Lei da Con­cor­rên­cia pas­sa na es­pe­ci­a­li­da­de

De­pu­ta­dos das co­mis­sões de tra­ba­lho es­pe­ci­a­li­za­das da As­sem­bleia Na­ci­o­nal apro­va­ram por una­ni­mi­da­de o “re­la­tó­rio pa­re­cer” con­jun­to da pro­pos­ta de Lei que vi­sa pro­mo­ver a com­pe­ti­ti­vi­da­de dos agen­tes

Jornal de Economia & Financas - - Especial -

AP­ro­pos­ta de Lei da Con­cor­rên­cia vai à vo­ta­ção fi­nal glo­bal na pró­xi­ma reunião or­di­ná­ria da As­sem­bleia Na­ci­o­nal, agen­da­da pa­ra o dia 19 de Abril do ano em cur­so, de­pois da apro­va­ção na es­pe­ci­a­li­da­de, nes­ta se­gun­da-fei­ra, pe­las co­mis­sões de tra­ba­lho es­pe­ci­a­li­za­das do Par­la­men­to.

Os de­pu­ta­dos da 1ª, 4ª e 5ª co­mis­sões de tra­ba­lho es­pe­ci­a­li­za­das da As­sem­bleia Na­ci­o­nal apro­va­ram por una­ni­mi­da­de o “re­la­tó­rio pa­re­cer” con­jun­to da pro­pos­ta de Lei, que vi­sa pro­mo­ver a com­pe­ti­ti­vi­da­de dos di­ver­sos agen­tes económicos e a eficiência na alocação dos factores de pro­du­ção e dis­tri­bui­ção de bens e ser­vi­ços.

A pro­pos­ta de Lei es­ta­be­le­ce a cri­a­ção da Au­to­ri­da­de Reguladora da Con­cor­rên­cia, que de­ve­rá prevenir e sancionar as ac­ções dos agen­tes económicos in­cum­pri­do­res das regras e dos prin­cí­pi­os da con­cor­rên­cia.

O pre­si­den­te da comissão dos As­sun­tos Cons­ti­tu­ci­o­nais e Ju­rí­di­cos da As­sem­bleia Na­ci­o­nal, de­pu­ta­do Reis Júnior, dis­se que fo­ram in­tro­du­zi­das al­te­ra­ções de fun­do e de for­ma na pro­pos­ta de Lei da Con­cor­rên­cia.

Ex­pli­cou que a pres­ta­ção de con­tas à Au­to­ri­da­de Reguladora da Con­cor­rên­cia, que se in­se­re na ad­mi­nis­tra­ção in­di­rec­ta do Es­ta­do, con­ti­nua a ser da res­pon­sa­bi­li­da­de do Exe­cu­ti­vo e não da As­sem­bleia Na­ci­o­nal.

Foi fei­ta uma dis­cus­são por­me­no­ri­za­da da Pro­pos­ta de Lei da Con­cor­rên­cia, ten­do si­do es­cla­re­ci­das al­gu­mas pre­o­cu­pa­ções que os de­pu­ta­dos co­lo­ca­ram em re­la­ção ao fun­ci­o­na­men­to dos mo­no­pó­li­os, da po­si­ção do­mi­nan­te, en­tre ou­tros, e em que cir­cuns­tân­ci­as a Au­to­ri­da­de Reguladora de­ve­rá in­ter­vir.

A Pro­pos­ta de Lei da Con­cor­rên­cia proí­be o uso abu­si­vo da po­si­ção do­mi­nan­te e dos mo­no­pó­li­os.

Con­si­de­ra-se abu­so da po­si­ção do­mi­nan­te adop­tar qual­quer com­por­ta­men­to que re­sul­te na fi­na­li­da­de de res­trin­gir a con­cor­rên­cia, ven­der, in­jus­ti­fi­ca­da­men­te, mer­ca­do­ri­as abai­xo do preço do cus­to e rom­per to­tal, ou par­ci­al­men­te, uma re­la­ção co­mer­ci­al de for­ma in­jus­ti­fi­ca­da.

As co­mis­sões de tra­ba­lho es­pe­ci­a­li­za­das do Par­la­men­to apre­ci­a­ram tam­bém a pro­pos­ta de Lei do In­ves­ti­men­to em An­go­la, que vai à vo­ta­ção, na ge­ne­ra­li­da­de, na pró­xi­ma reunião ple­ná­ria or­di­ná­ria da As­sem­bleia Na­ci­o­nal.

