gran­de en­tre­vis­ta, abor­da o ca­so dos 500 mi­lhões de dó­la­res, da AGT, da So­nan­gol, do em­pre­en­de­do­ris­mo e das políticas pú­bli­cas ju­ve­nis fra­cas­sa­das.

Rafael Agui­ar anun­ci­ou que vai aban­do­nar no de­cur­so des­te ano, a or­ga­ni­za­ção ju­ve­nil da CA­SA-CE, pa­ra se de­di­car à aca­de­mia e ou­tros projectos pes­so­ais, dei­xan­do pa­ra atrás, os 31 anos in­cli­na­dos a ac­ções de de­sen­vol­vi­men­to da ju­ven­tu­de em An­go­la. Em en­tre­vis­ta ao Jor­nal de Economia & Fi­nan­ças, a pro­pó­si­to do Dia Na­ci­o­nal da Ju­ven­tu­de, a as­si­na­lar ama­nhã em to­do o país, o tam­bém ac­ti­vis­ta e in­ves­ti­ga­dor dis­se que o so­nho dos jo­vens an­go­la­nos já an­da adi­a­do há bas­tan­te tem­po. Acu­sa o Go­ver­no de não dar res­pos­ta efi­caz e efi­ci­en­te às pre­o­cu­pa­ções pre­men­tes que per­mi­tam à As­sem­bleia Na­ci­o­nal fis­ca­li­zar a exe­cu­ção do OGE e ope­ra­ci­o­nar os me­ca­nis­mos de mo­ni­to­ri­za­ção da exe­cu­ção do Pla­no de De­sen­vol­vi­men­to da Ju­ven­tu­de.

O Pla­no Na­ci­o­nal de De­sen­vol­vi­men­to da Ju­ven­tu­de tor­na-se de fac­to um ins­tru­men­to de in­clu­são so­ci­al e de pro­mo­ção da democracia participativa dos jo­vens?

Um pla­no na­ci­o­nal não va­le ape­nas pe­lo seu con­teú­do, mas so­bre­tu­do pe­la sua ope­ra­ci­o­na­li­za­ção. En­quan­to pla­no no pa­pel, te­ve a con­tri­bui­ção de uma fran­ja sig­ni­fi­ca­ti­va da eli­te ju­ve­nil. Nes­ta di­men­são, hou­ve a in­clu­são de al­guns e não par­ti­ci­pa­ção de ou­tros co­mo, por exem­plo, os re­vús. Quanto à sua exe­cu­ção, man­tém a ex­clu­são da gran­de mai­o­ria dos jo­vens que não fa­zem par­te da eli­te da JMPLA, so­bre­tu­do no aces­so ao cré­di­to e ou­tros bens so­ci­ais.

Acha que os gran­des de­síg­ni­os per­se­gui­dos pe­las en­ti­da­des na­ci­o­nais têm fa­ci­li­ta­do a inserção dos jo­vens no mer­ca­do de tra­ba­lho e me­lho­ra­do a sua qua­li­da­de de vi­da?

Sa­be que te­mos di­fi­cul­da­des de aces­so a da­dos es­ta­tís­ti­cos sobre os in­di­ca­do­res so­ci­ais. To­da­via, os úl­ti­mos da­dos do Ins­ti­tu­to Na­ci­o­nal de Es­ta­tís­ti­ca (INE), de or­ga­nis­mos in­ter­na­ci­o­nais cre­dí­veis e de al­guns cen­tros de es­tu­do e jor­nais vo­ca­ci­o­na­dos à pes­qui­sa em ques­tões eco­nó­mi­cas, in­di­cam que a ta­xa de de­sem­pre­go au­men­tou, além do po­der de com­pra dos pou­cos jo­vens que têm rendimento fi­nan­cei­ro, tor­nan­do mais di­fí­cil a vi­da, ou se­ja, o aces­so a cui­da­dos médicos e me­di­ca­men­to­sos em quantidade e qua­li­da­de con­ti­nu­am de­fi­ci­tá­ri­os. Ape­sar de ter au­men­ta­do a po­pu­la­ção es­tu­dan­til, nos úl­ti­mos cin­co anos, os jo­vens que es­tão fo­ra do sis­te­ma de en­si­no in­vo­lun­ta­ri­a­men­te es­tão a au­men­tar a ca­da ano; as ca­sas das cen­tra­li­da­des são uma go­ta no oce­a­no fa­ce à ne­ces­si­da­de dos jo­vens. Em su­ma, a vi­da dos jo­vens, em­pre­ga­dos e de­sem­pre­ga­dos, a ca­da ano, é mais di­fí­cil em re­la­ção ao ano an­te­ri­or.

