Al­ter­na­ti­va pa­ra re­cei­tas

Jornal de Economia & Financas - - Opinião -

O sub­sec­tor dos diamantes con­ti­nua a ser a se­gun­da fon­te de re­cei­tas pa­ra su­por­tar o Or­ça­men­to Ge­ral do Es­ta­do, sen­do por is­so, um dos prin­ci­pais ac­ti­vos pa­ra a economia na­ci­o­nal. É pon­to assente de que pa­ra se atin­gir a ex­ce­lên­cia, to­dos os in­ter­ve­ni­en­tes da ca­deia pro­du­ti­va des­te im­por­tan­te seg­men­to, de­vem de­sem­pe­nhar com su­ces­so, o seu pa­pel. As­sim sen­do, as as­so­ci­a­ções ou co­o­pe­ra­ti­vas são cha­ma­das a li­de­ra­rem o pro­ces­so de trans­for­ma­ção e exe­cu­ção das políticas tra­ça­das pe­lo Go­ver­no que po­de­rão nos con­du­zir pa­ra o cres­ci­men­to e de­sen­vol­vi­men­to sus­ten­tá­vel. Nes­ta con­for­mi­da­de, a Em­pre­sa Na­ci­o­nal de Diamantes “En­di­a­ma” re­a­li­zou, re­cen­te­men­te, na ci­da­de de Sau­ri­mo, ca­pi­tal da pro­vín­cia da Lun­da Sul, um en­con­tro com as co­o­pe­ra­ti­vas, ca­sas de ven­da de diamantes e com a Di­rec­ção Pro­vin­ci­al da In­dús­tria e Ge­o­lo­gia e Mi­nas. Co­mo se sa­be, na pro­vín­cia da Lun­da Sul es­tá se­de­a­do o mai­or Kim­ber­li­to do país, sen­do es­te, o prin­ci­pal ac­ti­vo da En­di­a­ma, o que le­vou a mai­or fir­ma de diamantes do país, a apro­vei­tar a oca­sião pa­ra apre­sen­tar as no­vas políticas ou es­tra­té­gi­as de re­or­ga­ni­za­ção das co­o­pe­ra­ti­vas e das ca­sas de ven­da de diamantes, pa­ra que a ac­ti­vi­da­de mi­nei­ra exer­ça de fac­to, o seu pa­pel nes­ta fa­se em que o país atra­ves­sa mo­men­tos me­nos bons na sua economia, por cul­pa da que­da do preço do petróleo, prin­ci­pal pro­du­to de ex­por­ta­ção. É pre­ten­são da em­pre­sa pú­bli­ca de diamantes me­lho­rar e or­de­nar a ac­ti­vi­da­de em to­das as zo­nas de pro­du­ção, de­sen­co­ra­jan­do as­sim o ga­rim­po. Du­ran­te o en­con­tro, as co­o­pe­ra­ti­vas de­fen­de­ram a ne­ces­si­da­de de se re­ver a ta­xa co­bra­da pa­ra ce­dên­cia de es­pa­ço pa­ra a ex­plo­ra­ção de di­a­man­te. Na sua es­tra­té­gia de go­ver­na­ção pa­ra o pe­río­do 2017/2022, no qua­dro do de­sen­vol­vi­men­to e mo­der­ni­za­ção da in­dús­tria ex­trac­ti­va, o Exe­cu­ti­vo an­go­la­no pre­ten­de que a pro­du­ção de diamantes pos­sa ser in­cre­men­ta­da pas­sa­do dos no­ve mi­lhões de quilates por ano pa­ra 13,8 mi­lhões. O Go­ver­no vai as­se­gu­rar tam­bém, a mo­ni­to­ri­za­ção dos pro­gra­mas di­ri­gi­dos do sub­sec­tor dos diamantes, vi­san­do a en­tra­da em ex­plo­ra­ção do Kim­ber­li­to do Lu­a­xe (Lun­da Sul) e de no­vas pe­drei­ras de ro­chas nas pro­vín­ci­as da Huí­la, Na­mi­be, Cu­an­za Sul e Nor­te. Além dos diamantes, no sec­tor mi­né­rio, no de­cor­rer des­tes cin­co anos, o Go­ver­no quer adop­tar medidas pa­ra au­men­tar a pro­du­ção de ro­chas or­na­men­tais de 59,8 mil me­tros cú­bi­cos pa­ra 104,6 mil me­tros cú­bi­cos/ano. O pro­gra­ma pre­vê igual­men­te, o ar­ran­que do pro­jec­to de pro­du­ção de fer­ro “gu­sa” com 420 mil to­ne­la­das/ano. É tam­bém apos­ta pa­ra o ac­tu­al ci­clo, a di­na­mi­za­ção do pro­jec­to de ex­plo­ra­ção de mi­nei­ro de fer­ro, com uma pro­du­ção de 1,7 mi­lhões de to­ne­la­das/ ano, bem co­mo o ou­ro que po­de­rá atin­gir 25,6 mil on­ças/ ano e o fos­fa­to na or­dem das 1,3 mi­lhões de to­ne­la­das/ano. O desafio é “es­pi­nho­so”, mas acre­di­ta-se que com o es­ta­be­le­ci­men­to de par­ce­ri­as ade­qua­das, tan­to in­ter­nas co­mo tam­bém ex­ter­nas, com vis­ta a ace­le­ra­ção da im­ple­men­ta­ção dos projectos mi­nei­ros cons­tan­tes na car­tei­ra de in­ves­ti­men­tos do sec­tor de ex­plo­ra­ção de mi­nei­ro, os re­sul­ta­dos se­rão am­pla­men­te sa­tis­fa­tó­ri­os e tor­na­rá o sub­sec­tor dos diamantes mais efi­ci­en­te e com uma con­tri­bui­ção sig­ni­fi­ca­ti­va pa­ra as re­cei­tas do país.

NA SUA ES­TRA­TÉ­GIA DE GO­VER­NA­ÇÃO PA­RA O PE­RÍO­DO 2017/2022, O EXE­CU­TI­VO AN­GO­LA­NO PRE­TEN­DE QUE A PRO­DU­ÇÃO DE DIAMANTES AUMENTE PA­RA 13,8 MI­LHÕES QUILATES POR ANO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.