O pre­si­den­te da 5ª comissão de Economia e Fi­nan­ças da As­sem­bleia Na­ci­o­nal, Dió­ge­nes de Oliveira, que con­si­de­rou opor­tu­na a ini­ci­a­ti­va do Ti­tu­lar do Po­der Exe­cu­ti­vo, re­al­çou que a mes­ma de­cor­re da ne­ces­si­da­de da evo­lu­ção da pró­pria di­nâ­mi­ca do ac­tu­al mo­de­lo eco­nó­mi­co.

“O que te­mos que fa­zer agora é olhar pa­ra as ex­pe­ri­ên­ci­as das leis an­te­ri­o­res, pug­nar­mos por uma lei que se­ja con­sis­ten­te e que pos­sa de fac­to res­pon­der às ex­pec­ta­ti­vas”, ex­pres­sou.

A pró­xi­ma Reunião Ple­ná­ria Or­di­ná­ria da As­sem­bleia Na­ci­o­nal vai ain­da pro­ce­der a dis­cus­são e vo­ta­ção do Pro­jec­to de Lei de Au­to­ri­za­ção Le­gis­la­ti­va que au­to­ri­za o Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, en­quan­to Ti­tu­lar do Po­der Exe­cu­ti­vo, a le­gis­lar pa­ra a De­fi­ni­ção do Re­gi­me Ju­rí­di­co Apli­cá­vel às Ac­ti­vi­da­des de Pes­qui­sas Adi­ci­o­nais em Áre­as de De­sen­vol­vi­men­to de Con­ces­sões Pe­tro­lí­fe­ras em Pe­río­do de Pro­du­ção.

Emen­das à Lei

Os de­pu­ta­dos da 1ª, 4ª e 5ª co­mis­sões de tra­ba­lho es­pe­ci­a­li­za­das da AN in­tro­du­zi­ram, al­te­ra­ções pon­tu­ais à Pro­pos­ta de Lei da Con­cor­rên­cia du­ran­te o de­ba­te, na es­pe­ci­a­li­da­de.

Ao lon­go do de­ba­te, de cer­ca de cin­co ho­ras, os de­pu­ta­dos es­miu­ça­ram os oi­to ca­pí­tu­los da Pro­pos­ta de Lei da Con­cor­rên­cia, que vi­sa pro­mo­ver a com­pe­ti­ti­vi­da­de dos di­ver­sos agen­tes económicos e a eficiência na alocação dos factores de pro­du­ção e dis­tri­bui­ção de bens e ser­vi­ços.

O di­plo­ma es­ta­be­le­ce tam­bém a cri­a­ção da Au­to­ri­da­de Reguladora da Con­cor­rên­cia, que de­ve­rá prevenir e sancionar as ac­ções dos agen­tes económicos in­cum­pri­do­res das regras e dos prin­cí­pi­os da con­cor­rên­cia.

Du­ran­te os de­ba­tes, um dos as­pec­tos que me­re­ceu ca­lo­ro­sa dis­cus­são es­te­ve re­la­ci­o­na­do com a Au­to­ri­da­de Reguladora da Con­cor­rên­cia, on­de se pro­pu­nha, no “re­la­tó­rio pa­re­cer” con­jun­to, a in­tro­du­ção de um artigo cons­ti­tuí­do por du­as alí­ne­as que es­ta­be­le­cia o seu es­cru­tí­nio pe­la As­sem­bleia Na­ci­o­nal, mas não foi co­lhi­do pe­los de­pu­ta­dos e nem pe­los re­pre­sen­tan­tes do Ti­tu­lar do Po­der Exe­cu­ti­vo.

Em re­la­ção ao mes­mo, o di­rec­tor do Ins­ti­tu­to de Pre­ços e Con­cor­rên­cia (do Ministério das Fi­nan­ças), An­tó­nio da Cruz Li­ma, dis­se não fa­zer sen­ti­do que a Au­to­ri­da­de Reguladora da Con­cor­rên­cia pres­te con­tas di­rec­tas ao Par­la­men­to, co­mo se se tra­tas­se de uma au­to­ri­da­de ad­mi­nis­tra­ti­va in­de­pen­den­te.

AU­TO­RI­DA­DE REGULADORA DA CON­COR­RÊN­CIA DE­VE­RÁ PREVENIR E SANCIONAR AS AC­ÇÕES DOS AGEN­TES ECONÓMICOS E A EFICIÊNCIA NA ALOCAÇÃO DOS FACTORES DE PRO­DU­ÇÃO

SAN­TOS PE­DRO | EDI­ÇÕES NO­VEM­BRO

Uma das ses­sões da As­sem­bleia Na­ci­o­nal em que foi de­ba­ti­da a pro­pos­ta de Lei da Con­cor­rên­cia

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.