Os ins­tru­men­tos e me­ca­nis­mos de­se­nha­dos pe­lo Go­ver­no têm da­do res­pos­ta rá­pi­da e efi­caz às pre­o­cu­pa­ções da ju­ven­tu­de?

Se­ria bom di­zer o con­trá­rio, mas in­fe­liz­men­te não! Por­que os prin­ci­pais pro­ble­mas dos jo­vens, co­mo o de­sem­pre­go, habitação, aces­so à es­co­la e ao en­si­no de qua­li­da­de, opor­tu­ni­da­de de ob­ten­ção de cré­di­to pa­ra ge­ra­rem, eles mes­mos em­pre­go, não têm si­do re­sol­vi­dos. O Go­ver­no não quer ser aju­da­do a dar res­pos­ta efi­caz e efi­ci­en­te às pre­o­cu­pa­ções, por­que não per­mi­te à As­sem­bleia Na­ci­o­nal fis­ca­li­zar a exe­cu­ção do OGE e tor­nou ino­pe­ran­te os me­ca­nis­mos de mo­ni­to­ri­za­ção da exe­cu­ção do Pla­no de De­sen­vol­vi­men­to da Ju­ven­tu­de.

Até que pon­to o Fórum Na­ci­o­nal da Ju­ven­tu­de foi uma verdadeira de­mons­tra­ção de ma­tu­ri­da­de por par­te dos jo­vens an­go­la­nos?

Nes­te fórum, hou­ve de fac­to con­vi­vên­cia na di­fe­ren­ça e is­so foi po­si­ti­vo e de­ve ser en­co­ra­ja­do. To­da­via, o re­fe­ri­do fórum, sin­ce­ra­men­te, não su­pe­rou as ver­da­dei­ras di­fe­ren­ças que se­pa­ram a ju­ven­tu­de an­go­la­na, no­me­a­da­men­te: a par­ti­da­ri­za­ção das ins­ti­tui­ções pú­bli­cas, mor­men­te, o as­so­ci­a­ti­vis­mo ju­ve­nil es­tu­dan­til, o Dia da Ju­ven­tu­de an­go­la­na, a in­clu­são so­ci­al, a in­to­le­rân­cia po­lí­ti­ca, ape­sar de ter bai­xa­do de in­ten­si­da­de em al­gu­mas zo­nas e nou­tras não, as de­si­gual­da­des so­ci­ais e as as­si­me­tri­as re­gi­o­nais. De­ve­ría­mos trans­for­mar es­te fórum num pon­to de par­ti­da ou re­fe­rên­cia pa­ra ir­mos mais lon­ge.

Pa­re­ce que o slo­gan do ex-pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca de An­go­la “o fu­tu­ro es­tá nas vos­sas mãos e con­ta­mos con­vos­co!” lan­ça­do em 2013 tor­na-se nu­ma mi­ra­gem?

Não é de to­do uma mi­ra­gem, pois, se de um la­do, não se po­de ter fu­tu­ro nas mãos e ad­mi­nis­trá-lo sem mei­os pa­ra o efei­to, do ou­tro, os jo­vens de­vem to­mar ini­ci­a­ti­vas cri­a­ti­vas e em­pre­en­de­do­ras que lhes per­mi­tam apro­pri­a­rem-se do pre­sen­te pa­ra con­du­zi­rem as su­as vi­das ho­je, só as­sim te­rão o fu­tu­ro nas mãos. Con­tra­ri­a­men­te ao que os mais ve­lhos de to­das as la­ti­tu­des di­zem, na ver­da­de, o fu­tu­ro é e se­rá sem­pre o pre­sen­te bem cons­truí­do. O fu­tu­ro não cai do céu, cons­trói-se no pre­sen­te e os jo­vens têm uma pa­la­vra a di­zer, apoi­an­do-se na ex­pe­ri­ên­cia dos mais ve­lhos que de­vem abrir alas pa­ra os jo­vens pas­sa­rem, ho­je e não ama­nhã, se­não não ha­ve­rá fu­tu­ro!

A ju­ven­tu­de an­go­la­na ain­da en­fren­ta vá­ri­os de­sa­fi­os. Acha que fal­ta opor­tu­ni­da­des ou as políticas ju­ve­nis não vão de en­con­tro com as ex­pec­ta­ti­vas dos vi­sa­dos?

Nós par­ti­ci­pa­mos na ela­bo­ra­ção de políticas e de do­cu­men­tos ju­rí­di­cos. Se a so­lu­ção dos pro­ble­mas de An­go­la de­pen­des­se de bons do­cu­men­tos po­lí­ti­cos, ad­mi­nis­tra­ti­vos e ju­rí­di­cos, com a de­vi­da res­sal­va, à cons­ti­tui­ção atí­pi­ca e ao OGE ir­re­a­lis­ta, An­go­la se­ria um pa­raí­so. Co­mo a so­lu­ção dos pro­ble­mas de­pen­de so­bre­tu­do da ca­pa­ci­da­de, ri­gor e mo­ral na exe­cu­ção de políticas pú­bli­cas, en­tão en­ten­de-se por­que An­go­la vai-se tor­nan­do, dia-a-dia num pe­sa­de­lo pa­ra os seus fi­lhos, não obs­tan­te o ar fresco que o no­vo Exe­cu­ti­vo quer im­pri­mir, pois, são to­dos fa­ri­nha do mes­mo sa­co.

Dá-se a im­pres­são de que a ex­pe­ri­ên­cia e a ca­pa­ci­da­de eco­nó­mi­ca da ban­ca e dos gru­pos em­pre­sa­ri­ais de­vem con­tri­buir pa­ra uma me­lhor ori­en­ta­ção das pri­o­ri­da­des, da es­co­lha dos sec­to­res económicos e dos projectos de in­ves­ti­men­to dos agen­tes económicos e dos jo­vens ?

Pen­so que sim, mas aca­be-se pri­mei­ro com a for­te pro­mis­cui­da­de dos mer­ca­dos eco­nó­mi­co, po­lí­ti­co e cí­vi­co. Es­ta si­tu­a­ção dos prin­ci­pais actores do mer­ca­do po­lí­ti­co se­rem os mes­mos do mer­ca­do eco­nó­mi­co, re­ti­ra a ra­ci­o­na­li­da­de, visão, vo­ca­ção e agi­li­da­de so­ci­o­e­co­nó­mi­ca pa­ra in­ves­ti­men­to e de­sen­vol­vi­men­to do país, por­que quan­do uma mes­ma pes­soa ou par­ti­do po­lí­ti­co é que apro­va a lei sobre o ne­gó­cio que é de­le, em ca­so de con­fli­to, quem di­ta a sentença tam­bém é ele e não le­va­rá o país a lu­gar ne­nhum.

Que políticas de­vem ser tra­ça­das pa­ra po­ten­ci­ar os jo­vens nes­sa fa­se de crise eco­nó­mi­ca e fi­nan­cei­ra que o país atra­ves­sa?

De­ve-se ter em con­ta medidas de na­tu­re­za es­tru­tu­ral e funcional. Pri­mei­ro, nes­ta fa­se, de­ve-se ace­le­rar uma re­for­ma do Es­ta­do que cor­res­pon­da com a nova An­go­la, pri­o­ri­zan­do de for­ma sé­ria, res­pon­sá­vel e pa­trió­ti­ca, as au­tar­qui­as lo­cais. É uma opor­tu­ni­da­de de as pró­pri­as co­mu­ni­da­des as­su­mi­rem os des­ti­nos das su­as vi­das e dos pro­ble­mas das su­as co­mu­ni­da­des e co­mo um mo­men­to de tran­si­ção do po­der da ge­ra­ção da In­de­pen­dên­cia pa­ra a nova ge­ra­ção. Em se­gun­do lu­gar, de­ve ha­ver co­ra­gem, ape­sar da ne­ces­si­da­de de aten­der o nos­so pas­si­vo co­mum cri­a­do pe­las guer­ras co­lo­ni­al e ci­vil e pe­los ví­ci­os da go­ver­na­ção, in­ves­tir na saú­de, edu­ca­ção, na ho­te­la­ria e tu­ris­mo e na in­dús­tria. Em ter­cei­ro lu­gar, é ur­gen­te li­ber­tar a criatividade, em­pre­en­de­do­ris­mo, ar­ro­jo e a am­bi­ção po­si­ti­va dos an­go­la­nos, des­par­ti­da­ri­zan­do as ins­ti­tui­ções, as men­tes e apos­tar no mé­ri­to. Pos­te­ri­or­men­te, de­ve-se apli­car medidas de ca­rác­ter funcional.

Até que pon­to o au­to-em­pre­go e em­pre­en­de­do­ris­mo ju­ve­nil têm aju­da­do no de­sen­vol­vi­men­to das ca­pa­ci­da­des in­te­lec­tu­ais dos jo­vens?

O em­pre­en­de­do­ris­mo que não de­ve con­ti­nu­ar ape­nas co­mo uma “mo­da discursiva” tal co­mo a “diversificação eco­nó­mi­ca” aju­da al­guns jo­vens a ex­pan­di­rem e cul­ti­va­rem mais co­nhe­ci­men­to e ex­pe­ri­ên­cia. Pa­ra a mai­o­ria dos jo­vens, o au­to-em­pre­go tem si­do uma aven­tu­ra que ge­ra pe­sa­de­los, em fun­ção da fal­ta de apoio es­tru­tu­ral, so­bre­tu­do em re­la­ção a cré­di­to ban­cá­rio e mo­ni­to­ri­za­ção da exe­cu­ção dos projectos. As au­to­ri­da­des, pa­ra uns não que­rem sa­ber se os projectos vão bem ou mal e pa­ra ou­tros, só es­tão pre­o­cu­pa­dos em pu­nir fra­cas­sos. To­da­via, o au­to-em­pre­go de­ve ser en­co­ra­ja­do e apoi­a­do pe­lo Es­ta­do, com pré­mi­os, pa­ra os mais ca­pa­zes.

Re­gis­tos in­di­cam que em An­go­la mais de 100 mil jo­vens fo­ram ati­ra­dos pa­ra o de­sem­pre­go des­de 2014. Quer co­men­tar?

Não fal­tam políticas pú­bli­cas pa­ra o efei­to, pois elas exis­tem. Fal­ta a mu­dan­ça de re­gi­me e cul­tu­ra go­ver­na­ti­va. Co­mo o tem­po é o gran­de mes­tre, os efei­tos nas men­tes dos an­go­la­nos, se­rão sen­ti­dos com uma mu­dan­ça de Pre­si­den­te, em­bo­ra com mes­mo par­ti­do in­di­ca que se hou­ver mu­dan­ça de re­gi­me, o país de­sen­vol­ve.

O Pro­jo­vem foi um fra­cas­so ou acha que de­ve ser me­lho­ra­do?

Pa­ra pes­so­as co­mo nós, que en­ve­re­da­mos pe­la ob­jec­ti­vi­da­de, é di­fí­cil di­zer se há fra­cas­so ou não. A ver­da­de é que não há re­la­tó­ri­os re­gu­la­res e cre­dí­veis e não há mo­ni­to­ri­za­ção da exe­cu­ção das políticas pú­bli­cas em An­go­la. Te­nho dú­vi­das de que os prin­ci­pais pro­ta­go­nis­tas do Pro­jo­vem sai­bam em que es­ta­do es­tá es­te pla­no. An­tes de ser me­lho­ra­do ou não, de­ve­ria fa­zer-se um di­ag­nós­ti­co pro­fun­do, re­al, sé­rio e ci­en­tí­fi­co de to­dos os pla­nos vi­ra­dos pa­ra a ju­ven­tu­de, apu­rar o seu es­ta­do, cor­ri­gir e me­lho­rar o que for ne­ces­sá­rio, tal co­mo a mi­nis­tra da Ju­ven­tu­de e Des­por­tos es­tá a fa­zer, mal ou bem, em re­la­ção ao sec­tor dos Des­por­tos.

Que opi­nião tem de jo­vens nomeados pa­ra fun­ções de res­pon­sa­bi­li­da­de no Es­ta­do e no Go­ver­no. Na sua óp­ti­ca, têm cor­res­pon­di­do às ex­pec­ta­ti­vas cri­a­das?

É um gran­de desafio quer a ní­vel de par­ti­dos po­lí­ti­cos, do Go­ver­no e de ou­tras ins­ti­tui­ções, pois re­ce­bo reclamações de que os jo­vens que

O EM­PRE­EN­DE­DO­RIS­MO NÃO DE­VE CON­TI­NU­AR APE­NAS CO­MO UMA “MO­DA DISCURSIVA”, TAL CO­MO A “DIVERSIFICAÇÃO ECO­NÓ­MI­CA”

HÁ JO­VENS QUE QUE­REM SE­GUIR A MO­DA DE AL­GUNS MAIS VE­LHOS EM AN­GO­LA DE ROUBAREM O DI­NHEI­RO DO ES­TA­DO E NEGOCIA DEBAIXO DA ME­SA

me­re­cem opor­tu­ni­da­des nem sem­pre têm es­ta­do à al­tu­ra das ex­pec­ta­ti­vas. Eu cos­tu­mo di­zer aos jo­vens, de to­das as la­ti­tu­des po­lí­ti­co-par­ti­dá­ri­as, e apar­ti­dá­ri­os que quan­do re­ce­bem uma opor­tu­ni­da­de de exer­cer um car­go de re­le­vo, re­ce­bem uma cha­ve que abre ou fecha opor­tu­ni­da­de de pro­mo­ção so­ci­al de mui­tos ou­tros jo­vens. É as­sim que eu de­sem­pe­nho as mi­nhas mis­sões e ta­re­fas quer na po­lí­ti­ca, na aca­de­mia, quer na so­ci­e­da­de. Há mui­tos jo­vens res­pon­sá­veis exem­pla­res, quer no Go­ver­no, nos par­ti­dos po­lí­ti­cos, no em­pre­sa­ri­a­do e nas For­ças Ar­ma­das.

Até ao mo­men­to, re­gis­tam-se mais jo­vens a de­sen­ca­mi­nhar re­cur­sos do Es­ta­do, co­mo por exem­plo o ex-administrador da AGT e exis­tem mais pro­ces­sos em cur­so. O que tem a co­men­tar?

Em qu­a­se to­das as or­ga­ni­za­ções há ten­dên­cia de se acu­sar e me­di­a­ti­zar os su­pos­tos er­ros dos jo­vens, an­tes mes­mo de se ter cer­te­za, e quan­do se ob­ser­va que os jo­vens não er­ra­ram não há um pedido de des­cul­pas. Fa­lo de ex­pe­ri­ên­cia pró­pria. Há jo­vens que que­rem se­guir a mo­da de al­guns mais ve­lhos em An­go­la de roubarem o di­nhei­ro do Es­ta­do, de ne­go­ci­a­rem debaixo da me­sa a di­vi­são de di­nhei­ros e fa­vo­res pa­ra be­ne­fí­cio pes­so­al e fa­mi­li­ar e es­que­cem que quan­do se tra­ta dos mais ve­lhos tu­do ter­mi­na em con­ver­sas em­bai­xo da me­sa. Es­tá er­ra­do. De­ve-se me­di­a­ti­zar e le­var a sé­rio to­dos os ca­sos de imo­ra­li­da­de, cor­rup­ção e vi­o­lên­cia per­pe­tra­dos quer por jo­vens co­mo por mais ve­lhos.

Co­mo en­ca­ra os jo­vens ges­to­res pú­bli­cos que de­la­pi­dam o Es­ta­do, ca­so do ex-go­ver­na­dor do BNA e do ex-pre­si­den­te do Fun­do So­be­ra­no de An­go­la?

Olha, as pes­so­as têm re­ceio de di­zer a ver­da­de, quan­do al­guém cai nas su­pos­tas ma­lhas do dop­ping. O Wal­ter Fi­li­pe é meu ami­go, tra­ba­lha­mos jun­tos, na dé­ca­da de 90, em al­guns projectos so­ci­ais mui­to an­tes de ser go­ver­na­dor do BNA. Se se con­fir­mar o que oi­ço, di­rei que ele mu­dou mui­to. Era, por­que há mui­to não fa­la­mos, um jo­vem ca­tó­li­co bem edu­ca­do, ri­go­ro­so e com con­du­ta mo­ral acima da mé­dia. O ex-pre­si­den­te do Fun­do So­be­ra­no não co­nhe­ço pes­so­al­men­te. Con­si­de­ro, além do su­pos­to er­ro de­les, que não fo­ram aju­da­dos a le­va­rem a ca­bo bem as su­as res­pon­sa­bi­li­da­des. Num país on­de a mai­o­ria dos mais ve­lhos rou­ba im­pu­ne­men­te, co­lo­car jo­vens à fren­te de ins­ti­tui­ções fi­nan­cei­ras tão im­por­tan­tes sem mo­ni­to­ri­za­ção e aju­da per­ma­nen­te é tam­bém um er­ro! Qu­an­tos mi­lhões já fo­ram rou­ba­dos an­tes des­tes? On­de es­tá a res­pon­sa­bi­li­da­de dos mais ve­lhos nis­so tu­do? Nin­guém quer sa­ber! De­fen­de­mos tra­ta­men­to igual pa­ra to­dos. Além das san­ções se­gun­do a lei que apoi­a­mos, que ha­ja tam­bém um pré­mio a jo­vens com bom exem­plo, com um es­tí­mu­lo sig­ni­fi­ca­ti­vo pa­ra con­tra­por es­ta ten­dên­cia.

Co­mo apre­ci­ou a pe­le­ja en­tre o ac­tu­al PCA da So­nan­gol e a em­pre­sá­ria Isabel dos San­tos ex-gestora, por si­nal jo­vem, sobre a ges­tão da mai­or em­pre­sa do Es­ta­do?

A va­riá­vel cha­ve aqui não é a ida­de cro­no­ló­gi­ca das pes­so­as. Se fos­se eu a subs­ti­tuir a en­ge­nhei­ra Isabel dos San­tos na So­nan­gol, de­pois de to­mar as pas­tas iria fa­zer um di­ag­nós­ti­co pré­vio. Se en­con­tras­se ir­re­gu­la­ri­da­des, cha­ma­ria a se­nho­ra Isabel dos San­tos lhe po­ria ao cor­ren­te e in­for­ma­ria que vou en­ca­mi­nhar a si­tu­a­ção às ins­ti­tui­ções afins e eu me con­cen­tra­ria na ta­re­fa de re­e­di­fi­car a So­nan­gol e pó-la ao serviço do de­sen­vol­vi­men­to da Nação. O mes­mo re­co­men­da­ria à en­ge­nha­ria Isabel dos San­tos quan­do as­su­miu a So­nan­gol. Ca­be­ria aos ór­gãos afins di­vul­ga­rem os fac­tos de­pois de apu­ra­dos. Em An­go­la es­tá a ocor­rer uma crise de ra­ci­o­na­li­da­de e de co­e­rên­cia: a mes­ma coi­sa quan­do se faz a um aplau­de-se e quan­do se faz a ou­tra pes­soa re­pro­va-se, in­clu­si­ve en­tre a mas­sa crí­ti­ca, in­te­lec­tu­al e es­tu­di­o­sa. Não de­ve ha­ver dois pesos e du­as medidas nes­te ca­pí­tu­lo.

O CNJ tem acon­se­lha­do os jo­vens a in­ves­ti­rem nas su­as com­pe­tên­ci­as e tor­na­rem-se bons pro­fis­si­o­nais pa­ra que pos­sam me­re­cer a con­fi­an­ça das en­ti­da­des em­pre­ga­do­ras. Não acha que os jo­vens são ati­ra­dos à sua sor­te?

O CNJ tem al­gu­ma von­ta­de de aju­dar os jo­vens, mas não tem apoio do Exe­cu­ti­vo e não dispõe de mei­os. Por is­so é, tal co­mo qu­a­se to­das as or­ga­ni­za­ções ju­ve­nis “pre­ga­dor no de­ser­to”. Só es­te fac­to re­for­ça a ideia do aban­do­no dos jo­vens. Pa­ra o Exe­cu­ti­vo, os úni­cos jo­vens são ape­nas a eli­te da JMPLA. Só es­tes me­re­cem es­tar no Con­se­lho da Re­pú­bli­ca, nas di­rec­ções das es­co­las, hos­pi­tais e ou­tras ins­ti­tui­ções pú­bli­cas. Na ver­da­de, os jo­vens fo­ram e con­ti­nu­am a ser, no es­sen­ci­al, ape­nas car­ne de canhão, le­nha pa­ra fo­guei­ra, lu­vas de bo­xe. Na ho­ra da co­lhei­ta e dis­tri­bui­ção que foi ga­nho com su­or, não são ti­dos nem acha­dos.

De­fen­de igual­men­te que a nova Lei Ge­ral de Tra­ba­lho não pro­te­ge efec­ti­va­men­te o em­pre­go jo­vem em vir­tu­de de se tra­tar de uma po­pu­la­ção com ne­ces­si­da­des es­pe­cí­fi­cas que, além de pre­ci­sar con­so­li­dar ex­pe­ri­ên­ci­as e co­nhe­ci­men­to, vi­ve uma fa­se de su­pe­ra­ção sobre os seus li­mi­tes e so­nhos?

A nova Lei de tra­ba­lho con­so­li­dou o ti­po de so­ci­e­da­de que se quer em An­go­la: ca­pi­ta­lis­ta ex­plo­ra­do­ra, até a exaus­tão da mas­sa tra­ba­lha­do­ra, jo­vem ou não. Es­ta Lei deu de­ma­si­a­do po­der à en­ti­da­de em­pre­ga­do­ra, no dia a dia la­bo­ral e so­bre­tu­do em ca­sos de con­fli­to la­bo­ral. Por exem­plo, à luz da ac­tu­al Lei Ge­ral de Tra­ba­lho, se o em­pre­ga­dor qui­ser des­pe­dir um tra­ba­lha­dor que fi­cou uma se­ma­na do­en­te em ca­sa, po­de fa­zê-lo, a co­ber­to da lei. Há ou­tras cláu­su­las que in­di­cam cla­ra­men­te a pro­mis­cui­da­de de que já fa­lei en­tre o mer­ca­do po­lí­ti­co, ju­di­ci­al e eco­nó­mi­co, pois, pa­re­ce que aque­la lei foi ela­bo­ra­da ape­nas pe­la en­ti­da­de em­pre­ga­do­ra. Os ape­los das cen­trais sin­di­cais, in­cluin­do a UNTA, fo­ram com­ple­ta­men­te ig­no­ra­dos. Se não ha­ver an­te­ci­pa­ção da ac­ção do Exe­cu­ti­vo, res­ta-nos es­pe­rar pe­las ma­ni­fes­ta­ções que ela vai ge­rar pa­ra ha­ver sen­sa­tez! De for­ma ge­ral, pre­ci­sa­mos de mu­dan­ça de cul­tu­ra go­ver­na­ti­va, atra­vés da mu­dan­ça de actores go­ver­nan­tes! Mui­to obri­ga­do pe­la opor­tu­ni­da­de e en­co­ra­jo es­ta nova pos­tu­ra da Edi­ções No­vem­bro em que in­clui o Jor­nal de An­go­la e o Jor­nal de Economia & Fi­nan­ças. Que Deus aben­çoe An­go­la e os an­go­la­nos.

O CNJ TEM AL­GU­MA VON­TA­DE DE AJU­DAR OS JO­VENS, MAS NÃO TEM APOIO DO EXE­CU­TI­VO E NÃO DISPÕE DE MEI­OS

PAU­LO MULAZA | EDI­ÇÕES NO­VEM­BRO

PAU­LO MULAZA | EDI­ÇÕES NO­VEM­BRO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.